Follow Us @soratemplates

13/04/2019

Resenha :: Anne e a Casa dos Sonhos


  Pode conter spoiler dos livros anteriores.

Confira as resenhas dos primeiros livros da série!


Oi, faroleiros. Esta resenha é sobre o livro Anne e a Casa dos Sonhos, o quinto da série e uma das leituras mais aguardadas pela minha pessoa depois do terceiro. Nunca quis tanto ler sobre o finalmente de um casal como o da Anne e do Gilbert, e é o finalmente mesmo, pois este livro começa narrando o casamento dos dois e creio que o maior sonho da Anne se tornando realidade, ter o seu próprio lar, a sua casa dos sonhos e formar sua família. Não que ela não considerasse Green Gables como sua casa, mas é realmente um sentimento diferente.


— Nunca gostei muito dos diamantes, ainda mais depois que descobri que não eram da cor de violeta que eu imaginava. Um anel de diamantes sempre iria me fazer recordar desse velho desapontamento.
Mas o antigo adágio diz que as pérolas trazem lágrimas – Gilbert havia objetivado.
Não tenho medo disso. E as lágrimas podem ser tanto de alegria como de tristeza. Os momentos mais felizes da minha vida têm sido com lágrimas nos olhos (...) Então, dê-me um anel de noivado com pérolas, Gilbert, e estarei disposta a aceitar as tristezas da vida, bem como as alegrias.

Ao invés de falar da história, o que poderia vir a estragar as surpresas da leitura, vou escrever minha opinião. Está sendo fantástico ler esta série, que é histórica para nós, mas totalmente contemporânea para a época em que foi escrita. Ver a mudança da moda, o desenvolvimento da tecnologia, a religião, política e economia canadense, descritas de maneira cotidiana no desenvolver da vida dos personagens, bem como o próprio crescimento dos personagens foi maravilhoso.

Temos logo no início um lembrete das pessoas que passaram pela vida da Anne, e o aparecimento de novos personagens que não são secundários, são fundamentais para o brilhantismo de toda a escrita da autora e enredo da história. No decorrer da leitura, vamos vendo o dia-a-dia dos dois, justamente através dos diálogos entre os novos amigos da Anne e até a visita de seus familiares, do que propriamente entre eles. Porém os diálogos dos dois são momentos bem especiais.

— (...) Oh, veja Gilbert, lá está o nosso lar! Estou contente por temos deixado a luz acesa. Detesto voltar para uma casa escura. A luz de nossa casa, Gilbert! Não é adorável?
— Apenas uma das muitas milhares de casas na terra, minha Anne, mas a nossa, o nosso farol brilha num mundo perverso. Quando um homem tem um lar e uma querida esposa ruivinha, o que mais pode pedir da vida?
— Bem, ele poderia pedir uma única coisa a mais — sussurrou Anne, contente.

A Marilla ensinou a Anne a viver com humildade e simplicidade, ela nunca se vangloria em nada do que faz ou fez, sempre tira por menos em relação aos outros. Não vejo isso como se ela se menosprezasse, penso que para a época e devido a tudo o que ela viveu, ela tomasse isso como um meio de viver para estar sempre feliz e satisfeita, pois expectativas, quando não alcançadas, geram grandes decepções, enquanto que quando não esperado, algo de muito bom acontece, a satisfação é imensa.


Já li várias resenhas sobre este livro depois da minha leitura, e percebi que as pessoas ficaram muito chateadas com determinado ponto da história e eu penso totalmente diferente; não vejo que a autora regrediu a personalidade da Anne quando a mesma declara não ter talento para escrever um livro de memórias, ela simplesmente destacou que apesar de escrever fantasias infantis, não a qualificava como escritora para todos os tipos de assunto. Ela até poderia escrever se quisesse, mas este não é e nunca foi o foco na vida da Anne, além de que é um ponto importante que a autora deixou para outro personagem na história.

Não podemos ler um livro escrito no início do século vinte com o pensamento da vida que levamos no século vinte e um. Apesar de todas as conquistas estudantis e profissionais que a Anne teve, ela abriu mão de tudo para ser dona de casa, casada com um homem pobre, no início de carreira. O seu sonho era ser além de amiga, era ser esposa e mãe, e é o que ela busca na nova fase da sua vida. Hoje em dia, muitas mulheres considerariam isso um crime, falta de feminismo ou identidade própria. Cada pessoa é feliz vivendo da maneira que quer, contanto que esteja realizando seus sonhos.


Esta série é uma leitura profunda com várias reflexões para nossa vida, mesmo nos dias atuais serem tão diferentes da época descrita. Algumas coisas, como a busca dos seus sonhos e o tratamento para com o próximo devem ser imutáveis, mesmo com o passar dos anos. Eu dou nota máxima, 5/5, para este livro como também um coração, pois ele se tornou um dos meus favoritos.

Boa leitura,

Carol Finco


Nota ::  



Informações Técnicas do livro

Anne e a Casa dos Sonhos
Anne de Green Gables #5
Ano: 2019
Páginas: 240
Editora: Pedrazul
Sinopse:
O amor verdadeiro de Anne e Gilbert chega ao apogeu com os raios do sol iluminando o velho jardim de Green Gables. Ao lado dos seus amigos mais queridos, eles estão prestes a proferir os votos de casamento. Logo o casal, imerso em felicidade, está a caminho de uma nova vida, no que Anne chama de sua “casa dos sonhos”, na costa nebulosa do porto de Four Winds.


Editora Pedrazul atualmente é a editora que mais se dedica à tradução e à publicação de obras mundialmente consagradas, algumas ainda desconhecidas no mercado editorial brasileiro, como os autores que influenciaram o estilo da mais famosa escritora inglesa de todos os tempos, Jane Austen. Também atua no segmento romance histórico e de época escritos por autores contemporâneos.

Um comentário:

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!