Follow Us @soratemplates

14/02/2019

Resenha :: Reino dos Morcegos

fevereiro 14, 2019 0 Comentarios


O jornalista capixaba Romulo Felippe recebeu ótimas críticas com o seu livro de estreia. Monge Guerreiro foi eleito o Melhor Livro de Fantasia Nacional em 2017 pelo Reino dos Livros (o maior grupo literário da América Latina). Em Reino dos Morcegos, o autor nos transporta para o sul da França, em plena Idade Média, onde vive um morceguinho albino super-simpático e aventureiro.


O ano é 1234 e os morcegos são proibidos de voar para dentro das muralhas de Carcassone, o Reino dos Homens, mas Frederico, também conhecido como Fred ou Morceguito, não é muito de seguir ordens. A corvo Ming e o esquilo-voador Sorrateiro são irmãos adotivos de Morceguito e os 3 estão sempre aprontando para desespero do Rei Joshua.

Antes do seu nascimento, “Príncipe Branco”, circulava por Carcassone uma antiga profecia. Nela, dizia-se que a vinda de um morcego mudaria o mundo. Que esse ser iluminado lideraria seu povo em uma aliança de paz entre mamíferos voadores e os seres humanos.

Morceguito vai contar com a ajuda do príncipe Frank e da princesa Yasmin de Carcassone para cumprir a profecia, mas precisa tomar muito cuidado com a bruxa Maldiva e seus capangas, o falcão Caçador e o gato Trevas.


Quando a gente pega Reino dos Morcegos nas mãos, não tem como não ficar encantado com a edição maravilhosa da editora Cavaleiro Negro. O livro tem capa dura e folhas amareladas de gramatura maior do que o normal. As letras e o espaçamento colaboram para uma leitura prazerosa e as belas ilustrações feitas pela venezuelana Elizabeth Lara deixam o livro ainda mais lindo. 

O texto de Romulo Felippe é uma delícia e os personagens, adoráveis! Adoro quando o autor não menospreza seus leitores. Só porque são crianças e adolescentes, não significa que são limitados. O autor fala sobre temas importantes, como: família (mesmo que não seja a de sangue), lealdade, amizade e amor. 

O livro traz ainda um prefácio escrito pela autora Sarah Cohen, de O Menino do Outro Mundo. O texto é tão rico que não parece ter sido escrito por uma menina de apenas 12 anos. No final, o autor Rômulo Felippe explica um pouco mais sobre a importância dos morcegos para o nosso planeta, assim como a história real de Carcassone. 


A aventura infanto-juvenil Reino dos Morcegos é para as crianças de todas as idades. Uma aventura mágica, encantadora e muito divertida. 

Com amor, André


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Reino dos Morcegos
Ano: 2018
Páginas: 152
Editora: Cavaleiro Negro
Sinopse:
Morcegos estão proibidos de voar para dentro das muralhas de Carcassone, mas cabe a Frederico, um corajoso morcego albino, cumprir a profecia e selar a paz entre homens e morcegos.


 _____Sobre o Autor_____


Romulo Felippe



Romulo Felippe é jornalista e escritor. Nasceu em 27 de abril de 1974, em Cachoeiro de Itapemirim (ES). Começou a escrever poemas e crônicas sob as influências de Manuel Bandeira e Rubem Braga a partir dos 8 anos, colaborando para os jornais locais Correio do Sul e Arauto. Aos 13 anos veio o primeiro emprego como repórter do jornal O Brado. Aos 18 foi co-fundador do jornal Folha do E. Santo, que nos anos seguintes tornou-se diário. Trabalhou um ano como repórter televisivo da filial da Rede Globo. Tornou-se editor do semanário Hora H. Passou um ano como corresponde do jornal O Dia, na época com um milhão de exemplares diários, cobrindo o Norte/Noroeste fluminense. No ano seguinte assumiu a secretaria de Comunicação de Guaçuí, assinando também como editor do jornal O Espírito Santo Na sequência virou sócio e editor da revista Opinião. Assumiu como Diretor de Redação do jornal Diário Capixaba. Editor das revistas Test-Drive e Moto-Test. Diretor de Redação da Revista Viver!. Diretor de Redação da Revista Caminhões. Lançou seu livro de estreia, “Monge Guerreiro”, aclamado pela crítica especializada e eleito o “Melhor livro nacional em 2017”, segundo pesquisa realizado pelo Reino dos Livros (o maior grupo literário da América Latina). Em 2017 celebrou três décadas dedicadas ao jornalismo, com coberturas realizadas em mais de 16 países e em todos os estados brasileiros Casado com a empresário Svetlana Bertolo Felippe, é pai de três filhos (Felippe, Giuseppe e Gianluca) e padrasto de mais dois (Ana Paula e Henrique). Contrato assinado para relançar “Monge Guerreiro” em 2018 no Brasil pela paulista Cavaleiro Negro e também na Europa em edição especial com capa dura, pela italiana Newton Comptom Editori. Autor convidado da Bienal Rio 2017 na mesa “Publiquei! E agora?”. Reside na ilha de Vitória, no Espírito Santo.

13/02/2019

Resenha :: Emma

fevereiro 13, 2019 0 Comentarios

Oi amores, vou escrever sobre esse livro que foi a última leitura conjunta do @clubedofarol em 2018. O projeto de ler clássicos foi algo que me surpreendeu por ter dado tão certo, apesar de que lamento informar esse foi o primeiro livro que não "vingou".

Explico, apesar da sinopse dizer que esse é a obra de mais sucesso da Jane Austen, essa é uma leitura difícil porque o plot principal é a própria Emma e seus defeitos e qualidades. Não existe um fio condutor que realmente conduza essa trama, além de coisas que acontecem na vida da personagem principal que não são lá grandes acontecimentos para um leitor.


Outro fator que depõe contra a leitura dessa história é que se trata de um livro que você lê várias páginas e nada acontece. Explico: o pai de Emma é um senhor muito rico, viúvo, velho e hipocondríaco. Sim, ele tem muito medo de morrer sozinho e por isso criou sua filha mais nova, o que os antigos diriam a "rapa do tacho", avessa a tudo que a tire de perto dele, então temos uma "mocinha" que não quer casar e justifica isso com várias banalidades como "ninguém está a minha altura", "ainda não conheço ninguém bom o bastante".

Aqui estamos nós seguindo para passar cinco horas aborrecidas em casa de outras pessoas, sem nada que se possa ouvir ou dizer que já não tenha sido dito ou ouvido ontem e não possa ser dito ou ouvido novamente amanhã.

Se você não acha isso grande coisa, imagine duas páginas do livro onde o tema principal é o mingau perfeito e como ele pode evitar vários males e doenças, assomado aos benefícios dos ares do mar e do campo no bem-estar das pessoas. Digamos que outro grande problema para se apegar a leitura é que hoje, para muitas pessoas, é complicado entender o que se passa na vida das pessoas que moram em pequenas cidades, mesmo com a internet. Onde quem chega e quem parte, casamentos, noivados, morte e toda sorte de escândalos são o ponto alto da vida social e mantém o tom das conversas entre os moradores do lugar.


Eu fui capaz de entender Emma como uma moça extremamente rica que é criada pelo pai como companhia e que mora em um local sem grandes acontecimentos, que tem em suas qualidades os seus maiores defeitos. O livro começa a ficar melhor em questão de ritmo, quando a "rival" de Emma volta à cidade e ela começa além de conjecturar o porquê dessa volta, a fazer comparativos entre ela e a rival, que diferente dela não é rica e está sendo "criada" para ser uma governanta, porém supera Emma em beleza e em tudo, porque é capaz de fazer as mesmas coisas, porém ainda melhor. E junta-se a isso o fato de com essa volta se traz outro personagem a cidade que mexe ainda mais com os brios de nossa mocinha.

Há pessoas que, quanto mais fizermos por elas, menos farão para si mesmas.

Minhas sugestões de como ler Emma, sem que você crie uma expectativa que te frustre e faça até mesmo abandonar a história: Primeiro apesar de ser chamado de uma comédia, não é no sentido de ser engraçado (ouvi coisas tipo "Emma seria a percursora do Chick-lit", eu não acho isso, mas enfim), a comédia é mais no sentido do bizarro, do exagero onde todos os personagens tem suas qualidades e defeitos exagerados ao ponto de ser uma caricatura. 


Outra sugestão é que se você não sabe quem é o par romântico dessa história, torne isso um mistério e tente descobrir quem será, será uma grata surpresa. Porque ele realmente vai ser o personagem que você vai se "apegar" quando o descobrir e ele vai ser aquele que te faz torcer e querer saber como será seu destino no fim da história.

A essa altura, já devia ser um hábito seu o cumprir seu dever, em vez de lançar mão de oportunismos. Posso admitir os temores da criança, mas não os receios do adulto.

Por fim, achei que Emma, sim, "amadurece" durante a leitura, com certeza descobrir o amor a torna alguém melhor, o "mea-culpa" de Emma para mim mostra sim o crescimento dela como pessoa ao longo da trama e como em vários momentos sua cegueira sobre si foi sua pior inimiga. 

Nesse ponto da história mostra-se toda a genialidade da escrita de Jane Austen e traz a luz à resposta a todos os porquês do que foi escrito e abordado antes por mais tedioso e difícil de ler que tenha sido, fica claro também que não foi impensado ou escrito sem motivo, porque a reviravolta que acontece na história mostra claramente o quanto cada acontecimento foi necessário para dar o tom certo a cada acontecimento quando esclarecido ou revelado e o porquê de ser um clássico da literatura. Caso já tenha lido ou se aventure a ler, compartilhe comigo suas impressões. É muito legal ter a opinião de outra pessoa sobre um livro.


Eu li a edição da Nova Fronteira, em um box lindo que eles publicaram em capa dura e com folha de guarda maravilhosa. Me disseram que essa é uma edição com cortes no texto, porém para confirmar preciso ler outra edição. A edição está com uma tradução linda, sem erros de ortografia e digitação, porém dessa vez eu gostaria de uma fonte um pouco maior e mais espaçamento. O que não tira o mérito da edição de ser muito bem feita, é mais uma questão de gosto pessoal.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Emma
Ano: 2017
Páginas: 472
Editora: Nova Fronteira
Sinopse:
Jane Austen foi uma das principais romancistas da literatura mundial, e Emma é muitas vezes citada como sua obra de mais sucesso. Emma vive com seu pai, um viúvo velho e doente. Linda, inteligente e rica, acredita que não precisa de envolvimentos amorosos ou casamento. Porém, uma das coisas que mais gosta de fazer é tentar resolver a vida romântica dos outros. Nessa jornada, a inexperiência e os erros de julgamento sobre as próprias emoções rendem a Emma muitas surpresas e decepções.

12/02/2019

Especial :: Dicas de Conservação de Livros

fevereiro 12, 2019 0 Comentarios

Olá, faroleiros, tudo bom?

Todos os leitores sonham em ter sua biblioteca particular e, claro, conservar suas edições favoritas por bons e longos anos.  Portanto, resolvi fazer este post com o intuito de ajudá-los nesta tarefa, espero que as dicas sejam de muita serventia para todos!


 1 – A melhor posição para conservar seus livros é na vertical sem pressioná-los muito entre si. Colocar um volume sobre o outro pode prejudicar a longo prazo, devido ao peso exercido pelos demais.

 2 – Ao manusear os livros, esteja com as mãos limpas.

 3 – Para limpar os livros, utilize um pano limpo, macio e seco e passe delicadamente sobre o mesmo. Para limpar o pó acumulado na parte superior, utilize um pincel de cerdas grossas. Durante a limpeza, aproveite e o folheie isso ajuda as páginas a respirar.

 4 – Falando em limpeza... Ao limpar a estante, utilize um pano úmido – evite utilizar produtos abrasivos – e só coloque os livros no lugar após a mesma estar totalmente seca.

 5 – As orelhas do livro NÃO foram feitas para serem utilizadas como marca-páginas, utilize um marcador de papel tradicional. Algumas livrarias os disponibilizam gratuitamente. No instagram da nossa colunista Elisabete Finco (@efinco) você encontra diversas dicas sobre marcadores, não deixe de conferir.

 6 – Evite utilizar clipes de papel em seus livros, uma vez que os mesmos podem enferrujar com o tempo e danificar as páginas. Também evite esquecer coisas dentro dos livros, estes itens podem gerar manchas com o passar do tempo.

 7 - Deixe um espaço entre os livros guardados na estante e a parede para protegê-los da umidade.

 8 – Evite deixar seus livros expostos a luz solar, este contato prolongado pode fazer com que a capa desbote, entre outros danos.

 9 – Não escreva sobre seus livros, a pressão pode danificar a capa ou as páginas em definitivo.

 10 – Não abra os livros completamente, isto danificará a lombada.


Espero que tenham gostado do post com as dicas!

Abraços e até a próxima!



 Fontes: 

09/02/2019

Resenha :: Corações Quebrados

fevereiro 09, 2019 0 Comentarios

Olá, hoje venho contar sobre Corações Quebrados, segundo livro da Série Quebrados, publicado pela Editora Valentina. O primeiro Sorrisos Quebrados, você já pode conferir a resenha aqui no Clube, clique para ler. Dito isso vou lhes apresentar a Emília e Diogo.


Emília é uma jovem de 23 anos de idade que sofreu um grave acidente que teve como consequência a perda de seus pais e irmãos e deixou a protagonista com cicatrizes internas e externas desse trauma. Ela está em numa clínica no Brasil sendo tratada pela Dra. Rafaela Petra. 

Enquanto, Diogo é um ex-soldado que viu e sofreu muito durante a guerra. Após uma emboscada no Afeganistão, ele perdeu vários de seus "irmãos de armas" e a si mesmo, e agora faz um ano que se encontra internado numa clínica em Portugal. Como parte do seu tratamento, o seu médico, o Dr. Leonardo Tavares, aborda um tipo novo de terapia: que Diogo converse com outro paciente com transtorno do estresse pós-traumático à distância.

— Se eu conversar com essa Emília, o que ambos ganharemos com isso? — Ele fica uns segundos a olhar para mim, até caminhar na minha direção. Ficamos a observar os pássaros que continuam a voar. 
— Asas e raízes.


À medida que ambos começam a trocar mensagens a história mostra, de forma linda e perfeita, que depressão não é tristeza, apesar de alguém deprimido estar também triste. Que estresse pós-traumático não é “mimimi” de quem quer fugir de uma tragédia. E que o passado, quando carregado, é um fardo e não uma lembrança, uma memória do que passou.  Ler a história de Emília e Diogo, mostra a história do ponto de vista de quem está passando pelo problema, ou que viva de maneira próxima a mesma coisa, mas na história deles consegue-se ver coisas que a própria situação não permite. 

A ligação com Sorrisos Quebrados é velada na história, podendo passar despercebida se o leitor não for atento ao ler, mas bem tranquila para quem leu e se emocionou com o livro anterior.  Acredito que uma das passagens que mostram essa ligação, arranque suspiros.

Por conta desse bate-papo a longa distância, temos capítulos escritos em português de Portugal (os do Diogo) que dão uma verdade emocionante e necessária ao enredo e, ao contrário do que poderia parecer, deixam a trama ainda mais fácil de ser lida e entendida. Emília e Diogo vão conversando, trocando confidências e lidando com novos sentimentos que vão surgindo entre os dois e que afetam de maneira positiva e verdadeira o leitor.


É um livro que traz esperança de que quem sente que perdeu tudo que lhe era fundamental para viver e sorrir, pode não ser restituído, mas a vida pode trazer outros motivos para sorrir que são um legado de quem partiu. Que continuar vivendo apesar da perda dessas pessoas é um tributo à vida deles. Que cada sorriso é um memorial à vida deles e que na realidade quem amamos nunca deixa de existir. Não enquanto forem lembrados. 

Invejo os que, mesmo com ninho, voam todos os dias para o desconhecido. Apesar do risco da queda, caso as asas falhem, eles preferem viver a vida a estarem somente protegidos pelas árvores.

Passamos muito tempo acreditando nas mentiras que dizem sobre nós: sobre nãos sermos boas o bastante, bonitas o suficiente, inteligentes, capazes... Mentiras. Mentiras que minam quem realmente somos, até o amor nos mostrar tudo que somos apesar das mentiras. E que o amor é nosso porto seguro, o lugar onde os pedaços que nós somos formam um inteiro. Que nos mostram nos espelhos dos olhos dos outros o que na realidade somos, porque alguém consegue ver a verdade que existe apesar das mentiras, traumas e sofrimentos que passamos. E nos permite voar, sorrir e amar apesar do medo, da tristeza, da dor da saudade e da perda.

A realidade é que muitas pessoas não evoluem por estarem presas ao passado, pois todos os “e se” são isso, linhas invisíveis que nos amarram a uma época, impedindo que caminhemos no presente em direção ao futuro.

Terminei essa leitura com um sentimento enorme de gratidão. Um dos assuntos nesse livro é a depressão, e sim recomendo a quem a sofre que leia esse livro, a quem conhece e ama alguém que é acometido pela depressão que também leia e a todas as pessoas que querem ler uma história maravilhosa.


Talvez algumas pessoas não tenham facilidade de entender esse livro, como entender um depressivo também não é fácil. Pode parecer estranho a alguém que não sofra desse mal, entender como coisas "relativamente simples" tomem proporções tão grandes e tão avassaladoras. 

Afinal, se todos entendessem isso e fosse fácil desarmar todas as armadilhas que a mente humana é capaz de criar, talvez não houvessem tantos suicídios e tantas vidas perdidas para essa doença. Mas meu desejo é que você leia e seja feliz, muito feliz.


Nota ::  


Informações Técnicas do livro

Corações Quebrados
Quebrados #2
Ano: 2018
Páginas: 344
Sinopse:
Com mais de um milhão de leituras no Wattpad, chegará às livrarias brasileiras o segundo volume da Série QUEBRADOS.
CORAÇÕES QUEBRADOS aborda a depressão, o luto e a deficiência física.
Entre as dores da perda e a incapacidade de seguir em frente, Emília vive os seus dias numa clínica. Está estagnada. É nesse inferno pessoal que ela conhecerá Diogo, alguém que também foi vitimado por uma tragédia.
Será que é possível dois corações quebrados encontrarem a felicidade?
Numa sociedade onde a nossa aparência continua a valer mais do que a essência, é difícil continuar a jornada da vida quando tudo nos é arrancado.
Passamos os dias a olhar a capa das pessoas. Julgamos sem compreender que nunca conheceremos totalmente uma história sem ler cada página. Sem compreender o seu início, meio e fim.
Duas pessoas fisicamente distantes.
Dois corações quebrados pela vida.
Dois sotaques que se misturam entre a dor, o riso e o amor.
Por isso, olhem sim a capa de cada pessoa, mas virem a página.


Para a Editora Valentina, leitura é, acima de tudo, entretenimento.
Olho vivo e faro fino.
Esse é, na verdade, o lema de todo grande editor. E a pinscher dessa editora encarna esse lema como ninguém.


 _____Sobre a Autora_____

Sofia Silva


Sofia Silva nasceu em Vila Nova de Gaia, Portugal. É licenciada em Ensino Básico (1º Ciclo) pela Universidade de Aveiro.
Amante da literatura, em especial da poesia e, nela, de Pablo Neruda. Sempre gostou dos sentimentos contidos nas palavras e do poder que exercem sobre os leitores. Ávida devoradora de romances, com predileção pelos dramáticos de final feliz, desde jovem participa ativamente do meio literário.
Em dezembro de 2014, iniciou-se na ficção através da plataforma online Wattpad com a Série Quebrados, cujo foco são histórias sobre violência doméstica, deficiência física e abuso sexual.
Com mais de 1 milhão de leituras e o apoio fervoroso das leitoras brasileiras, publicou, dois anos depois, o seu primeiro livro na Amazon, Sorrisos Quebrados, atingindo o top 10 de vendas em ebook no Brasil.
Para o futuro, deseja continuar a dar voz aos problemas da sociedade através de personagens que ultrapassam inúmeros obstáculos e merecem ser felizes.


*Exemplar cedido pela editora