Follow Us @soratemplates

15/11/2020

O Clube Entrevista :: Karine Vidal


Oi, faroleiros!


Hoje temos entrevista com uma autora nacional, que, se vocês ainda não conhecem, precisam conhecer para ontem! Estou falando da autora Karine Vidal, autora de alguns títulos, entre eles o livro Escola dos Mortos, que já tem resenha aqui no blog, e vocês podem conferir, clicando aqui. Sem mais delongas, vamos à entrevista.



Karine Vidal nasceu em 1994 em Minas Gerais. Advogada, é autora de alguns romances, entre eles O Conde Apaixonado e Príncipes Perversos. Escola dos Mortos é seu título de maior sucesso, projeto que a fez se destacar no universo da literatura fantástica nacional. Após centenas de exemplares vendidos, Karine apresenta a melhor versão do título, desta vez publicado pela editora Coerência. 




 Clube do Farol: Não vemos como começar essa entrevista que não seja perguntando: O que podemos esperar do seu lançamento, “O Vampiro que me Amava”?


Karine: Muita fantasia, ação, reviravoltas e referências aos meus outros livros. O Crossover entre as minhas histórias é marca registrada da minha escrita. O livro é uma fantasia romântica recheada de erotismo. Os protagonistas se amam há muitos anos, e, neste livro, finalmente conseguem viver sua – turbulenta – história de amor.



 Clube do Farol: Como foi a recepção do seu primeiro livro, “A Escola dos Mortos”, que o faroleiro do Clube já conheceu aqui (e esperamos que tenham adquirido muito), após a versão física? Porque como versão digital sabemos que foi um grande sucesso.

 

Karine: Foi bem satisfatória. Ouso dizer que Escola foi o grande sucesso da minha carreira literária.



 Clube do Farol: Como é a sua rotina de trabalho com a escrita? Você estabelece metas para si mesma? Além de escritora, você é advogada. Como concilia as duas carreiras? Uma acaba por influenciar a outra?

 

Karine: Com a pandemia, tenho me dedicado mais à escrita que à advocacia. Em tempos normais, é complexo fazer a conciliação. Mas, pela paixão à escrita, dá-se um jeito. Eu escrevo todos os dias e tenho metas preestabelecidas na minha cabeça. Minha rotina demanda bastante disciplina.



 Clube do Farol: As histórias “se escrevem” sozinhas ou você pensa na trama inteira, seguindo depois um esquema previamente traçado?


Karine: Depende. Na maioria das vezes, eu tenho a ideia central da trama ao começar o livro. No decorrer, as ideias vão surgindo, se modificando ou tomando rumos completamente diferentes. Sempre chego ao final preestabelecido na minha cabeça, mas, às vezes, por caminhos alternativos.



 Clube do Farol: Falando sobre o seu processo de criação, quais são os desafios diários de ser escritora, com livros de fantasia com romance?

 

Karine: A grande maioria do público literário brasileiro não confia, consome ou aceita muito bem a literatura nacional. As livrarias estão abarrotadas de livros internacionais, e as nossas estantes, também. O grande desafio é vencer o estigma e conquistar seu próprio espaço. Autores nacionais não são as primeiras opções dos leitores e nem das editoras. É preciso muito esforço e planejamento para conseguir competir no mercado.



 Clube do Farol: Além dos seus dois livros publicados na Editora Coerência, já tem em mente alguma nova publicação? Podemos esperar a versão física do livro 2 da duologia “Escola dos Mortos”“Príncipe dos Mortos”? Conta para a gente os seus futuros planos no mundo literário.  Sim, sofremos de ansiedade literária.


Karine: Sim, planejo realizar uma nova tiragem de Príncipe dos Mortos. Possivelmente, ainda neste ano. Por agora, estou escrevendo um novo livro em coautoria com uma escritora parceira. Em breve, trarei as novidades à público. Está sendo muito empolgante.



 Clube do Farol: Para finalizar essa entrevista, gostaríamos que você deixasse uma mensagem para seus leitores no Clube do Farol.

E, claro, de antemão agradecer pela generosidade em dispor de tempo para responder nossas perguntas.


Karine: Agradeço muitíssimo pelo interesse em meu trabalho. É super importante apoiar aos nossos. Precisamos nos unir para mostrar que o Brasil tem, sim, coisas boas. Histórias interessantes e autores competentes. Precisamos dar mais valor à nossa arte, nosso cinema, nosso teatro e nossos livros. O que vem daqui tem valor e é lindo. Os outros lá fora enxergam isso, e dão valor aos seus. Autor e leitor têm uma relação única. É simbiose, é troca, é uma paixão em comum. Honremos esse vínculo que a literatura nos traz e lutemos pelos nossos.




Conheça mais sobre a autora Karine Vidal
em suas redes sociais:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!