Follow Us @soratemplates

20/11/2018

Resenha :: A Viúva (Damas Perfeitas #3)

novembro 20, 2018 1 Comentarios

Olá faroleiros, tudo bom?

A série Damas Perfeitas da autora Nahra Mestre já ganhou seu lugar no meu coração, não sou uma grande leitora de romances e foi uma grata surpresa ter gostado tanto assim!

Caso ainda não tenha lido as resenhas dos livros anteriores, basta clicar:


A Viúva é o terceiro livro da série, foi lançado em Outubro de 2018 e pode ser adquirido em formato e-book (pela Amazon, clicando aqui) ou impresso (pelo site da Editora Portal, ao clicar aqui).

Damas Perfeitas. Cada uma com suas particularidades, perfeitas em sua própria imperfeição.

Por se tratar do terceiro volume da série, fica um pouco complicado não citar alguns acontecimentos que ocorreram nos livros anteriores, porém, irei me ater à sinopse deste livro. Portanto, caso você não queira saber absolutamente NADA sobre o livro, os últimos parágrafos são destinados as minhas impressões e comentários sobre a edição (e-book).

Já estou marcado. Você está em todo lugar. E não há desgraça maior do que estar longe de você.

Em A Cortesã, Viollet atirou à queima-roupa contra seu marido, apesar de no momento se ver livre de um relacionamento abusivo que deixou diversas marcas em seu corpo e alma, ela terá de lidar com as consequências de seu ato. A culpa a consome, dia e noite.

Mergulhava em dolorosas lembranças, uma teia na qual havia anos se prendera.

Seus amigos e familiares vêem o que ocorre a Viollet, agora viúva e em estado de luto, e tentam a ajudar de todas as formas possíveis. E então, seu antigo amor de infância ressurge disposto a conquistá-la e tê-la novamente, trazer luz e cores de volta a sua vida. Viollet não se acha merecedora de tal amor, crê que nunca mais poderá ser feliz e que está destinada a se enterrar na amargura que a consome juntamente a culpa.

Jack tinha o poder de ferir e acalentar, de fazê-la acreditar na felicidade e ao mesmo tempo lembrá-la de que não era merecedora.

Sarah, a marquesa de Bristol, tem um papel fundamental neste livro e por diversas vezes podemos ver o quanto ela amadureceu e floresceu na série. A entrada da estrangeira Izadora trouxe um toque de irreverência e ousadia à série, o que agradou bastante e contribuiu para alguns momentos BEM descontraídos!

Então lhe rogo, por tudo que é mais sagrado, tenha paciência. Viollet precisa do seu amor, mas ela ainda não está pronta para recebê-lo.

Viollet é uma personagem que está em um processo de recuperação das cicatrizes em sua alma, superando o luto, vivendo dia após dia na incerteza do que fazer, se merece ou não uma nova chance de ser feliz. O apoio de familiares e amigos é fundamental em situações como a que ela vivenciou e Nahra pontuou bem isto no livro, assim como o amor que pode nos ajudar a superar grandes crises em nossas vidas.

Por que, toda vez que o via, era como se algo dentro dela se revirasse? Que poder ele tinha para que ela, mesmo que por alguns instantes, tivesse a sensação de que tudo ficaria bem?

A jornada de Viollet foi dura e amarga em alguns aspectos, contudo, ela nos leva a pensar e refletir sobre como podemos ser luz na vida de alguém e que pequenos gestos podem sim mudar o dia de uma pessoa.

— Ela é minha cura! — afirmou o visconde com determinação. — E eu sou a cura dela.

Devo ressaltar, novamente, que a Editora Portal fez um ótimo trabalho no e-book deste livro, tanto na revisão, quanto na diagramação, e a capa – que ficou a cargo de Paulo Vieira – está belíssima.

[...] amor é uma construção que envolve muito mais do que carinho e respeito.

Até a próxima!


Nota ::  4,5


Informações Técnicas do livro

A Viúva
Damas Perfeitas #3
Nahra Mestre
Ano: 2018
Páginas: 170
Editora: Portal
Sinopse:
Após atirar à queima-roupa no próprio marido, Viollet se vê livre de um casamento abusivo, em que sofreu todos os tipos de agressões físicas e psicológicas. Apesar de sentir-se aliviada, ela não consegue se libertar da culpa.
O que Viollet não esperava era que John, seu amor de infância, usasse todas as armas para tê-la novamente em sua vida. Em uma busca desesperada para reencontrar a mulher que fora um dia, e disposta a se manter de luto pelo tempo estipulado pela sociedade vitoriana, ela precisa lutar contra si mesma para não sucumbir às investidas de John. Entretanto tem certeza de que, mesmo que seu coração implore para se entregar, seu corpo não suportará ser tocado novamente.
Romance de época que retrata o conflito de uma dama enlutada, a luta entre a leveza e a pesar, entre a liberdade e a culpa. A escolha de ser feliz ou viver na amargura.

16/11/2018

Resenha :: Perdido em Marte (dobradinha)

novembro 16, 2018 3 Comentarios


Olá, todo mundo.

Nessa resenha eu tentei deixar minha opinião sobre o livro e filme. Algo que eu não me recordo ter feito. Uma história que acabei me surpreendendo, pois achei que seria longa. Então espero que gostem e é só deixar sua opinião se algo de errado não estiver certo.

 Eu estou muito fodid*. Essa é a minha opinião. Fodid*.

Mark Watney é um astronauta-botânico-engenheiro, tripulante da expedição Ares 3. Ele se tornou a décima sétima pessoa a pisar em solo marciano e talvez seja o primeiro a morrer logo após uma forte tempestade de areia acabar com a missão. Que sorte! Ou azar. 

Se o oxigenador pifar, eu sufoco. Se o reaproveitador de água pifar, eu morro de sede. Se o Hab se romper, eu meio que implodo. Se por algum milagre nada disso acontecer, vou acabar ficando sem comida. Então...

Mas ele não morreria assim tão fácil. Pelo menos não em seu primeiro ano morando no planeta vermelho. Fazendo suas plantações, criando máquinas para melhor viver e possuindo um cérebro de gênio da NASA, ele consegue entrar em contato com a Terra e tudo indica que ele irá sair dessa. Não tão ileso, mas já é uma baita vitória.

Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico – e um senso de humor inabalável –, ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência.

Perdido em Marte é um grande livro cômico/dramático que te deixa intrigado do começo ao fim. Mark é hilário. Um personagem que com certeza lembrarei. Como uma pessoa que está sozinha em Marte não consegue parar de fazer piada? Só um astronauta maluco mesmo. E essa pegada torna o livro fluido. Já que temos uma grande quantidade de informações técnicas que só quem é gênio da NASA entenderá. Talvez eu tenha exagerado. Mas quem é que sabe? Todavia, o autor facilita muito nossas vidas explicando o que se passando. Ele pensou mesmo em nós de humanas.

Quer dizer, eu não quero parecer arrogante nem nada, mas eu sou o melhor botânico deste planeta.

Já o filme foi mais para matar nossa ânsia para ver alguém perdido em Marte. Um complemento áudio visual sem os termos técnicos que funcionou bem. O personagem continua bem humorado, porém, não igual ao livro. Eles tinham que tentar estragar o Watney mesmo.

Eu sou a primeira pessoa a ficar sozinho em um planeta inteiro.

O filme nunca é igual o filme, isso todo mundo sabe. Mas aqui não tivemos uma perda significativa da história. Diria que foi um complemento de luxo que funcionou. Ainda mais a parte do homem de ferro. Eu precisava muito ver isso e o filme me proporcionou. Mark Watney entrou mesmo para a história.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Perdido em Marte
Ano: 2015
Páginas: 336
Editora: Arqueiro
Sinopse:
Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte. E, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho.
Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente.
Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. E, mesmo que conseguisse se comunicar, seus mantimentos terminariam anos antes da chegada de um possível resgate.
Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico – e um senso de humor inabalável –, ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência.
Para isso, será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e, usando uma genial mistura de cálculos e fita adesiva, vai elaborar um plano para entrar em contato com a Nasa e, quem sabe, sair vivo de lá.
Com um forte embasamento científico real e moderno, Perdido em Marte é um suspense memorável e divertido, impulsionado por uma trama que não para de surpreender o leitor.

14/11/2018

Resenha :: Caçadora de Estrelas (1ª Versão)

novembro 14, 2018 1 Comentarios

Oi, gente!!! 

Recentemente o livro Caçadoras de Estrelas, da querida autora Raiza Varella, ganhou uma nova versão e saiu em livro físico pela Editora Verus (conversaremos sobre isso em outra postagem). No texto de hoje iremos conversar sobre a primeira versão, e depois compararemos ambas as versões. Okay?


Eva é linda e jovem, mas possui um defeito... É verdadeiramente dona de um dedo podre. E, como está na sinopse do livro (confira no final do post), em sua última escolha ela foi trocada por outro homem (gato, diga-se de passagem, rs). Ao descobrir essa traição, Eva faz o que faz de melhor: FUGIU! 

Com apenas 25 anos, nossa protagonista já fez todas as besteiras que podia fazer na vida — ou não! E de longe a maior merda que ela fez foi fugir para Londres. TODOS avisaram para ela não ir embora para outro continente. Mas ela ouve alguém? CLARO QUE NÃO! Porém, meses depois ela precisaria voltar para Santos e ouvir o "eu avisei" de todos eles.

Contudo, ela não contava que as coisas tivessem tão diferentes na vida daqueles que ela deixou. É aí que conhecemos um ladinho meio (muito) egoísta da Eva. Ela achou e queria que tudo tivesse do mesmo jeitinho que ela deixou. DOCE ILUSÃO!

Tá tudo bem, o pai dela não tinha o direito de casar e não contar para ela! Palhaçada, né? E pior ainda ganhou de “brinde” duas irmãs. E ainda, a esposa do seu pai era alérgica ao seu gato, o Cupido. E por isso, e por causa do abandono dela ao gatinho, seu amigo Gabriel levou (a Eva jura que ele roubou. Fazer o que, né?) o gato para ele. Tá essa parte ela até que fingiu engolir... Mas TUDO saiu dos trilhos quando Evinha (para os íntimos, ok?) descobre que seu melhor amigo está namorando com sua “irmã” vaca Alice.

Quando eu comecei a ler o livro, eu jurava que Caçadora seria um chick-lit. Sendo assim, passaria o livro todo rindo das trapalhadas sem fim da Eva. E claro, das consequências das suas burradas. Bem no começo, a Eva fala das coisas lindas, belas e fofas que o Gabriel fez para e por ela. Logo pensei: HUM... ELES VÃO FICAR JUNTOS!

Lembra que eu falei da Alice? Então, a Eva só se dá conta que o que sente pelo Gabs é algo bem mais sério quando ele já está a um bom tempo com a Vaquinha Alice. A Alice é típica personagem que a gente sabe que vai fazer de tudo e mais um pouco para ferrar com a protagonista. Todo mundo sabe que Gabriel é apaixonado pela Eva desde o jardim de infância, claro que Eva sendo Eva nunca se deu conta disso. Ao resolver ir para Londres, Eva ouviu de seu amigo que ele não estaria mais ali para ela. Porém ao se dar conta de que Eva voltou e está em uma situação nada confortável, Gabs volta a ser o Gabs de sempre.

Porém, Gabriel ainda achava que estava apaixonado pela Alice, e, principalmente, que ele merecia tentar ser feliz. Esse furacão de coisas acontece justamente quando Eva começa a o olhar com outros olhos o amigo; o deixando todo confuso. É nesse momento que Gabs decide lutar por ela.

A nossa jovem Eva, recebe o “convite” para trabalhar como psicóloga na escola que a própria madrasta trabalha. Lá Eva conhece um pequeno pestinha de apenas 12 anos que a incentiva a confessar o seu amor pelo Gabriel. Eva junta toda a coragem que tem e vai contar, só que a vaquinha da Alice, sua nova "irmã" está grávida. Muita coisa acontece desse momento até o momento que Gabs e Eva finalmente conseguem ficar juntos. Mas é justamente nesse momento lindo que o tempo se torna o maior e pior inimigo do casal.

Poderia ficar aqui falando de cada personagem que tem no livro. Eles são ótimos! Tem o seu irmão, sua melhor amiga e cunhada, a outra irmã postiça e ainda tem o Ben... Enfim, cada um tem seu papel de extrema importância na obra.


Gente, sério, o que é esse LIVRO?! SEM PALAVRAS!! Raiza arrasou com sempre! Como falei no começo da resenha, eu jurava que seria chick-litEu realmente tive crises de risos em boa parte do livro. E me afoguei em lágrimas em outros momentos.

A autora Raiza, em sua obra Caçadora de Estrelas, me fez perceber que devemos dar valor ao tempo. Valor às pequenas coisas, como um “eu te amo” ou ainda ficar abraçado com as pessoas que amamos.

Não só a construção da Eva foi algo bem feito, mas de todos os personagens. No final até a Vaquinha me surpreendeu! Eva tem um pouco de tudo que existe dentro da gente. Afinal quem nunca agiu por impulso e fez besteira? Quem nunca foi egoísta e ao mesmo tempo foi com tudo em um amor? Vi muitas leitoras falando que Eva era egoísta ou imatura. Realmente ela tem uma cota bem grande desses adjetivos. Mas vamos combinar, tudo mudou e ninguém “lembrou” dela. Lembra do tempo?


Pois é, justamente o tempo e com o passar da narrativa, somados aos acontecimentos, o leitor percebe o crescimento dela, a maturidade que ela adquire e o quão bela “por dentro” Eva realmente é. E o que falar do Gabs? Pessoas, que homem maravilhoso! Gabriel nunca mediu esforços para ajudar sua amada. Sempre com um apoio incondicional a tudo, desde as coisas mais sérias, até com as loucuras que Eva se metia. O casal possui uma cumplicidade pouco vista e linda! 

Caçadora de Estrelas é um livro único! Especial! Com uma história linda cheia de surpresas. Mas também é soco no estômago e uma mensagem de vida. Uma mensagem sobre amor, companheirismo, superação e acima de tudo lealdade! 

Amei tudo no livro, desde os trechos que abrem os capítulos, a trilha sonora (que trilha sonora é essa? MARA!), amei muito todos os personagens (sim até a Vaquinha me ganhou no final, rs) e principalmente AMEI a Lenda das Estrelas.

Como essa história é montanha-russa de emoções, que por acaso perdeu os freios pelo caminho, vou parando por aqui. Não quero correr o risco de soltar algum spoiler.

Para finalizar o texto de hoje, deixo um trecho do livro Pequeno Príncipe que é citado na primeira versão de Caçadora de Estrelas.

Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a fez tão importante!

Enfim minha gente, vamos aproveitar cada segundo da nossa vida! 


Até a próxima,

Renara.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Caçadora de Estrelas
1ª Versão :: E-book
Ano: 2016
Páginas: 544
Editora: Independente
Sinopse:
Após flagrar o seu atual namorado com outro cara - não, você não leu errado - e constatar que o safado tinha um gosto para homens até melhor do que o seu, Eva se arrepende por ter abandonado a família, o gato, o emprego, os amigos e até e o país para segui-lo e decide que é hora de voltar para a casa, com o rabo entre as pernas, um mau humor feroz e sem um tostão no bolso. Mas ao contrário do que imaginou não é recebida com faixas e balões, muito menos com boas-vindas e sim com mais e mais azar - como se não bastasse todas as vezes em que foi traída, abandonada pelo circo ou roubada por alguma estrela errada -, seu irmão acabou com seu carro novo, seu pai se casou, ela ganhou duas quase irmãs indesejadas, seu melhor amigo roubou seu gato e ainda de quebra arrumou uma namorada. 
Embora a vida em casa não esteja como deixou, Eva é obrigada a seguir em frente e lidar com a situação como uma mulher adulta. O que em seu dicionário quer dizer se embebedar, distribuir socos e grosserias a quem quer que esteja ao seu alcance e recuperar seu gato - a qualquer custo -, nem que para isso precise roubá-lo de volta.
O que desconhece é que o destino iria lhe preparar uma surpresa, lhe oferecendo algo que não poderia ter, um amor proibido. Será ela corajosa o suficiente para lidar com mais um coração partido, mesmo que seja pela estrela mais brilhante do céu?

12/11/2018

Resenha :: Torem Urbis — O Herdeiro do Trono

novembro 12, 2018 0 Comentarios

Quando aquele que era chamado de estrela da manhã caiu levando com ele a terça parte dos anjos do céu, ele foi lançado por terra. No entanto, Deus permitiu ao adversário manter a autoridade sobre a Terra.

Olá, faroleiros! Hoje vamos de mais uma literatura nacional. Sabe aquela história que te ganha pela empatia que você sente pelo autor? Foi isso que aconteceu comigo quando conheci a Natasche Costa e ela me apresentou sua obra, Torem Urbis. Com uma capa magnífica e uma apresentação envolvente então, quem não iria querer ler? Agora imagine a minha felicidade por estar diante de um livro maravilhoso e uma trama digna de aplausos!

Corri puxando-a pelo braço, mas assim que a toquei nossas energias causaram uma sobrecarga no transformador da rua. Assustada ela me abraçou. Sua energia pura e intensa me abalou, Então confortei-a com mais força sentindo crescer dentro de mim algo quente, um sentimento novo.



Torem Urbis é uma fantasia que envolve mundo real e distópico. Os personagens transitam entre o Rio de Janeiro e o mundo de outro seres. Um deles, Torem Urbis, que dá nome ao livro, é a terra dos Elevados, seres criados por Deus, a partir do pó das estrelas.

Lauren, nossa protagonista, vive no Rio de Janeiro sem imaginar que é uma elevada. Quando sua vida e a do príncipe Yuri se cruzam, percebemos que ela nunca mais será a mesma. Lauren é especial  e não sabe.


— Laure-een — cantarolou — Eu vejo você, Lauren.
— Quem está aí? 
Uma gargalhada tenebrosa ressoou e desta vez uma voz masculina arrastada ecoou junto com o bater de asas.
— Acha mesmo que esse leão ridículo vai te defender?

Yuri fará de tudo para ajudá-la na transição pela qual terá de passar para adquirir poderes plenos. Junto com seu amigo Jhon, o comandante das tropas Ian e a bruxa Cássia lutará contra Iblis e Lúcifer que querem a todo custo drenar seus poderes. Entre tantas descobertas e desafios na vida de Lauren, a jovem ainda se vê apaixonada por Yuri e tentando resistir aos seus encantos, já que o sentimento é recíproco. 

Yuri me puxou para seu abraço antes que eu completasse a frase e me beijou com força. Eu senti toda a sua ansiedade e a minha própria ferindo nossos lábios. O sabor de sangue misturado ao seu hálito fresco de canela e menta.

Ainda tem também de apaziguar os sentimentos não correspondidos de seu amigo Jhon (o rapaz tem uma queda por ela há muito tempo).


Eu fiz a leitura dessa história emocionante em praticamente três dias. A narrativa em primeira pessoa é fluida e dinâmica, facilmente compreendida pelo leitor. Os personagens são fortes e verossímeis. Acompanhamos o crescimento dos personagens conforme o avanço da leitura. A trama é envolvente demais. A autora Natasche Costa conseguiu construir uma história atual, com uma mistura de personagens bíblicos, bruxas e djins, o que nos intriga muito! Que mistura perfeita!

— Elevados foram moldados a partir do pó de estrelas. O homem veio do barro, nós somos poeira espacial — ele fez um gesto com a mão pelo ar.


Amei a leitura e super recomendo o livro para quem curte o universo fantástico. Torem Urbis é um livro de fantasia nacional e, diferente de muitos, é uma delícia acompanhar essa história num lugar conhecido dos brasileiros. Meus sinceros agradecimentos à autora que me permitiu mergulhar nesse livro e me deliciar com Torem Urbis! Obrigada!

Aguardo ansiosa o segundo livro que será: Torem Urbis, o Djin, ainda sem data para lançamento. Até a próxima pessoal.


Nota ::  4,5


Informações Técnicas do livro

Torem Urbis - O Herdeiro Do Trono
Torem Urbis #1
Natasche Costa
Ano: 2018
Páginas: 286
Editora: Chiado
Sinopse:
No princípio, antes da criação do Homem, Lúcifer foi expulso do céu junto com a terça parte dos anjos e iniciou uma guerra contra todos os seres originados por Deus. Para deter o avanço infernal, uma raça foi criada especificamente para a guerra: os Elevados. Seu mundo foi chamado de Torem Urbis e uma monarquia foi eleita para o seu governo. Mas estes seres perderam suas forças ao longo dos anos quando a linha de sucessão real foi alterada e enfraquecida pela falta de amor.
Após muitas gerações, o herdeiro do Trono Yuri Alonso, se depara com o surgimento de uma misteriosa e temperamental elevada: A veterinária Lauren Bellatore. Com personalidades opostas, o improvável casal peleja contra seres malignos e contra sua própria índole, unidos apenas por uma paixão avassaladora. Entretanto, o enigmático irmão do príncipe torna-se um obstáculo a mais em suas vidas, testando sua fé e princípios.

10/11/2018

Resenha :: Anne de Windy Poplars (Anne de Green Gables #4)

novembro 10, 2018 0 Comentarios

  Pode conter spoiler dos livros anteriores.

Confira as resenhas dos primeiros livros da série!


Oi faroleiros, é com muita alegria e satisfação que compartilho com vocês esta resenha sobre o quarto livro da série Anne, que recebeu o nome de Anne de Windy Poplars; este é nome da casa onde ela vai morar durante os três anos em que estará trabalhando na Escola de Ensino Médio de Summerside como diretora e professora, enquanto Gilbert termina a faculdade de medicina e assim os dois possam se casar.


Já deixei claro nas resenhas anteriores o quanto estou apaixonada pela escrita da Lucy?? Se não, fica aqui o meu registro. É maravilhoso o fato dela ter conseguido manter o espírito da personagem em seu crescimento. Assim como a Anne, a história está tendo aquele desenvolvimento gradual, tornando o próximo livro tão lindo e cheio de ensinamentos profundos, quanto o anterior. Estava receosa de continuar lendo a série, porém agora estou morrendo de vontade de já ter o quinto livro nas mãos para continuar a leitura. Ainda bem que já está sendo traduzido para publicação.

Windy Poplars,
Spook’s Lane,
Summerside,
I.P.E.,
Segunda-feira, 12 de setembro
“Querido, Veja só este endereço! Você já viu algo tão encantador? Windy Poplars (Álamos expostos ao vento) é o nome do meu novo lar, e eu amei! Também amo Spoo’s Lane (rota dos fantasmas), mesmo não sendo o nome oficial.

É assim que começa este novo livro, o que já nos mostra como será o mesmo durante toda a narrativa. Ele é basicamente as cartas que Anne escreveu durante os três anos para o Gilbert, narrando os acontecimentos da sua vida para ele, intercaladas com os fatos acontecendo em momento real, mas tendo o mesmo tom de narrativa. Cheio de novas aventuras, novas amizades, novos desafios, novos aprendizados.

Detesto emprestar um livro que amo, pois nunca parece voltar exatamente igual ao que era antes; mas eu amo este livro só porque foi a querida Mrs. Allan quem me deu como prêmio na Escola Dominical, tantos anos atrás. Não gosto muito de ler sobre mártires porque eles fazem com que eu me sinta mesquinha e envergonhada... envergonhada por admitir que odeio sair da cama em manhãs bem frias e por estremecer ante a ideia de ir ao dentista.

Quantos de nós não temos este mesmo pensamento. Confesso que costumo ter dificuldades para fazer destaque nos livros que eu leio, mas em toda esta série a vontade é de destacar o livro quase que completamente. São tantas partes maravilhosas que só torna a leitura muito mais especial. Por ser uma literatura antiga, ou seja, um clássico, sua escrita não é popular e nossa Anne ama falar difícil, porém apesar de não ser uma leitura rápida, considerando a quantidade de páginas, não é uma leitura complicada e cansativa. A personagem se torna a cada livro melhor, o que nos faz mais apaixonados. Mas confesso que senti falta neste livro de pelo menos uma carta escrita pelo Gilbert para a Anne.

— Ninguém jamais é muito velho para sonhar. E os sonhos nunca envelhecem.

Fiquei feliz também com o fato da autora não esquecer os outros personagens e nos brindar com fatos sobre o mesmo quando Anne vai para Green Gables passar as férias escolares. Assim matamos a saudade deles, enquanto convivemos com os novos personagens. Outro detalhe legal é que há a demarcação de cada ano no livro e os capítulos continuam curtos.


A edição continua no mesmo formato, ou seja, linda, com as devidas notas de rodapé e tradução impecável. Amei também a capa. Continua sendo uma história 5/5 para mim.

Gilbert, querido, que nós nunca tenhamos medo das coisas. É uma terrível escravidão! Que sejamos ousados, aventureiros e esperançosos. Vamos dançar ao encontro da vida e de tudo o que ela pode nos trazer, mesmo que nos traga um montão de problemas, como febre tifoide e gêmeos!

Não tenha medo, tenha sempre esperança. Que a Anne possa te inspirar a esperar sempre um novo amanhã e nunca viver pensando no ontem.

P.S. Só não li este livro em um dia, pois resolvi saborear a leitura, lendo ele pausadamente e para isso, reli outro livro após ter começado este. Também não queria me cansar com a história e de alguma forma perder a magia da mesma.


Boa leitura,

Carol Finco


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Anne de Windy Poplars
Anne de Green Gables #4
Ano: 2018
Páginas: 236
Editora: Pedrazul
Sinopse:
O quarto livro da série Anne de Green Gables!
Anne Shirley está de volta com suas “Annices” em uma nova aventura!

“Ninguém jamais é muito velho para sonhar. E os sonhos nunca envelhecem.”

Os empolgantes anos de universitária em Redmond College ficaram para trás e Anne agora está diante de uma nova aventura. Ela e Gilbert finalmente estão noivos, mas Gilbert ainda tem três anos de estudos pela frente, até terminar a Faculdade de Medicina. Enquanto isso, Anne aceita o cargo de diretora da Escola de Ensino Médio de Summerside, onde também leciona. E, nessa nova cidade, Anne se depara com vários desafios, como a pomposa família Pringle e uma colega de trabalho muito inconveniente, chamada Katherine Brooke.


Editora Pedrazul atualmente é a editora que mais se dedica à tradução e à publicação de obras mundialmente consagradas, algumas ainda desconhecidas no mercado editorial brasileiro, como os autores que influenciaram o estilo da mais famosa escritora inglesa de todos os tempos, Jane Austen. Também atua no segmento romance histórico e de época escritos por autores contemporâneos.