Follow Us @soratemplates

21/01/2019

Resenha :: O Dia em que Conheci Meu Pai pela Segunda Vez

janeiro 21, 2019 1 Comentarios

Esta não é uma história da polícia. É a história de um policial.

Esse livro é uma linda homenagem ao pai, policial e herói na vida da autora. Afinal existe algo mais heroico que colocar a vida em risco pela segurança de outra vida? Contudo, para mim, dizer que são contos limita e simplifica muito textos que são realmente lindos e contam histórias da vida real, que só quem realmente vive as situações é capaz de visualizar com toda a grandeza do que é, mas que nesse livro ficam muito próximos a realidade daquele momento. O Dia em que Conheci Meu Pai pela Segunda Vez é uma antologia de contos e o primeiro livro escrito pela autora Tamires de Carvalho.

Pergunte aos funcionários mais antigos pelo Paulo. Sou eu. Carvalho é meu sobrenome, ou nome de guerra, como dizem.

Preciso dizer que é impossível não se simpatizar e até mesmo criar uma empatia muito grande pelo personagem central desse livro, o Paulo Carvalho. Mas é interessante que ao longo da leitura, você deixa de lembrar que um dia o Carvalho não foi policial, meio que como um filho olha para os pais e tem dificuldade de imaginar que um dia foram solteiros, não se conheciam... E isso me chamou a atenção durante a leitura.

O lado de quem já sentia a farda no corpo. Era só fechar os olhos, e eu podia senti-la aqui, me vestindo. Eu já era policial, eu tinha de ser policial.

Amei a ordem em que os contos foram colocados, porque cada história deixa um gosto ainda mais especial ao anterior, mesmo que não sejam ligados ou continuados. Só posso dizer que ler é o único modo de entender, exatamente, porque esse livro é tão lindo. Além de bem escrito, o fato de ler como se o próprio Carvalho estivesse me contando a história criou um momento fascinante de leitura porque é raro algo assim, uma ligação tão forte com "quem conta" e com o que é contado.


Por ser um livro pequeno estou me segurando para não contar um pouco de cada história, porque acho que isso pode tirar o prazer da primeira leitura, mas sinceramente, vou deixar aqui minhas impressões sobre algumas histórias de forma muito leve, só para te mostrar porque o livro foi tão especial pra mim.

A primeira vez de um policial, aqui temos o drama da primeira morte, com o uso da farda. Não tem como ficar indiferente a esse momento. Afinal a certeza que ele vai acontecer durante a carreira é o motivo de muitos não cogitarem a profissão e de outros ansiarem por ela. E durante a leitura me ficou uma lição preciosa, que diria a qualquer pessoa em ambos os casos:

Mas depois que você entra no fogo cruzado, não lembra nem o nome da sua mãe, que dirá contra quem está guerreando.

Corpo fechado, esse entrou para o momento mais leve da leitura e me fez rir demais, porque temos o crédulo e o descrente durante a narrativa e os fatos que se seguiram foram impossíveis de não cair na gargalhada, apesar de trágico foi cômico.

Os primeiros (e únicos) tiros que tomei, tão inerente a ser policial quanto atirar e saber que as chances e possibilidades de ser alvejado por um tiro são grandes. Como diz a música do grupo Rappa, "também morre quem atira" e para mim a maior missão de um policial é voltar vivo para casa. Nesse conto, é impossível não ficar ao lado do Carvalho naquele momento, sentindo as mais diversas sensações e por fim a dor do tiro.

Mas a vida não é tão simples, temos contas a pagar, e se tem uma coisa que não dá para se tornar é ex-policial.

Deixo aqui essa verdade, que apesar de tão óbvia pode passar despercebida para quem não vive o dia a dia da farda. Uma vez, para sempre.

Para quem como eu já "perdeu" sua melhor amiga de toda a vida sabe a dor dilacerante e inenarrável que é.  Posso dizer para você que é tão grande, tão intensa que parece que você também vai morrer naquele momento, porque simplesmente parece impossível a vida continuar depois daquele momento. 

O funeral de um amigo, que compartilha com você todo o drama e as alegrias de vestir uma farda, é como velar a si próprio.

Perder um amigo, ler sobre como é perder um amigo, que literalmente guarda suas costas e que será os olhos que vai te proteger enquanto você o protege me fez pensar que existem dores ainda maiores e que, para mim, apresenta de certo modo requintes de crueldade, afinal todos os dias ele vai reviver o momento e notar que aquele seu amigo não está ali e que o que está pode ser o próximo a não estar. Que você pode ser esse amigo, que deixou essa dor, esse vazio e o luto. Todos podemos morrer, mas para eles esse pensamento não é algo que acontece durante o drama e sim é a constante do dia. E mesmo assim, eles continuam.

Infelizmente, as palmas e os agradecimentos chegam, em sua maioria, apenas quando já fechamos nossos olhos.

Quando me mudei para a roça, sair do grande e violento Rio de Janeiro para um lugar pacato, além de levar nosso personagem a uma nova realidade, nos leva junto a uma nova história. Sério, a mudança é tão drástica que é impossível não ver como um recomeço e sinceramente maravilhoso, inclusive para quem lê. A partir dessa mudança os contos ganham um novo tom, tão envolventes em sua narrativa quanto o anterior, porém te deixam com o coração mais leve para conseguir absorver todas as histórias, lições de vida e, principalmente, te preparar para o fim do livro.

Saí do batalhão pela última vez, em câmera lenta, olhando tudo e guardando tudo na memória. Educai as crianças e não será necessário punir os homens.


Quero agradecer a autora, por essa história maravilhosa e por ter me enviado o livro físico, que foi impresso a partir do e-book disponível na Amazon. Uma edição linda que trouxe em seu final uma imagem que deu vida e eternidade ao Carvalho em minha memória. Terminei a leitura como se houvesse o conhecido e tido a honra de conhecer sua história. Foi realmente lindo e emocionante cada momento dessa leitura.


Nota ::  4,5


Informações Técnicas do livro

O Dia em que Conheci Meu Pai pela Segunda Vez
Ano: 2017
Páginas: 76
Editora: Independente
Sinopse:
“O dia em que conheci meu pai pela segunda vez” é uma antologia de contos e o primeiro livro escrito pela autora Tamires de Carvalho. São narrativas inspiradas nos 'causos' de polícia que seu pai adorava contar e que mostram como a profissão de policial militar pode moldar o caráter e a personalidade de um homem. Do início ao fim, o dia a dia de abordagens, perseguições e conflitos de exercer esta profissão.


_____Sobre a Autora_____

Tamires de Carvalho



Mora em Patrocínio do Muriaé, interior de Minas Gerais, é estudante de Letras pela Universidade Federal Fluminense (UFF/Cederj) e apaixonada por livros e literatura. Tem um blog onde compartilha suas leituras e desde 2017 tem publicado contos de forma independente na Amazon, além de participar de coletâneas literárias.

19/01/2019

Resenha :: Sob a Luz dos Seus Olhos

janeiro 19, 2019 0 Comentarios

Olá, faroleiros!!! Hoje escrevo sobre o livro Sob a Luz dos Seus Olhos da autora Chris Melo, da Fábrica231. Estou tendo dificuldades para ler devido à falta de tempo, mas investi nesta leitura, pois além de ter ganhado em parceria, o mesmo me foi bem recomendado por minha mãe que já o havia lido em e-book. Comecei a lê-lo sem pretensões, mas depois do segundo capítulo, confesso que já estava presa a leitura e sem querer parar.

Esta é a nossa vida, a parte que vale a pena ser contada. Toda a transformação que um ser humano sofreu porque disse sim, toda a magia que só existiu porque, em um dia qualquer, nossos olhos se cruzaram.

Elisa é uma jovem brasileira que aos 23 anos foi morar em Londres na Inglaterra, através de um intercâmbio que duraria um ano, pela editora na qual trabalhava. Para aproveitar esta oportunidade, ela viajou antes do prazo para poder ir a York, conhecer um pouco do lugar de tantas histórias que lera. Lá ela acaba trocando olhares, certa noite, com um rapaz lindo, mas não chegam a se conhecerem. Por estranha coincidência ou coisa do destino, Lisa foi morar justamente na casa dos pais de Paul, o estranho rapaz com a qual ela havia trocado olhares em York. Imagine então a surpresa dos dois.

Sentir falta é notar a ausência de alguma coisa. Saudade é quando o peito aperta, quando falta o ar, é quando parece difícil continuar vivendo.

Paul Hendesen é o filho mais velho dos Hendesen, uma tradicional e abastada família inglesa que resolveu alugar um quarto para jovens que viessem à Inglaterra por intercâmbio. Ele é um jovem boêmio, que tem como única certeza seu amor pelas artes cênicas. Atualmente ele está encenando uma peça de teatro, mas espera ser chamado para fazer cinema, quando, ao retornar para casa em um dos intervalor de apresentações, descobre que a jovem a quem ele ficou admirando em York, está morando em sua casa.

Decido viver tudo aquilo sem pensar demais, como ele sugere. Não adianta evitar a felicidade por medo dela. Assim como a tristeza encontra cantos para morar dentro da gente, a felicidade sabe se instalar ali, entre um nascer do sol, mãos quentes e esperanças juvenis.

Os dois percebem que a ligação entre eles é mais que especial e, mesmo contrariando os Hendesen, decidem dar uma chance ao amor que estão sentindo. Mas será que eles vão conseguir ir em frente?


O desenrolar da história então é um verdadeiro drama, confesso que fiquei preocupada com o final, mas a autora soube desenvolver a história muito bem. Ficou um romance muito lindo, mas confesso que não aceitei muito bem o tempo que a autora usou para resolver determinado ponto da história, sou uma romântica total e sofri demais... rsrsrs...

Outro ponto é que, se tratando dos Estados Unidos, achei a atitude da polícia muito falha para ser verdadeira, se fosse aqui no Brasil teria sido bem mais fácil de aceitar. Porém isto não prejudicou a história e não pense que não curti o livro, achei emocionante a leitura e o final foi super satisfatório para mim, pois a autora conseguiu transmitir o sentimento da história de maneira muito linda e fechou todos os pontos.

O livro está numa publicação excelente, fonte, espaçamento, papel. Uma coisa super bacana é que o título de cada capítulo é o nome de uma música, sendo assim a história tem sua playlist, se você curte, pode escutar enquanto lê. Dou nota 4/5.

Boa leitura,

Carolina Finco


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Sob a Luz dos Seus Olhos
Ano: 2016
Páginas: 320
Editora: Fábrica231
Sinopse:
"Essa é a nossa vida, a parte que vale a pena ser contada. Toda a transformação que um ser humano sofreu porque disse sim, toda a magia que só existiu porque, um dia qualquer, nossos olhos se cruzaram."
Elisa embarca para a Inglaterra decidida a começar sua vida adulta. Leva na bagagem todos os seus planos para o futuro, sua sede por conhecimento e o desejo de trilhar os primeiros passos de sua almejada carreira como editora.
Paul vive intensamente cada hora de sua vida. Ele gosta de pegar a estrada, conhecer pessoas e segue tentando provar o seu valor como ator. Seus amigos são sua única companhia para não desistir de sua carreira e futuro.
Poderia ser apenas um encontro casual entre dois jovens tentando achar o seu lugar no mundo, mas Paul e Elisa embarcam em uma profunda jornada rumo ao desconhecido. Eles se descobrem no sublime encontro de duas almas. Percorrem um longo caminho de autoconhecimento, superação, dor, perdão e recomeços. Esta é uma história para corações fortes, e para os que acreditam intensamente no poder do amor.
"Toda a história de Sob a luz dos seus olhos entrou no meu coração para sempre. Nunca mais eu seria a mesma pessoa." - Tammy Luciano, autora de Sonhei que amava você e Escândalo!
"Impossível terminar este livro sem lágrimas nos olhos e um desejo incontido de 'quero mais'. Um dos maiores talentos da nova literatura nacional." - Maurício Gomyde, autor de  A máquina de contar histórias e Surpreendente!


 _____Sobre a Autora_____

Chris Melo


YouTube |  Site

Chris Melo nasceu em São Paulo. Iniciou a vida acadêmica na área administrativa, na qual permaneceu por quase dez anos. Abandonou sua promissora e confortável carreira para se enveredar pelos caminhos das Letras. É especia­lista em Língua Portuguesa e apaixonada por livros desde que descobriu a existência de diver­sos mundos na estante de sua mãe. É autora de quatro romances, entre eles Sob a luz dos seus olhos, e de um livro de crônicas. E também par­ticipou da coletânea O livro delas, uma seleção das jovens autoras mais importantes do país.

17/01/2019

Resenha :: Todo o Tempo do Mundo

janeiro 17, 2019 1 Comentarios

Oi faroleiros, não costumo fazer muitas leituras coletivas, mas aceitei ler Todo o Tempo do Mundo a convite do autor Mauricio Gomyde. Cinquenta e três pessoas leram juntas, interagiram entre si e ficaram sabendo de detalhes da história pelo próprio autor no grupo criado por ele no Whatsapp. Foi uma experiência incrível!! 

Depois que li o maravilhoso Surpreendente (resenha aqui), lançado pela Editora Intrínseca, aguardei ansioso pela próxima obra do autor. Foram 3 anos de espera para o lançamento de Todo o Tempo do Mundo, agora, pela editora Astral Cultural


O novo romance do autor brasiliense é sobre viagem no tempo. Sei que esse tema já foi tratado em diversos livros e filmes, mas Maurício Gomyde trabalhou o tema de forma diferente. Vitor, nosso personagem principal, viaja no tempo de acordo com o nível de felicidade ou tristeza dele. Ele não controla as viagens. Quando está muito feliz, Vitor viaja para o passado e, quando está muito triste, para o futuro.

Sou uma pessoa sem rumo definido, um ser do mundo. Hoje, aqui. Amanhã onde o destino quiser.

Com medo de que as pessoas pirem com seus sumiços e aparições repentinas, Vitor se isola de todos, evitando momentos de felicidade e de tristeza genuínas. Por isso, sente como se sua vida tivesse passado em branco. Tudo muda quando Vitor encontra uma pessoa que achava estar morta. Amanda é capaz de fazer ele sentir todos os sentimentos possíveis.


Quando Vitor se isolou, ele comprou terras em Bento Gonçalves e passou a produzir espumantes. Achei que Gomyde poderia ter retratado melhor o plantio das uvas e a produção dos espumantes, assim como Nora Roberts fez em A Villa sobre a produção de vinhos. Não foi por falta de conhecimento. O autor ficou hospedado na Casa Valduga e aprendeu muito com os enólogos de lá. Ele também foi à Cave Geisse, que é uma das vinícolas mais premiadas no mundo e que serviu de inspiração para as terras de Ferazza. 

Gostei dos personagens. Amanda é forte apesar da vida sofrida que leva, mas dois personagens secundários se destacam: Rico, dono do hamBUSgueria, e o cachorro chamado simplesmente de Cão. Rico é louco e também o mais sábio de todos. Um verdadeiro maluco beleza! 

A diagramação da Astral Cultural é bem tranquila para a leitura, com espaço grande entre as linhas e nas bordas. Uma bela edição de 350 páginas recheadas de frases sobre felicidade. A história é contada em primeira pessoa e o ponto de vista é alternado entre Vitor e Amanda. Adorei a foto da capa. Ela representa bem o casal.


Publishers Weekly disse que Maurício Gomyde é um autor que você não pode deixar de conhecer” e eu assino embaixo. Como todo livro do Gomyde, o sentimento é o centro da narrativa e sua escrita singela encanta já na primeira página.

Não deseje que o que acontece aconteça como você quer, mas queira que o que acontece aconteça como tem que acontecer, e então você vai ser feliz.

O que é felicidade genuína pra você? 


Com amor, André.


Nota :: 

Informações Técnicas do livro

Todo o Tempo do Mundo
Ano: 2018
Páginas: 352
Editora: Astral Cultural
Sinopse:
E se você um dia descobrisse que viaja ao passado toda vez em que fica muito feliz? E que vai ao futuro toda vez em que fica muito triste? Pois isso é o que acontece com Vitor Pickett.
Tudo começou na noite em que ele beijou Amanda, e Vitor nunca teve chance de descobrir se aquilo é dádiva ou maldição, porque, ao fim daquela festa, Amanda foi embora para outro canto do mundo, para nunca mais voltar.
Vinte anos depois, ele é um recluso dono de vinícola numa cidadezinha do Sul do Brasil, e acha que ela morreu num atentado; Ela, entretanto, é casada e gerente da livraria mais bonita do mundo, em Buenos Aires.
Mas um reencontro inesperado poderá mudar tudo. Vitor entenderá por que viaja no tempo? Amanda revelará que não é quem ele sempre imaginou? Aquele amor renascido será mais poderoso do que tudo que os separa?
As respostas dependerão de Vitor subverter a lógica insana de seu corpo e conseguir alterar um fato do passado. Porque, se é verdade que quando a primeira lágrima desce do olho esquerdo, o choro é de tristeza, e quando desce do direito o choro é de felicidade, aquele poderá ser o sinal mais poderoso de suas vidas...
"O olhar sensível e a deliciosa escrita do Maurício Gomyde tornam suas histórias tão cativantes, que achei impossível fechar o livro antes de chegar à última página" (Carina Rissi)

 _____Sobre o Autor_____



Maurício Gomyde



Maurício Gomyde nasceu em São Paulo e desde os três anos de idade vive em Brasília. Possui 7 livros publicados, em 6 países. Foi finalista do Jabuti 2016. Além de escritor, também é roteirista e músico.

15/01/2019

Resenha :: Não Conte a Ninguém

janeiro 15, 2019 1 Comentarios

Em Não Conte a Ninguém conhecemos David Beck, um pediatra que trabalha no serviço público e ainda está lutando para reconstruir sua vida após o assassinato de sua esposa, Elisabeth Parker.

Logo no início do livro, David está se recordando do fatídico dia, oito anos atrás, em que ele e Elisabeth estavam no lago Charmaine fazendo seu ritual romântico em comemoração a mais um aniversário da data de seu primeiro beijo, e são atacados. David é deixado inconsciente no lado para se afogar e ela é sequestrada. Elisabete posteriormente é encontrada morta e com o rosto marcado com a letra “K” em ferro em brasa, logo ligam o crime à obra do Serial Killer Killroy.

O caso volta à tona quando, após uma intensa chuva, dois corpos são encontrados nas proximidades do crime que ocorreu anos atrás, além disso, há o taco de beisebol que havia nocauteado David, com isso, ele acaba por se tornar um possível suspeito de ter sido o algoz de Elisabeth. Como se não bastasse, David recebeu um misterioso e-mail que reacende a centelha de esperança que ele ainda alimentava: a possibilidade de sua esposa estar viva.

A mente não deveria visitar certos lugares, mas a minha sempre acaba sendo levada até lá.

Após o recebimento do e-mail, Beck segue todas as instruções contidas nele, tenta relembrar da noite em que tudo ocorreu, visita os pais de Elisabeth e amigos, tudo na busca de encontrar novas pistas e ainda por cima se provar sua inocência... Como é de se esperar em um livro de mistério/suspense a tensão vai aumentando conforme o virar de páginas, entretanto, alguns ‘absurdos’ me incomodaram durante a leitura — achei que o autor quis forçar a barra em alguns momentos, achei desnecessário. 

Eis a verdade sobre as tragédias: elas fazem bem à alma. O fato é que sou uma pessoa melhor por causa das mortes. Se tudo tem seu lado positivo, este, sem dúvida, é bem frágil. Mas existe. Isso não significa que valha a pena, que a troca seja justa ou algo semelhante, mas sei que sou um homem melhor do que era antes. Tenho uma noção mais apurada do que é importante. Compreendo melhor a dor das pessoas.

Este foi meu primeiro contato com uma obra de Harlan Coben, a leitura foi bem fácil e tranquila, creio que para quem não está habituado ao gênero seja uma opção, caso você já tenha o hábito, encare apenas como uma leitura de passatempo e se divirta!

Não Conte a Ninguém foi o livro mais aclamado de 2001, indicado para diversos prêmios, entre eles Edgar, Anthony, Macavity, Nero e Barry. O livro também foi adaptado cinematograficamente na França em 2006 e recebeu o título “Ne le dis à personne”, concorreu em nove categorias do prêmio César e levou quatro, entre elas: melhor ator e melhor diretor.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro


Não Conte a Ninguém
Ano: 2014
Páginas: 240
Editora: Arqueiro
Sinopse:
Há oito anos, enquanto comemoravam o aniversário de seu primeiro beijo, o Dr. David Beck e sua esposa, Elizabeth, sofreram um terrível ataque. Ele foi golpeado e caiu no lago, inconsciente. Ela foi raptada e brutalmente assassinada por um serial killer.
O caso volta à tona quando a polícia encontra dois corpos enterrados perto do local do crime, junto com o taco de beisebol usado para nocautear David. Ao mesmo tempo, o médico recebe um misterioso e-mail, que, aparentemente, só pode ter sido enviado por sua esposa.
Esses novos fatos fazem ressurgir inúmeras perguntas sem resposta:Como David conseguiu sair do lago? Elizabeth está viva? E, se estiver, de quem era o corpo enterrado oito anos antes? Por que ela demorou tanto para entrar em contato com o marido?
Na mira do FBI como principal suspeito da morte da esposa e caçado por um perigosíssimo assassino de aluguel, David Beck contará apenas com o apoio de sua melhor amiga, a modelo Shauna, da célebre advogada Hester Crimstein e de um traficante de drogas para descobrir toda a verdade e provar sua inocência.


Informações: WikipediaAmazon Brasil

12/01/2019

Resenha :: Big Rock

janeiro 12, 2019 8 Comentarios

Olá, Clube do Farol!!

Em Big Rock, conhecemos Spencer Holiday — suspiros! Ele é o típico cara dos romances mesmo. Lindo, rico e cheio de “contatinhos femininos”. Spencer ainda é conhecido na mídia como um dos caras mais cobiçados de New York. Entretanto, ele se vê em uma situação que deverá ser o mais discreto possível, ou colocará o futuro da joalheria de seu pai em risco.

Tentando ser discreto, Spencer tem a magnífica — ou não — ideia de propor a sua melhor amiga e sócia, Charlotte, um noivado falso. Charlotte tem um ex “pé no saco”, então ela enxerga na ideia de seu amigo uma forma de afastar o ex, assim aceita e embarca com tudo no noivado falso.


Para que o tal noivado fosse o mais “real” possível, o casal de amigos se coloca em várias situações para convencer a família de Spencer de que tudo é de verdade. Neste ponto ambos chegam à conclusão que poderiam ser amigos com benefícios.

O que Spencer não esperava era que após momentos quentes e cheios de paixão, ele se apaixonaria pela primeira vez, e ainda pela sua melhor amiga… E cheio de medo de que Charlotte não sinta o mesmo por ele.


MINHAS CONSIDERAÇÕES:

Adorei o fato de o livro ser narrado pelo ponto de vista masculino. A autora deixa claro em sua narrativa que Spencer é um cara que “se acha”, ele é até um pouco prepotente. Mas não é nada que me incomodou na história, muito pelo contrário, até achei que esse fato fez toda a diferença no enredo. Spencer é um personagem bem desenvolvido e carismático.

Senti falta de Charlotte! Gostaria que a personagem fosse um pouquinho mais presente (motivo que não dei cinco estrelas).

A escrita de Lauren é extremamente envolvente, além de conseguir narrar muito bem a história do ponto de vista masculino — como falei aí em cima.

Outra coisa que gostei muito foi que a relação dos dois não brotou da terra do nada. A relação dos dois é sólida e antiga. Pois já eram amigos — melhores amigos — desde a faculdade e ainda são sócios no Bar The Lucky Sport. Portanto, para o casal mudar de amigos para apaixonados no meu ver teve uma base.

Adorei o fato de o relacionamento entre Spencer e Charlotte ir se desenvolvendo aos poucos e, junto como o casal, o leitor pode perceber a paixão nascendo.


Faro Editorial está de parabéns! O livro é muito bonito e bem diagramado. A editora já lançou outros títulos da autora, inclusive em Big Rock já podemos ter uma ideia do que esperar em MISTER O.

Bem, isso é tudo por hoje. Até a próxima com sabe-se lá o que.


Nota ::  4,5


Informações Técnicas do livro

Big Rock
Ele tem todos os talentos. Algumas vezes, tamanho é documento.
Big Rock #1
Ano: 2017
Páginas: 224
Editora: Faro Editorial
Sinopse:
“A maioria dos homens não entende as mulheres.”
Spencer Holiday sabe disso. E ele também sabe do que as mulheres gostam.
E não pense você que se trata só mais um playboy conquistador. Tá, ok, ele é um playboy conquistador, mas ele não sacaneia as mulheres, apenas dá aquilo que elas querem, sem mentiras, sem criar falsas expectativas. “A vida é assim, sempre como uma troca, certo?”
Quer dizer, a vida ERA assim.
Agora que seu pai está envolvido na venda multimilionária dos negócios da família, ele tem de mudar. Spencer precisa largar sua vida de playboy e mulherengo e parecer um empresário de sucesso, recatado, de boa família, sem um passado – ou um presente – comprometedor… pelo menos durante esse processo.
Tentando agradar o futuro comprador da rede de joalherias da família, o antiquado sr. Offerman, ele fala demais e acaba se envolvendo numa confusão. E agora a sua sócia terá que fingir ser sua noiva, até que esse contrato seja assinado. O problema é que ele nunca olhou para Charlotte dessa maneira – e talvez por isso eles sejam os melhores amigos e sócios. Nunca tinha olhado… até agora.
******
Este é o primeiro romance da autora Lauren Blakely no Brasil, uma das autoras mais vendidas da atualidade. A marca de Lauren são as histórias contadas sob a ótica masculina, construindo personagens fortes, inteligentes, contemporâneos. Ambos inovam ao contar uma história romântica do ponto de vista masculino.

“Este livro é o mais divertido que li nos últimos anos. Spencer é um herói perfeito: macho alfa com dez tons de charme, muitos centímetros de prazer e o oposto de um cretino. Cada página me fazia sorrir e, no momento em que fechava o livro, era o meu marido quem estava a ponto de sorrir também.” (CD Reiss, Autora da Submission Series)