Follow Us @soratemplates

08/03/2017

Dica do Clube ― Dia Internacional da Mulher :: Sejamos Todos Feministas


“Eu tendo a cometer o erro de achar que uma coisa óbvia para mim também é óbvia para todo mundo.”
Oiiiiiiiiii, pessoinhas!  Hoje, dia 8 de março, como todos sabem, é o Dia Internacional das Mulheres : seres que podem ser fortes e lutadoras sem deixarem de ser femininas e sensíveis, que conquistam tudo e a todos com seu zelo, com sua coragem, com sua capacidade, com o amor que transmitem em tudo o que fazem e sonham. E hoje, resolvi indicar uma obra de leitura rápida, mas que é absolutamente necessária e reflexiva: Sejamos Todos Feministas, da autora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, que é derivado de uma palestra feita pela autora no TEDx Euston.
 “Tanto um homem como uma mulher podem ser inteligentes, inovadores, criativos. Nós evoluímos. Mas nossas ideias de gênero ainda deixam a desejar.”

Esse livro é um chamado para a realidade, para a verdade sobre o que é ser feminista, o porquê de o feminismo ser tão importante tanto para mulheres como para homens, o porquê de como o feminismo poderia ser libertador caso TODOS deixassem a discriminação de lado e se tratassem como IGUAIS, já que todos deveríamos ter os mesmos direitos, as mesmas oportunidades, o mesmo respeito.
“Perdemos muito tempo ensinando as meninas a se preocupar com o que os meninos pensam delas. Mas o oposto não acontece. Não ensinamos os meninos a se preocupar em ser “benquistos”. Se, por um lado, perdemos muito tempo dizendo às meninas que elas não podem sentir raiva ou ser agressivas ou duras, por outro, elogiamos ou perdoamos os meninos pelas mesmas razões.”

Sejamos Todos Feministas é um livro curto, pequeno, mas que é gigante no seu conteúdo, mostrando a realidade de ser mulher em uma sociedade que, querendo ou não, se tocando disso ou não, ainda é machista. E isso é perceptível em todas as questões levantadas pela autora na obra. Questões do nosso dia a dia mesmo, que não são notadas (ou ignoradas) por muitos. Questões que mostram o quanto o mundo ainda tem que melhorar, o quanto algumas culturas ainda precisam ser mudadas.
"A cultura não faz as pessoas. As pessoas fazem a cultura. Se uma humanidade inteira de mulheres não faz parte da nossa cultura, então temos que mudar nossa cultura."

Muitas vezes as pessoas não sabem exatamente o que é feminismo ou o julgam pelas atitudes de mulheres mais radicais, achando que feministas odeiam os homens, que acham que as mulheres devem mandar neles, que feministas não usam sutiã, nem maquiagem... Mas na verdade o feminismo busca a igualdade, direitos iguais para ambos os sexos, onde a criação dos filhos possa ser igual e não definida pelo sexo deles, onde todos respeitem e sejam respeitados. O feminismo é uma luta pela igualdade.
“O problema da questão de gênero é que ela prescreve como devemos ser em vez de reconhecer como somos. Seríamos bem mais felizes, mais livres para sermos quem realmente somos, se não tivéssemos o peso das expectativas do gênero.”

Então, homens, saibam que as mulheres não querem sair se achando melhores que ninguém, nem sair pisando nos outros. Elas querem ser suas iguais, serem tratadas com o mesmo respeito, tendo os mesmos direitos. Por que ser mulher não é ser mais incapaz e nem menos inteligente.
 “A questão de gênero, como está estabelecida hoje em dia, é uma grande injustiça. Estou com raiva. Devemos ter raiva. Ao longo da história, muitas mudanças positivas só aconteceram por causa da raiva. Além da raiva, também tenho esperança, porque acredito profundamente na capacidade de os seres humanos evoluírem.”

E isso tudo podemos encontrar na obra da Chimamanda Ngozi Adichie, que de maneira clara e cheias de exemplos, nos faz abrir os olhos para o quanto a busca por igualdade é importante e essencial. Nos incentiva a lutarmos por um mundo mais igualitário, onde o nosso valor e importância não são definidos pelo nosso sexo, mas pelo que realmente somos. Nos incentiva a lutarmos por um mundo onde podemos ser autênticos. Então, buscando tudo isso, Sejamos Todos Feministas
 “A questão de gênero é importante em qualquer canto do mundo. É importante que comecemos a planejar e sonhar um mundo diferente. Um mundo mais justo. Um mundo de homens mais felizes e mulheres mais felizes, mais autênticos consigo mesmos.”


Confira a palestra que deu origem ao livro:




Adquira o ebook de Sejamos Todos Feministas, gratuitamente, em: 

Amazon || Google  Play || Kobo || Apple || Saraiva

Informações Técnicas do livro

Sejamos Todos Feministas
Ano: 2014
Páginas: 87
Sinopse (Skoob): 
O que significa ser feminista no século XXI? Por que o feminismo é essencial para libertar homens e mulheres? Eis as questões que estão no cerne de Sejamos todos feministas, ensaio da premiada autora de Americanah e Meio sol amarelo."A questão de gênero é importante em qualquer canto do mundo. É importante que comecemos a planejar e sonhar um mundo diferente. Um mundo mais justo. Um mundo de homens mais felizes e mulheres mais felizes, mais autênticos consigo mesmos. E é assim que devemos começar: precisamos criar nossas filhas de uma maneira diferente. Também precisamos criar nossos filhos de uma maneira diferente."Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente da primeira vez em que a chamaram de feminista. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: Você apoia o terrorismo!. Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e em resposta àqueles que lhe diziam que feministas são infelizes porque nunca se casaram, que são anti-africanas, que odeiam homens e maquiagem começou a se intitular uma feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens.Neste ensaio agudo, sagaz e revelador, Adichie parte de sua experiência pessoal de mulher e nigeriana para pensar o que ainda precisa ser feito de modo que as meninas não anulem mais sua personalidade para ser como esperam que sejam, e os meninos se sintam livres para crescer sem ter que se enquadrar nos estereótipos de masculinidade. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé.

Outras obras da autora Chimamanda Ngozi Adichie:


Americanah


Sinopse (Skoob):
Lagos, anos 1990. Enquanto Ifemelu e Obinze vivem o idílio do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Em busca de alternativas às universidades nacionais, paralisadas por sucessivas greves, a jovem Ifemelu muda-se para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo que se destaca no meio acadêmico, ela se depara pela primeira vez com a questão racial e com as agruras da vida de imigrante, mulher e negra. Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, tampouco anularam sua ligação com Obinze. Quando ela volta para a Nigéria, terá de encontrar seu lugar num país muito diferente do que deixou e na vida de seu companheiro de adolescência. Chimamanda Ngozi Adichie parte de uma história de amor para debater questões prementes e universais como imigração, preconceito racial e desigualdade de gênero.


Hibisco roxo

Sinopse (Skoob):
Protagonista e narradora de Hibisco Roxo, a adolescente Kambili mostra como a religiosidade extremamente "branca" e católica de seu pai, Eugene, famoso industrial nigeriano, inferniza e destrói lentamente a vida de toda a família. O pavor de Eugene às tradições primitivas do povo nigeriano é tamanho que ele chega a rejeitar o pai, contador de histórias encantador, e a irmã, professora universitária esclarecida, temendo o inferno. Mas, apesar de sua clara violência e opressão, Eugene é benfeitor dos pobres e, estranhamente, apoia o jornal mais progressista do país. Durante uma temporada na casa de sua tia, Kambili acaba se apaixonando por um padre que é obrigado a deixar a Nigéria, por falta de segurança e de perspectiva de futuro. Enquanto narraas aventuras e desventuras de Kambili e de sua família, o romance também apresenta um retrato contundente e original da Nigéria atual, mostrando os remanescentes invasivos da colonização tanto no próprio país, como, certamente, também no resto do continente.


Meio sol amarelo


Sinopse (Skoob):
Filha de uma família rica e importante da Nigéria, Olanna rejeita participar do jogo do poder que seu pai lhe reservara em Lagos. Parte, então, para Nsukka, a fim de lecionar na universidade local e viver perto do amante, o revolucionário nacionalista Odenigbo. Sua irmã Kainene de certo modo encampa seu destino. Com seu jeito altivo e pragmático, ela circula pela alta roda flertando com militares e fechando contratos milionários. Gêmeas não idênticas, elas representam os dois lados de uma nação dividida, mas presa a indissolúveis laços germanos - condição que explode na sangrenta guerra que se segue à tentativa de secessão e criação do estado independente de Biafra.
Contado por meio de três pontos de vista - além do de Olanna, a narrativa concentra-se nas perspectivas do namorado de Kainene, o jornalista britânico Richard Churchill, e de Ugwu, um garoto que trabalha como criado de Odenigbo -, Meio sol amarelo enfeixa várias pontas do conflito que matou milhares de pessoas, em virtude da guerra, da fome e da doença. O romance é mais do que um relato de fatos impressionantes: é o retrato vivo do caos vislumbrado através do drama de pessoas forçadas a tomar decisões definitivas sobre amor e responsabilidade, passado e presente, nação e família, lealdade e traição.



 Feliz Dia Internacional da Mulher! 

18 comentários:

  1. Que tema polêmico, ein! rsrs
    Não me considero ativista nem feminista, mas é sempre bom ver todos os lados

    Bjs!

    Partes da Literatura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre bom conhecer todos os lados mesmo, Taínny, assim não julgamos sem ter conhecimento nenhum.

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube do Farol :)

      Excluir
  2. Olá!
    Hoje em dia, muitas mulheres (e homens) confundem o feminismo com superioridade, ou seja, o contrário de machismo. Mas, vale lembrar que o feminismo não é superioridade, o feminismo é igualdade, achei bacana que o livro mostra isso. Gostei muito e já quero ler!

    Amei!
    Beijos,
    Ler Antes De Dormir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está totalmente certa, Narah. E por confundirem, acabam tendo muitas opiniões negativas, sem conhecerem de verdade o que é feminismo :/.
      E leia sim, é bem curtinho, dá para ler em menos de meia hora :).

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube do Farol! :)

      Excluir
  3. Oi!

    Sou feminista de carteirinha e estou apaixonada por este post, já quero este livro e depois verei o vídeo, pois parece bem interessante. Acho importante falar sobre o feminismo, mas o mais relevante são as atitudes, conheço feministas que não agem como tal e mulheres sem rótulos que me orgulham!

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns por ser feminista, Caroline :).
      Realmente, rótulos são apenas detalhes, o importante são nossas atitudes sempre.
      E leia o livro mesmo, dá para ler bem rapidinho, e quando vi o vídeo deu vontade de bater palmas sozinha para a Chimamanda Ngozi Adichie, espero que goste, eu amei :).

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube do Farol :).

      Excluir
  4. Aproveite o dia das mulheres para baixar esse livro no kindle (adorei a gratuidade), vou ler e comento aqui o que achei da leitura!! Bjs Parabéns pelo post Danii, maravilhoso!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Elis :). O ebook ser de graça é um incentivo a mais para ler, rs. Espero que ame tanto quanto a Milly e eu :).

      Bjo

      Excluir
  5. Olá, adorei sua resenha. Que escolha diferente de leitura, realmente um tema difícil. Uma autora incomum também. Achei muito interessante, parabéns pela homenagem e feliz dia das mulheres atrasado rsss... bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada atrasado também, rs. É um tema difícil, mas necessário :/. E a autora é maravilhosa. Quando puder leia esse livro, é incrível :).

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube :).

      Excluir
  6. Gostei do post. O tema é sempre polêmico. Esse livro Hibisco Roxo já dei de presente, mas nunca li. Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada :). Também nunca li Hibisco Roxo :(, mas pretendo. Já amo essa autora e quero ler tudo dela, rs.

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube :).

      Excluir
  7. Adorei o post. Esse tema deve ser cada vez mais abordado!
    Beijos :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Daniele :). Deve ser cada vez mais abordado, com certeza. Assim talvez deixem de julgar sem conhecer.

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube :).

      Excluir
  8. Oii!
    Sou feminista e já escutei e ainda escuto piadinhas por aí. Tenho raiva quando as pessoas pensam que as femininas querem ser superior ao homem e não entende que queremos direitos iguais.
    Não li esse livro, mas já vi alguns lugares. Amei esse post!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Juliana!
      Piadinhas sempre aparecem. As pessoas amam sair falando do que não sabem, e gostam de ficar na ignorância em vez de se aprofundar no assunto e parar de julgar quem pensa diferente delas.
      E leia o livro! É super curto, mas é maravilhoso :).

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube :).

      Excluir
  9. A M O esse livro! A M O essa autora!
    Acho que todos deveriam ter a oportunidade de ler Chimamanda... Ela tem uma sensibilidade que atinge a todos.
    Minha próxima leitura será Hibisco Roxo, mas tenho a meta de ler todos os títulos dela.
    Amei teu post.

    beijos, Priscila
    https://maishumlivro.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Chimamanda é maravilhosa! Ela escreve de um jeito que nos toca e faz parecer que foi com a gente, rs.
      Eu também quero ler todos os livros dela, devem ser todos muito bons e inspiradores :).
      Obrigada :).

      Bjo
      Bem-vinda ao Clube :).

      Excluir

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!