Follow Us @soratemplates

16/06/2021

Resenha :: Era Uma Vez no Outono (As Quatro Estações do Amor #2)

junho 16, 2021 0 Comentarios



Oi, pessoal. Venho falar com vocês hoje sobre o segundo livro da série As Quatro Estações do Amor da Lisa Kleypas. Apesar de ter sido lançada pela Arqueiro depois da série Os Hathaways, volto a repetir que cronologicamente esta série vem antes e, se você nunca leu os livros da Lisa lançados pela Arqueiro, eu recomendo começar na ordem correta e ler esta série primeiro. Esta edição Pop Chic é um relançamento que está simplesmente maravilhosa.

  

Eu sou uma pessoa que ama releitura quando gosta muito da história, a cada nova leitura do mesmo livro eu vou percebendo novos nuances da história que, em um primeiro momento, muitas vezes passam despercebido, e reler um livro em outra edição então, eu realmente adoro. Uma coisa que percebi em relação aos livros da Lisa é que o primeiro de cada série nunca é meu favorito, geralmente passo raiva com a mocinha, confesso que para os mocinhos da Lisa eu passo pano com muita frequência... kkkkk.



Depois que a Annabelle conseguiu casar no primeiro livro, as quatro amigas voltam a se reunir para ajudar a segunda pessoa do grupo a encontrar o amor, ou pelo menos o tão sonhado matrimônio. Chega então a vez de Lillian Bowman, uma jovem de temperamento forte e com um olfato apuradíssimo para cheiros. Ela adoraria trabalhar na empresa de seu pai, mas por ser mulher não tem essa oportunidade. Sua obrigação é se casar, com um nobre inglês de preferência.

 

Marcus emitiu um leve som de mofa, como se os defeitos da Srta. Bowman fossem óbvios demais para requerer enumeração. – Ela é manipuladora. – Você também é, querido. Ele ignorou este comentário. – Ela é dominadora. – Como você. – Ela é arrogante. – Você também – disse Livia, alegre. Marcus a olhou de cara feia. – Achei que estivéssemos discutindo os defeitos da Srta. Bowman, não os meus. – Vocês parecem ter um tanto em comum – declarou Livia com uma inocência um tanto exagerada.



Marcus Marsden, o Conde Westcliff, é um homem de nobreza antiga, que aprendeu de forma bem difícil a ser controlado, principalmente no que tange as suas emoções. Porém ele é um nobre a frente do seu tempo, já que se relaciona com homens fora de sua “classe” social, mas que lhe dão, além a amizade, benefícios econômicos nos negócios. Ele pensa a frente do seu tempo também por perceber que a nobreza, que não acompanha as mudanças, principalmente na questão industrial, está ficando cada vez mais pobre, enquanto ele prospera com seus investimentos diversificados. 

  

Ele sabe que precisa se casar, de preferência com alguém que agregue nome ao seu título, mas ele não contava que justamente a irreverência de Lillian lhe fosse ser tão atrativo. Os dois são muito parecidos e ao mesmo tempo bastante diferentes. Creio que isso seja o charme deste romance. E mais uma vez confesso que apesar de gostar da mocinha, sou muito mais apaixonada pelo conde. Temos altas reviravoltas nesta história que nos levarão ao maior suspense para o próximo livro... Eu realmente amo a Lisa.



Essa versão de Westcliff era sua preferida — a versão que quase nunca era vista, desgrenhado e relaxado, fascinante em sua misteriosa virilidade.

 

Se você ainda não leu, leia e se apaixone também, se você já leu a série, curta o prazer de uma releitura quando precisar curar uma resseca literária ou até mesmo evitar ficar com uma. 

 

Este é um romance lindo, divertido, estimulante, com personagens incríveis e cativantes. Aproveite a leitura. 

  

Carolina Finco





Informações Técnicas do livro

Era Uma Vez No Outono

As Quatro Estações do Amor #2 

Lisa Kleypas 

Tradução: Maria Clara de Biase 

Ano: 2021 

Páginas: 384 

Editora: Arqueiro 

Sinopse: 

A jovem e obstinada Lillian Bowman sai dos Estados Unidos em busca de um marido da aristocracia londrina. Contudo nenhum homem parece capaz de fazê-la perder a cabeça. Exceto, talvez, Marcus Marsden, o arrogante lorde Westcliff, que ela despreza mais do que a qualquer outra pessoa. 

Marcus é o típico britânico reservado e controlado. Porém, algo na audaciosa Lillian faz com que ele saia de si. Os dois simplesmente não conseguem parar de brigar. 

Então, numa tarde de outono, um encontro inesperado faz Lillian perceber que, sob a fachada de austeridade, há o homem apaixonado com que sempre sonhou. Mas será que um conde vai desafiar as convenções sociais a ponto de propor casamento a uma moça tão inapropriada? 

Neste segundo livro da série As Quatro Estações do Amor, Lisa Kleypas nos apresenta um homem de hábitos rigorosos, uma mulher disposta a quebrar tabus e uma deliciosa batalha entre razão e sentimentos na busca do amor verdadeiro. 

 

14/06/2021

Resenha :: Saga do Corazón: Problemas Familiares

junho 14, 2021 0 Comentarios



Olá, pessoa!! Que tal sair da zona de conforto com uma aventura cheia de mistério e ação? Assim, me vi envolvida com a trama desse livro. Que é uma ideia criativa para uma situação não exatamente inédita, uma caçada humana, mas os contornos que essa história ganha são originais e empolgantes. 

  

Com um narrador em primeira pessoa, porém com o narrador mudando conforme os personagens aparecem na história, mas o condutor principal é Jon Chaplin. A linguagem ganha contornos interessantes por mudar de acordo com o personagem que assume a narrativa, afinal muda também o ponto de vista das observações.  Com uma linguagem coloquial, tende ao padrão dos livros policiais, sendo condizente assim com a trama, sem que assuma tons caricatos.



Os diálogos são um capítulo à parte, porque o próprio Jon assume que existem muitos deles em sua cabeça, então temos momentos de conversas internas, apenas nos pensamentos do personagem e outros diálogos que realmente ocorrem durante a fuga e os confrontos da caçada. Eu curti a apresentação dos personagens que, para mim, fica muito próxima a feita nos jogos de RPG. Se você entendeu o que eu disse sem precisar da tradução da sigla já tem uma visão clara do que quis dizer, se não vamos lá: Role-playing game, também conhecido como RPG (em português: "jogo de interpretação de papéis"), então temos a descrição física que caracteriza cada integrante dos "Hijos del Corazón", assim como suas habilidades intrigantes e únicas, conhecidas como Momentuns.

 

Imagine a Corazón como uma mansão, (...), uma história de terror para impor medo nos corações daqueles que tentarem invadir o território, (...), só esperando a próxima presa.

  

Falando neles, cada personagem é interessante, por se diferenciar dos outros, tanto em personalidade quanto em habilidade, outra coisa que gostei e quero destacar é a variação de idade entre eles, deixando ainda mais ressaltada os que os une e também os distancia. Como o inimigo é interno e desconhecido, a trama fica entre "bandidos", onde não se pode confiar a vida mesmo que sejam irmãos da mesma organização. Cabendo então a Jon Chaplin descobrir quem é o verdadeiro inimigo por detrás das cortinas, entre confrontos inusitados, batalhas sangrentas e revelações intrigantes. O que mantém a pegada do livro ágil e bastante movimentada, porque cada minuto pode ser o último antes do próximo ataque. E a dualidade de sentimentos e atitudes os torna ainda mais humanos, afinal eles sabem que não são os heróis. 

  

A narrativa começa com muita descrição e um pouco mais lenta, porém a crescente em agilidade, conforme o prazo para o primeiro confronto se aproxima, também acompanha o texto. Uma impressão forte que tive foi que, à medida que o autor se sentiu confortável com a trama, todo o livro cresceu em seus pontos fortes, deixando a cada novo movimento de Jon a vontade irresistível de continuar lendo para descobrir o que acontece a seguir. Eu gostei bastante do acréscimo de personagens secundários e mesmo figurantes que, além de "corpo" a trama, mostram a capacidade do autor de manter a linha da história com um volume de texto necessário a esse gênero narrativo. 

  

Existe uma quebra de ritmo entre a primeira e segunda parte, que mesmo a chegada de novos personagens não ajuda na volta do ritmo. Porque tudo volta a ficar extremamente descritivo e as conversas durante o sono de Doutor com Chaplin arrastam um pouco mais o ritmo. Contudo, já ficou claro que elas serão importantes para a trama. O personagem Jon cresce muito durante a trama e já é outro no segundo arco. Esse vai pavimentar o caminho para o próximo livro, visto que, além do inimigo interno, os externos agora também fazem parte da história. 

 

 Na Corazón, nós prezamos uma coisa acima de tudo, e por prezamos por isso, que neste cenário, o objetivo de quem for que encontrar o time inimigo, é comunicar ao resto do time, e apenas atrasa-los enquanto espera por reforços, e caso veja que é impossível...

 

A volta da ação com a viagem coloca novamente a trama em movimento até o desfecho. Inusitado, mas não propriamente inesperado. Gostei bastante do epílogo ter trazido o gancho para a próxima história. Deixando menor a sensação de algo em aberto e sim de uma história em continuação. Como trata-se de um primeiro livro eu diria ao autor: parabéns é um ponto de partida realmente muito bom. 

  

Apesar os apontamentos que farei sobre a edição, foi um livro que gostei de ler, infelizmente o livro em si foi a parte negativa da leitura. Com um boa encadernação e impressão em um papel confortável para a leitura, a diagramação ficou o que posso chamar de “Ok”, com algumas falhas, em especial de espaçamento e quebra de linhas em algumas partes, e a ausência de espaço entre os subtítulos que marcam de quem é a voz narrativa. Carece também de um serviço de revisão tanto de texto quanto de ortografia. Cito isso porque foram os pontos que deixaram a leitura truncada e creio que com uma edição corrigida o prazer de ler essa história ganharia muito.




Informações Técnicas do livro

Saga do Corazón: Problemas Familiares

Gustavo Marconcini Ferri

Ano: 2020

Páginas: 322

Editora: Chiado Books

Sinopse: 

"Atuando na grande Itália, o grupo criminoso conhecido como "Hijos del Corazón", usuários de habilidades intrigantes e únicas, conhecidas como Momentuns, terão de se defender da maior ameaça possível, um traidor, alguém pronto para destruir toda a organização de dentro para fora, cabendo então a Jon Chaplin, descobrir quem é o verdadeiro inimigo por detrás das cortinas, entre confrontos inusitados, batalhas sangrentas e revelações intrigantes, Jon terá de contar apenas consigo e com sua habilidade Momentum para poder superar as adversidades, afinal, Em quem se pode confiar hoje em dia?