Follow Us @soratemplates

30/12/2019

Resenha :: A Bastarda (Damas Perfeitas #5)


  Pode conter spoiler dos livros anteriores.

Confira a resenha dos primeiros livros da série!


Olá, é com uma dorzinha no coração que venho falar com vocês do quinto e último livro da série Damas Perfeitas. Vou começar dizendo que adorei o final, porque essa série para mim tem gosto de novela de época, daquelas que, de tão bem escritas, fazem a gente viver a história, com direito a imaginar as roupas, danças, locais e cheiros que os personagens criam em nossa mente, à medida que vamos lendo. Tem também todos os ingredientes do último capítulo tão aguardado que traz revelações bombásticas e, claro, finais.

Mesmo os outros livros podendo ser lidos de maneira independente, esse não permite isso. Porque, para entender as nuances e delicadezas de algumas revelações, é preciso ter lido a primeira história e conhecido a Ann Granville Anson ainda acamada, sendo irmã mais velha da jovem Sarah. Ter conhecido Marie, na vida de Anne e Sarah, as revelações feitas após o luto de Viollet e seu amor por John, irmão da Marquesa e, claro, todas as perguntas que surgem após a morte de Lady Bebel e a chegada da Estrangeira ao intrincado mundo de Edward e sua luta para salvar sua família.

— Ninguém perde ninguém, Lorde Edward. Humanos não são posses.

Então, como pode ler, são várias coisas que é preciso conhecer antes de chegar a história da Bastarda, que já começa com revelações inacreditáveis e, ao mesmo tempo, extremamente coerentes com a trama. Afinal, como assim o casamento com Anthony é forjado?? E minha nossa, Ann é bastarda, então ela não era filha de Lady Julliet? Ou não era filha do Duque de Sutherland? Ou ainda nenhum dos dois? Fica a dúvida então: de quem? E como pode a vida de duas famílias ser tão intrinsecamente ligada a ponto de ter mantido a uma menina, durante tantos anos, acamada a base de uma droga tão forte que deveria tê-la matado.

Como sabemos, a chegada do jovem e bonito doutor Anthony à vida de Ann foi providencial e, claro, contou com a astúcia de Lady Bebel que, mesmo após a morte, mantém seu plano em andamento, afinal Pia mostra-se, mais do que nunca, peça chave nessa trama de vida e morte.

Diante de Marcos, estava a beleza mais pura, doce e frágil que ele já vira.

A chegada de Marcos à trama deixa tudo ainda mais interessante, mesmo ele tendo sido marcado pela doença, morte e tragédia em seu percurso do Brasil à Inglaterra. E o fato de não apenas ser forro e filho adotivo de Joseph Senior, agora com a morte de seu pai adotivo, detentor de grande porte de riquezas cunhadas em ouro. Além, claro, dos sentimentos de proteção que ele tem para com as mulheres de sua vida se verem voltados para Ann, que se mostra irresistivelmente de contradições, entre a maior fragilidade e uma força inata forjada pela vontade de viver e experimentar tudo que os anos passados acamada lhe roubaram. É nessa vontade de ser livre que Marcos encontra todo o desafio que precisa para ousar estar ao lado da bastarda. Que, assim como ele, tem seu lugar ao mundo negado por padrões sociais tão hipócritas quanto quem os criou. Mas que sempre se dobram ao título e a riqueza de quem fora desses padrões os detêm.

— O que acontece com você? Às vezes parece tão frágil e rapidamente se mostra a mulher mais forte e determinada que conheci.

Não deixa de ser emocionante descobrir os como's e porque's que permearam toda a série. Finalmente vamos vendo o papel de cada um e porque, até agora, os Lordes não haviam conseguido desvendar toda a trama por trás das falsificações e crimes contra a coroa. Mas fica claro que, dentro dos padrões, esses crimes nunca seriam revelados. Era preciso que Damas Perfeitas em suas imperfeições despertassem a coragem e ousadia tão pouco típica dos nobres ingleses, para que tudo fosse revelado a seu tempo e enfim a liberdade, que só é conquistada através da verdade, viesse a tona. Adorei a falta de "espetáculo" para o desfecho do vilão, as coisas na vida real não tem o glamour ou a retumbância que gostaríamos, e, diferente dos julgamentos promovidos pela Santa Inquisição, a Coroa Britânica desde que existe lida com seus "problemas" mais graves com a mesma elegância de seus Chás da Tarde.

— Não é um título que mostra a nobreza de um homem.

A autora Nahra Mestre consegue, com grande maestria, mostrar tudo o que sempre existiu na humanidade desde que o mundo é mundo, e que, de um jeito ou de outro, foi vivido mesmo que a sobra que sempre guardou o que era impossível a luz da sociedade, mas sempre existe no mundo real. E que, mesmo onde as convenções ditam o comportamento, apenas o amor governa os corações, sendo este ao dinheiro, poder ou ao sentimento que move o mundo, nos fazendo viver e não apenas existir.

Sobre a edição: A diagramação e revisão, mais uma vez, ficaram ótimas, com mais uma belíssima capa, perfeita para a essência da personagem, da história e da Série, fechando literalmente com chave de ouro!

Boa leitura, Elis


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

A Bastarda
Damas Perfeitas #5
Ano: 2019
Páginas: 170
Editora: Portal
Sinopse:
Depois de forjar o próprio casamento para conseguir se livrar dos fantasmas do passado, Ann Granville Anson se vê perdida e precisa duelar com todas as suas fraquezas para recomeçar sua vida. Ainda que não se sinta preparada, a filha bastarda da mulher mais cruel do Reino Unido precisa juntar forças para consertar os erros do passado de sua família.
Mas Ann não contava com a presença de Marcos, um escravo liberto, que chegou trazendo um sopro de esperança.
Marcos e Ann descobrem que certos sentimentos são incontroláveis, mas a vontade de ficar juntos pode não ser suficiente para os exigentes padrões da sociedade inglesa.
O último livro da série Damas Perfeitas retrata amores improváveis e proibidos, mas, acima de tudo, revela ao leitor o mistério escondido por trás das histórias publicadas anteriormente.

Para adquirir:


 _____Sobre a Autora_____

Nahra Mestre



Escrever foi algo inusitado. Quando nova, nunca foi uma amante da literatura, sua paixão sempre foram os números. Descobriu o prazer da leitura na terceira década de vida. Devorou, mastigou, engoliu e não conseguiu mais parar.
Sem pensar muito resolveu criar histórias. Escrever foi uma catarse, onde encontrou um pedaço que lhe faltava.
Seu primeiro livro foi escrito em 2015 e depois que esse bichinho maluco e inusitado lhe picou não conseguiu mais parar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!