Follow Us @soratemplates

19/04/2019

Tag Literária :: Dias da Semana

abril 19, 2019 0 Comentarios

Olá, tudo bom?

Resolvi responder uma TAG chamada “Dias da Semana”, onde elencarei alguns livros que despertaram sentimentos tal qual os dias da semana tendem a nos despertar! Espero que gostem, e caso respondam a TAG não se esqueçam de marcar o Clube do Farol .


 Segunda – Um livro que tem preguiça de começar:
Sinceramente, não sei! No momento diria que estou com “preguiça” de ler algo do gênero fantasia, mas a culpada disso é a tal da ressaca literária, kkk.


 Terça – Um livro difícil de terminar:
O Silmarillion de J.R.R. Tolkien, o livro é ótimo, porém a carga de informações presentes nele é extensa, foi uma leitura que fiz bem devagar para tentar aproveitar ao máximo.


 Quarta – Uma série que ainda não terminou:
Magnus Chase e os Deuses de Asgard de Rick Riordan, li apenas o primeiro livro (A Espada do Verão) e gostei bastante, estou com o segundo na estante aguardando a vez.


 Quinta – Um livro que não recomendo:
Não gosto muito de dizer que não recomendo um livro, afinal, cada um tem sua percepção sobre uma leitura, para uns ela pode ser maravilhosa e para outros uma verdadeira decepção, portanto, escolho o livro Diário de uma Escrava de Rô Mierling, que – infelizmente – para mim foi uma ENORME decepção.


 Sexta – Um livro que não vê a hora de ler:
Coração Satânico de  William Hjortsberg, publicado pela Darkside Books.


 Sábado – Um livro que você quer reler:
Vale roubar um pouquinho aqui? Pretendo reler toda a série As Crônicas Vampirescas de Anne Rice, espero conseguir fazer isso em breve!


 Domingo – Um livro que você não queria que terminasse:
Drácula de Bram Stoker, sempre terá seu lugar de honra no meu coração... A história me envolveu por completo, com seu ar sombrio e de mistério, não queria mais sair de dentro dessa atmosfera!



ATENÇÃO: Caso seja o criador desta TAG, favor avisar nos comentários para que o Clube do Farol possa dar os devidos créditos.


Até a próxima!

17/04/2019

Resenha :: Uma Proposta Irrecusável

abril 17, 2019 0 Comentarios

Por Adriana Macedo

Quando comprei o livro Ame o que é seu, o livreto do primeiro capítulo deste livro estava dentro e eu boba li. E me apaixonei pela história logo de cara, e não resisti, comprei o livro, li e não me arrependi...

Lola com 17 e Dougie com 18 anos viviam o romance perfeito, completamente apaixonados. Lola uma garota alegre, simples e humilde. E Dougie um rapaz de família rica e está prestes a entrar na faculdade, e eles tinham planos de sempre viajarem para se encontrar ou até mesmo ela iria morar com ele. Eles têm certeza de que estão destinados a ficar juntos para sempre. Mas Adele, sua sogra, não está nada satisfeita com este relacionamento e faz a Lola a dita cuja proposta de 10 mil libras para que se afaste de seu filho (com a condição de que ela nunca conte a Dougie sobre esta proposta), e é claro que Lola recusa sem pensar duas vezes no assunto, saindo da residência indignada e disposta a contar tudo ao namorado. Mas quando chega em casa seu mundo vem ao chão e tudo em sua vida está prestes a mudar.

O seu padrasto, que a criou desde bebê com todo amor e carinho, está com uma grande dívida de jogo,15 mil libras, que terá que pagar no dia seguinte, ou ele morrerá.

Mesmo vendo que a única saída seria aceitar a proposta ela ainda se recusa a faze-lo, mas sua amiga a aconselha a aceitar, pois Dougie é jovem e pode se apaixonar por outra na faculdade e ela vai ficar sem o dinheiro e sem ele. E pensando por este lado, mesmo sofrendo muito, ela aceita o dinheiro e ainda faz uma barganha para aumentar o valor. 

Doug? Uhh, a simples menção do nome era suficiente para o coração de Lola disparar. Será que Gabe e Sally a achariam muito superficial se ela rapidamente lavasse o cabelo e desse um jeito no rosto antes que ele aparecesse?

Ela ajuda o padrasto e sem coragem para se despedir ela vai embora da cidade e, 3 anos depois, seu padrasto mudou de vida, abriu uma empresa que deu muito certo e ficou bem de vida. Ele lhe devolve o dinheiro com juros e correção e lhe dá um apartamento, mas ela ainda não está pronta para voltar. 10 anos depois de sua partida ela está de volta e desta vez para ficar. Arruma um emprego em uma livraria onde logo vira a gerente.  Ela está na festa de despedida de seu melhor amigo, Gabe, quando resolve ir embora , logo depois, escuta gritos de socorro vindo de um beco, e ela corre para ver, uma senhora está sendo assaltada e jogada no chão, e ela corre para ajudar, mas o ladrão a acerta na cabeça a as duas são hospitalizadas. 

Philip (marido da senhora) fica muito agradecido pela sua ajuda e lhe convida, dias depois, para um jantar em sua casa assim sua esposa poderá agradecer pessoalmente a sua salvadora. E para a surpresa de Lola a senhora que ela salvou foi Adele, a mãe de Dougie. E adivinhem quem mais está presente no jantar? Sim, Doug.

— Você ainda dorme nu? — Pronto, ela dissera. Doug balançou a cabeça:
 — Você não desiste, não é? — Oh, bem. Ela encolheu os ombros:
— Eu gosto de saber dessas coisas.
— Mesmo que "essas coisas" não sejam da sua conta?

Lola é a personagem mais cara-de-pau de todos os tempos. Ela não só tem esperança, mas a certeza de que ela irá reconquistar Dougie, o problema é que isso não está nos planos dele. Que depois de descobrir sobre o dinheiro que ela recebeu para deixa-lo, fica com um ódio mortal por ela. Mas Lola não liga, ela é super persistente e corre atrás dele o tempo todo infernizando a vida do coitado. Mas ela também não está disposta a contar a ninguém o verdadeiro motivo dela ter ido embora, pois prometeu ao seu falecido padrasto, que não contaria este segredo a ninguém, nem para sua mãe, nem mesmo para reconquistar seu grande amor. 

Por um milésimo de segundo seus olhos se fixaram um no outro e foi como se dez anos nunca tivessem passado. Doug parecia o mesmo, porém um pouco mais alto, mais largo, melhor. Ele sempre tivera aquele jeito, aquela capacidade de hipnotizar as mulheres, e aqui estava ele, produzindo a mesma sensação, hipnotizando Lola por completo.

Adorei, o livro é muito divertido, dei muitas gargalhadas enquanto lia, Lola apesar de completamente maluca é uma mulher de fibra que sabe o que quer e que luta pelo seu objetivo. 

E o mais legal é que o livro não foca só em Lola e Dougie, tem outros personagens maravilhosos, como o fofo do Gabe (o melhor amigo de Lola), a desorganizada Sally (irmã de Dougie, além de amiga e vizinha de porta de Lola), até mesmo o pai (biológico) de Lola é um personagem de peso e muito cativante. E é claro a mãe de Lola que também é uma figura...


Nota ::  4,5


Informações Técnicas do livro

Uma Proposta Irrecusável
O que uma garota tem a ver com...
Ano: 2011
Páginas: 408
Editora: Novo Conceito
Sinopse:
Lola não tem intenção nenhuma de aceitar a proposta de romper com seu namorado Dougie, pela quantia de £ 10,000, oferecida pela mãe dele. Então, ela descobre um segredo que a faz pensar outra vez. Dougie provavelmente teria terminado com ela, a longo prazo, e dessa forma ela pode ajudar uma das pessoas que ela mais ama no mundo. 
Dez anos mais tarde, porém, quando Lola encontra Dougie de novo, seus sentimentos por ele são tão fortes como nunca. Mas ela partiu o coração de Dougie – e ele está prestes a descobrir que ela foi paga para fazê-lo. Bem, Lola é muito atraente e muito persuasiva. Será que ela irá conseguir reconquistá-lo desta vez ...


O Grupo Editorial Novo Conceito oferece sempre os best-sellers mais aguardados e comentados do meio literário. Em anos de sucesso editorial, foram vários os autores e títulos reconhecidos na principais listas do PublishNews e Veja. O selo Novo Conceito foi desenvolvido para reunir essas grandes publicações, além das novidades e lançamentos internacionais que ainda virão.

15/04/2019

Resenha :: O Museu das Coisas Intangíveis

abril 15, 2019 0 Comentarios

Para adquirir o seu: Clique aqui! 



Olá, leitores! Como a capa do livro mostra, somos apresentados a duas amigas: Zoe e Hannah. Mas também conhecemos o pequeno Noah, de apenas oito anos, que tem a síndrome de Asperger (hoje, ele não seria mais classificado com essa síndrome e sim como portador do Transtorno do Espectro Autista com alto desempenho), o que o torno alguém com incríveis capacidades intelectuais, mas sem a condição de entender sentimentos e sensações intangíveis, porque esses fogem a um contexto lógico.


Zoe construiu um museu das coisas intangíveis para seu irmão, onde ela o ajuda a tentar entender o que são cada um dos sentimentos e sensações que ela adiciona ao museu. E que vão nortear essa história até o final. Afinal, vamos conhecendo um pouco mais de Zoe que além de talentosa, tem aquela vontade de viver intensamente sem pensar muito nas consequências e nos resultados, isso poderia ser bom se ela não tivesse uma doença que a levasse da extrema euforia a uma tristeza que a deixa quase inalcançável por sua amiga Hannah quando essa se instala. 

Diferente de sua amiga, Hannah tem uma vida complexa e complicada, que começou com o divórcio dos pais e uma mãe vivendo um processo depressivo cada vez mais agudo e seu pai um alcoólatra tentando a recuperação. E assim, vamos entendendo porque Hannah aprendeu a se cuidar sozinha e se sentir tão responsável por cuidar dos pais e de sua amiga Zoe.


Assim, vamos vendo a autora focar na amizade das amigas, na maneira com ambas aprenderam a uma completar a outra, em suas dificuldades, e como nem sempre apenas a amizade é o suficiente para salvar uma amiga, quando essa após um acontecimento tem o gatilho de sua doença disparado. Por mais que Hannah tente, parece que nada vai funcionar dessa vez para ajudar sua amiga Zoe. Quando tudo parece perdido, Zoe propõem a Hannah uma viagem, uma fuga para longe dos problemas, para viver cada dia como se fosse o último da vida de ambas.

Nesse momento, Hannah vai nos mostrando que Zoe nos leva a viver o museu das coisas intangíveis enquanto ela ensina a sua amiga a ser mais, querer mais e a viver sem tantos medos ou responsabilidades. O que de certo modo atemoriza e encanta Hannah ao longo da viagem que ela faz por sua amiga, por ela e pela busca de uma cura para Zoe, que não envolva uma internação.


Me vi viajando com elas lidando com as emoções desgovernadas de Zoe, com suas alucinações e com a tentativa de Hannah ajuda-la com seu medo de falhar, e a dúvida se devia ou não abandonar aquele projeto e deixar a família de Zoe fazer como achava que devia. Mas em momento nenhum eu poderia imaginar aquele final. Que, em meio a crise da doença, Zoe teria planejado tudo daquela forma e com aquele desfecho todo o tempo. E me vi pensando como subestimamos as pessoas com algum transtorno mental ou psicológico. Mesmo Zoe tendo nos mostrado sua imensa inteligência durante a história.

Hannah também me surpreendeu não por ter acreditado e amado sua amiga desde sempre, mas por não ter feito o que deveria desde o início, por te levado para o lado errado sua lealdade para com a amiga e por ter sido tão adolescente. Ela que se achava tão adulta, percebeu que ela tinha muito a aprender e que Zoe sabia disso e por isso quis ensina-la.

Vou parar por aqui, para não correr o risco de um spoiler indesejado ou algo que estrague sua experiência com esse livro. A narrativa foi feita de forma gostosa para leitura, com o grau certo de informação sobre as doenças em questão, mas focando nos pontos positivos das amigas, deixando a leitura leve.


A edição está linda em folhas amarelas, diagramação e fonte ótimas para leitura e sem erros de digitação ou ortografia. As divisões feitas para cada coisa intangível deixou a leitura ainda mais prazerosa e, de certo modo, aumentou a expectativa para o capítulo a seguir.


Nota :: 

Informações Técnicas do livro

O Museu das Coisas Intangíveis
Ano: 2018
Páginas: 256
Editora: Novo Conceito
Sinopse:
Noah, o irmãozinho de oito anos de Zoe, tem uma síndrome rara. Ele aprendeu a ler quando tinha dois anos.
Entende a teoria da relatividade de Einstein e já leu todos os livros do Stephen Hawking. É obcecado pelo cosmo e fala constantemente sobre isso, sem nem mesmo perceber se você está escutando ou não.
Apesar disso tudo, não consegue processar qualquer coisa irracional ou intangível. Emoções são um mistério para ele. Sonhar ou imaginar é algo totalmente estranho.
Zoe, para ajudá-lo, criou para ele, o Museu das Coisas Intangíveis, com instalações conceituais artísticas complexas, improvisadas no porão de sua casa.
Medo, inveja, coragem, despreocupação, verdade, perdão, vergonha: e tantos sentimentos que ela tenta ilustrar e definir para ele todos os dias.
Zoe acredita que Hannah,  sua melhor amiga, não tem controle sobre as coisas intangíveis da vida.
Um dia, Zoe convence Hannah pegar a estrada juntas, e assim como fez com seu irmão, ela começa a expor sua amiga a situações que procuram mostrar o significado e o valor de todas essas coisas, fazendo com que ambas percebam o que realmente querem da vida.


O Grupo Editorial Novo Conceito oferece sempre os best-sellers mais aguardados e comentados do meio literário. Em anos de sucesso editorial, foram vários os autores e títulos reconhecidos na principais listas do PublishNews e Veja. O selo Novo Conceito foi desenvolvido para reunir essas grandes publicações, além das novidades e lançamentos internacionais que ainda virão.

13/04/2019

Resenha :: Anne e a Casa dos Sonhos

abril 13, 2019 1 Comentarios

  Pode conter spoiler dos livros anteriores.

Confira as resenhas dos primeiros livros da série!


Oi, faroleiros. Esta resenha é sobre o livro Anne e a Casa dos Sonhos, o quinto da série e uma das leituras mais aguardadas pela minha pessoa depois do terceiro. Nunca quis tanto ler sobre o finalmente de um casal como o da Anne e do Gilbert, e é o finalmente mesmo, pois este livro começa narrando o casamento dos dois e creio que o maior sonho da Anne se tornando realidade, ter o seu próprio lar, a sua casa dos sonhos e formar sua família. Não que ela não considerasse Green Gables como sua casa, mas é realmente um sentimento diferente.


— Nunca gostei muito dos diamantes, ainda mais depois que descobri que não eram da cor de violeta que eu imaginava. Um anel de diamantes sempre iria me fazer recordar desse velho desapontamento.
Mas o antigo adágio diz que as pérolas trazem lágrimas – Gilbert havia objetivado.
Não tenho medo disso. E as lágrimas podem ser tanto de alegria como de tristeza. Os momentos mais felizes da minha vida têm sido com lágrimas nos olhos (...) Então, dê-me um anel de noivado com pérolas, Gilbert, e estarei disposta a aceitar as tristezas da vida, bem como as alegrias.

Ao invés de falar da história, o que poderia vir a estragar as surpresas da leitura, vou escrever minha opinião. Está sendo fantástico ler esta série, que é histórica para nós, mas totalmente contemporânea para a época em que foi escrita. Ver a mudança da moda, o desenvolvimento da tecnologia, a religião, política e economia canadense, descritas de maneira cotidiana no desenvolver da vida dos personagens, bem como o próprio crescimento dos personagens foi maravilhoso.

Temos logo no início um lembrete das pessoas que passaram pela vida da Anne, e o aparecimento de novos personagens que não são secundários, são fundamentais para o brilhantismo de toda a escrita da autora e enredo da história. No decorrer da leitura, vamos vendo o dia-a-dia dos dois, justamente através dos diálogos entre os novos amigos da Anne e até a visita de seus familiares, do que propriamente entre eles. Porém os diálogos dos dois são momentos bem especiais.

— (...) Oh, veja Gilbert, lá está o nosso lar! Estou contente por temos deixado a luz acesa. Detesto voltar para uma casa escura. A luz de nossa casa, Gilbert! Não é adorável?
— Apenas uma das muitas milhares de casas na terra, minha Anne, mas a nossa, o nosso farol brilha num mundo perverso. Quando um homem tem um lar e uma querida esposa ruivinha, o que mais pode pedir da vida?
— Bem, ele poderia pedir uma única coisa a mais — sussurrou Anne, contente.

A Marilla ensinou a Anne a viver com humildade e simplicidade, ela nunca se vangloria em nada do que faz ou fez, sempre tira por menos em relação aos outros. Não vejo isso como se ela se menosprezasse, penso que para a época e devido a tudo o que ela viveu, ela tomasse isso como um meio de viver para estar sempre feliz e satisfeita, pois expectativas, quando não alcançadas, geram grandes decepções, enquanto que quando não esperado, algo de muito bom acontece, a satisfação é imensa.


Já li várias resenhas sobre este livro depois da minha leitura, e percebi que as pessoas ficaram muito chateadas com determinado ponto da história e eu penso totalmente diferente; não vejo que a autora regrediu a personalidade da Anne quando a mesma declara não ter talento para escrever um livro de memórias, ela simplesmente destacou que apesar de escrever fantasias infantis, não a qualificava como escritora para todos os tipos de assunto. Ela até poderia escrever se quisesse, mas este não é e nunca foi o foco na vida da Anne, além de que é um ponto importante que a autora deixou para outro personagem na história.

Não podemos ler um livro escrito no início do século vinte com o pensamento da vida que levamos no século vinte e um. Apesar de todas as conquistas estudantis e profissionais que a Anne teve, ela abriu mão de tudo para ser dona de casa, casada com um homem pobre, no início de carreira. O seu sonho era ser além de amiga, era ser esposa e mãe, e é o que ela busca na nova fase da sua vida. Hoje em dia, muitas mulheres considerariam isso um crime, falta de feminismo ou identidade própria. Cada pessoa é feliz vivendo da maneira que quer, contanto que esteja realizando seus sonhos.


Esta série é uma leitura profunda com várias reflexões para nossa vida, mesmo nos dias atuais serem tão diferentes da época descrita. Algumas coisas, como a busca dos seus sonhos e o tratamento para com o próximo devem ser imutáveis, mesmo com o passar dos anos. Eu dou nota máxima, 5/5, para este livro como também um coração, pois ele se tornou um dos meus favoritos.

Boa leitura,

Carol Finco


Nota ::  



Informações Técnicas do livro

Anne e a Casa dos Sonhos
Anne de Green Gables #5
Ano: 2019
Páginas: 240
Editora: Pedrazul
Sinopse:
O amor verdadeiro de Anne e Gilbert chega ao apogeu com os raios do sol iluminando o velho jardim de Green Gables. Ao lado dos seus amigos mais queridos, eles estão prestes a proferir os votos de casamento. Logo o casal, imerso em felicidade, está a caminho de uma nova vida, no que Anne chama de sua “casa dos sonhos”, na costa nebulosa do porto de Four Winds.


Editora Pedrazul atualmente é a editora que mais se dedica à tradução e à publicação de obras mundialmente consagradas, algumas ainda desconhecidas no mercado editorial brasileiro, como os autores que influenciaram o estilo da mais famosa escritora inglesa de todos os tempos, Jane Austen. Também atua no segmento romance histórico e de época escritos por autores contemporâneos.

11/04/2019

Resenha :: Fragmentos (Trilogia Marcas da Guerra #1)

abril 11, 2019 0 Comentarios

“E a batalha apenas começou
Há muitos que perderam, mas diz-me: Quem ganhou?
As trincheiras cavadas em nossos corações
E mães, filhos, irmãos, irmãs dilacerados”
(Sunday Bloody Sunday – U2)

Se existe uma coisa sem sentido nesse mundo é a guerra. Eliot, Richard e Connor fizeram treinamento militar juntos. Richard e Connor cresceram juntos no orfanato e um sempre cuidou do outro. A tropa deles é atacada durante uma missão em terras inimigas, mas os três conseguem se esconder em um abrigo subterrâneo. Infelizmente, eles são capturados pelos inimigos e apenas Connor consegue ser resgatado com vida do cativeiro onde foi feito refém por dois anos.

Não, eu não estou [livre]. O meu corpo está livre, mas a minha alma, essa será eternamente presa ao medo, à dor e ao sofrimento.

Connor não tem para onde ir, nem família esperando por ele, por isso decide ir para a pequena cidade de Solvim na esperança de conhecer Ella, irmã de Elliot. Ele sempre a descrevia como uma menina doce, com um coração imenso e um sorriso capaz de iluminar qualquer escuridão.

Desde então, ele nutre um carinho imenso por ela. Esse afeto só aumenta quando eles se conhecem pessoalmente, mas ele sabe que nenhuma mulher em sã consciência iria querer ficar com ele. Além das horríveis cicatrizes físicas, ele também carrega cicatrizes na alma.

Às vezes eu gostaria que existissem cirurgiões para a alma assim como existe para o corpo.

Fragmentos poderia ser apenas mais um romance se a autora não trabalhasse o trauma de guerra tão bem. O transtorno de estresse pós-traumático — TEPT — pode causar flashbacks de combate, paranoia constante e a incapacidade de viver em sociedade. Muitos ex-combatentes, se não procuram ajuda, podem cometer até suicídio.


Os momentos em que Connor não sabe se está acordado ou tendo um pesadelo são tão bem escritos pela autora Carol Cappia que nos sentimos tão perdidos como ele. A narrativa é em primeira pessoa, alternando entre os pontos de vista de Connor e de Ella.

O exército transforma homens em máquinas de matar, mas não os ensina a continuar a viver quando voltam para casa. Será que Ella será capaz de iluminar a escuridão dele? Será que ela tem toda essa luz?

Não há heróis em uma guerra, que não há honra em matar pessoas. Independentemente do motivo.

Com amor, André


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

     
Fragmentos
Trilogia Marcas da Guerra #1
Ano: 2018
Páginas: 272
Editora: Cappia
Sinopse:
“Como não deixar que o ódio tome conta de você, se é tudo o que conheceu a sua vida toda?”
Desde que nasceu, Connor viu apenas o lado ruim das pessoas. Na sua cabeça, sua existência foi ao contrário, ele começou pagando por seus pecados antes mesmo de cometê-los, ele foi condenado ao inferno antes mesmo do julgamento final. 
Quantas vezes sua alma pode se perder até que seja resgatada? 
Com quanto da escuridão você pode se envolver antes de se tornar parte dela?