Mostrando postagens com marcador André Gama. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador André Gama. Mostrar todas as postagens

28 junho, 2019

Resenha :: Você Tem a Vida Inteira

28 junho 0 Comentários

Você Tem a Vida Inteira foi muito bem recebido pelos booktubers, principalmente por Vitor Martins, autor dos excelentes Quinze Dias e Um Milhão de Finais Felizes.

O livro segue a vida de Ian, Victor e Henrique. Ian Gonçalves faz um teste rápido de HIV e descobre que está infectado. Ele não sabe quem pode tê-lo infectado. Está em dúvida entre dois rapazes com quem não tem mais contato. Apesar de saber que o tratamento de HIV evoluiu muito ao longo dos anos, não é fácil receber a notícia.

A gente nunca acha que vai dar tudo errado até que tudo dá errado, não é? 

Victor Mendonça também está no centro de testagem esperando o resultado. Ele está preocupado porque somente ficou sabendo que Henrique é portador do vírus depois deles terem feito amor. Apesar de terem usado camisinha, Victor está com medo de ter sido infectado. A resposta foi negativa, mas Victor está muito decepcionado com seu companheiro. Acredita que Henrique tinha que ter contado sobre ser soro positivo antes.

Os dois se conhecem no ponto de ônibus e Victor percebe o quanto Ian precisa conversar com alguém. Ele passa o contato de Henrique, achando que seu parceiro pode ajudar Ian a sobreviver ao tratamento.

Você sabe que não é uma sentença de morte, não? Pesquisei um pouco antes de ir fazer o teste, e vi relatos de um monte de gente que vive com o HIV e tem uma vida normal. Vai ficar tudo bem.


Os jovens gays do final dos anos 80 cresceram com medo de uma nova doença que afetava a imunidade dos homossexuais, por isso ficou conhecida como “câncer gay” durante um tempo. Nos anos seguintes, a doença também atingiu homens heterossexuais e mulheres que haviam passado por cirurgias e por transfusões de sangue. Foi quando a doença ganhou o nome de AIDS (sigla em inglês para Síndrome da Imunodeficiência Adquirida).

A falta de informação fez com que o preconceito contra os homossexuais aumentasse ainda mais. Eles eram vistos como sujos, promíscuos e pecadores. Se já era difícil sair do armário antes, a AIDS foi como um cadeado na porta desse armário.

O tratamento contra o vírus HIV evoluiu muito durante esses anos, mas o medo e o preconceito contra essas três letras continuam existindo. Por isso um livro como este é tão importante.


O autor Lucas Rocha retrata de forma delicada o abalo de descobrir ser portador do vírus HIV e de como é viver com ele. Viver com HIV é viver com medo. Medo do que os amigos e familiares vão pensar. Medo do preconceito. Medo da política mudar e os remédios pararem de ser distribuídos. Medo de como será o resto de sua vida. Será que o vírus é um impedimento para o amor?

A edição da Galera Record tem páginas amarelas, orelhas, uma ótima diagramação e uma capa bem colorida que achei linda. O livro é menor do que o padrão. Tem 20,8 x 13,4 cm de tamanho, mas não atrapalha em nada a leitura.

Acompanhar a jornada de Ian, Victor e Henrique foi muito instrutivo e emocionante. Me apaixonei pelos personagens, principalmente pelo Eric, amigo de Henrique que divide o apartamento com ele. Ninguém é mocinho ou bandido, eles apenas querem viver como se tivessem a vida inteira pela frente.

Com amor, André


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Você Tem a Vida Inteira
Ano: 2018
Páginas: 288
Editora: Galera Record
Sinopse:
Um livro sensível sobre o amor após um diagnostico de HIV. O livro de estreia de Lucas Rocha é sensível e honesto sobre um assunto que ainda é um grande tabu 

As vidas de Ian, Victor e Henrique são entrecortadas pelo diagnóstico do HIV. Victor fica inseguro ao descobrir que Henrique, com quem está começando uma relação, é soropositivo e resolve fazer um teste, mesmo que os dois só tenham transado com camisinha. Logo depois de um resultado negativo, ele conhece Ian, um universitário como ele que acabou de receber uma notícia que pode mudar sua vida. No impulso de ajudar o garoto, Henrique entrelaça os destinos dos três.
Lucas Rocha narra, a partir das três perspectivas, os medos, as esperanças e o preconceito sofrido por quem vive com HIV, mas, principalmente, conta uma história que não é sobre culpa ou sobre estar doente, e sim sobre como podemos formar nossas próprias famílias e sobre nunca esquecer que ainda temos a vida inteira. 

20 junho, 2019

Resenha :: O Véu Entre Mundos

20 junho 8 Comentários

Queridos faroleiros, já li Graham: O Continente Lumúria  (resenha aqui) e Lazaro: A Maldição dos Mortos (resenha aqui) do autor paulista Vinicius Fernandes, mais conhecido pelo pseudônimo A. Wood. Só faltava O Véu Entre Mundos dele para ler.

Stephen King disse, em A Torre Negra, que há outros mundos além deste. E se o véu que divide esses mundos começasse a se rasgar? A partir dessa premissa, o autor desenvolve a história de Alice Limberger.


Alice está cansada de sua vida estressante. Ela estuda letras à noite e durante o dia trabalha em uma escola onde ensina inglês para crianças. Alice ainda tem que dividir sua atenção com o namorado Marco e a mãe que trabalha na lanchonete da família.

Alice e Marco se conheceram no colegial e já namoram há uns 3 anos. Os dois estavam fazendo piquenique no parque do Ibirapuera quando viram surgir um portal em pleno ar.

O frio aumentou de supetão e, por um momento, a moça não soube distinguir se o que via era real ou se ela estava tonta e prestes a desmaiar. A área que a separava do namorado parecia estar borrada [...]. Mas, na fração de segundos após isso, o barrão sumiu e houve um barulho de implosão, como se o próprio ar tivesse se consumido.

Esses portais sobrenaturais começam a aparecer aleatoriamente em diversos lugares do planeta, provocando o desaparecimento de várias pessoas e o aparecimento de fadas, seres que até então só existiam em livros de fantasia.

Gosto muito da forma como o autor conduz suas histórias. Ele começa devagar e aos poucos você vai se envolvendo com a narrativa e se afeiçoando aos personagens. Em Graham e Lázaro há personagens gays, mas o foco da história não é a sexualidade deles. É apenas uma de suas características. Acho isso bem inovador. Não temos um personagem gay em O Véu Entre Mundos, mas Alice precisa conhecer a sua história, saber quem realmente é, para poder se aventurar entre os mundos. (Não é exatamente isso que os gays precisam fazer?)

Comprei a obra direto com o autor. A edição tem boa diagramação, páginas amarelas e um mapa do Reino de Fäerie. No início de cada capítulo há uma ilustração de dois belos unicórnios. O livro que recebi, devidamente autografado <3 , não tem orelhas, mas sei que a editora Selo Jovem lançou alguns títulos nas duas versões: com e sem orelhas.

Mais uma vez o autor A. Wood entrega uma fantasia bem construída que se passa em plena São Paulo, com personagens imperfeitos e uma boa dose de ação.

Fiquei sabendo que o autor vai relançar Graham: O Continente Lumúria em uma edição ilustrada e com final alternativo pela editora Pandragon. Além disso, temos uma nova história saindo do forno para a Bienal do Rio deste ano.

Com amor, André


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

O Véu Entre Mundos
Ano: 2016
Páginas: 208
Editora: Selo Jovem
Sinopse:
"O andarilho sorriu satisfeito mais uma vez. Aquele não era o seu mundo. Tudo ali era muito diferente do que aquilo com que estava acostumado. Mas isso não significava que já não tivesse visto aquelas coisas antes. Ele estudara por muito, muito tempo.
E agora finalmente conseguira.
Havia cruzado a barreira entre dois mundos."

Nós não estamos sozinhos no Universo.
Quando Alice Limberger e seu namorado, Marco, têm um estranho encontro com uma fada no parque do Ibirapuera, suas vidas e a de todos os moradores da cidade de São Paulo começam a mudar da noite para o dia. Portais sobrenaturais se abrem misteriosa e aleatoriamente em diversas regiões, ocasionando no sumiço de pessoas e no aparecimento de seres que até então só existiam em livros infantis. Como e por que esses portais estão aparecendo, Alice não consegue explicar, mas descobrirá que é apenas o começo de uma reação em cadeia na qual ela está envolvida no centro de tudo.


A editora Selo Jovem é uma empresa independente, que atua no mercado do livro desde 2013. É uma editora com base sólida e confiável, pois o objetivo da Selo jovem é publicar obras com 100% de qualidade literária, sem pressa e trabalhando duro na revisão dos textos; sem jamais desistir, para ganhar experiência e amadurecer a cada dia.

25 abril, 2019

Resenha :: Esperando por Doggo

25 abril 0 Comentários

Um homem.
Um cachorro.
Um grande Amor

Amo livros e filmes sobre animais e sempre me emociono. Lembro do meu Luke, um poodle caramelo de tamanho normal. Ele recebeu esse nome em homenagem ao Luke Skywalker e foi meu companheiro até o final.


Mas, voltando ao Esperando por Doggo. O livro começa com Daniel lendo uma carta que Clara, sua namorada, deixou para ele. Quero dizer, ex-namorada. Ela resolve acabar com o relacionamento deles e deixa apenas uma carta explicando tudo. 

Ele fica também com Doggo, um cachorrinho feio que Clara adotou no abrigo "Lar Battersea para Cães e Gatos", há apenas três semanas. Ela queria um cachorro e simplesmente apareceu em casa com ele, sem avisar. Doggo não é seu nome verdadeiro. Eles decidiram chamar ele assim até encontrarem um nome mais adequado.

Ele é minúsculo, branco e quase careca. Digo quase porque há tufos de pelo aqui e ali, em caminhos de rato, como as moitas que um jardineiro preguiçoso não cortou.

Dan resolve devolver Doggo para o abrigo, mas a atendente do Lar diz que só recebe Doggo de volta se Dan castrar o bichinho. Seria o fim das bolas dele... para sempre. Ele fica indignado e sai levando Doggo consigo. 

Daniel é um redator publicitário e tem como parceiro "O Gordo do Trev". Em Agências de Publicidade o redator e o diretor de arte trabalham sempre juntos. São uma dupla. Dan e Trev formavam uma boa dupla, até Trev ter um colapso nervoso e deixar Dan sozinho e sem emprego. 

A chance de um novo emprego, e sem o antigo parceiro, aparece quando Dan é convidado para uma entrevista na Indology. Tudo vai bem na entrevista e ele acaba sendo contratado. A única imposição feita foi poder levar Doggo junto para o trabalho. 

Nem todos vão com a cara de Doggo na agência, mas aos poucos o cachorrinho vai conquistando a equipe. Dan trabalha com Edith, uma menina nova, mas com potencial. O dono da agência quer investir nela e acredita que ela vai "acontecer" se trabalhar com alguém mais experiente. 

A partir daí acompanhamos o dia a dia de uma Agência de Publicidade tendo Doggo como personagem secundário. Sou formado em Publicidade e já trabalhei em uma Agência, por isso me senti em casa com os acontecimentos narrados, mas aquilo que foi prometido pelo subtítulo do livro fez falta. A amizade entre Doggo e seu dono é muito singela. 

Há romance, intrigas, dramas e a narrativa em primeira pessoa, sob o ponto de vista de Daniel, flui muito bem. Só mais para o final do livro é que o foco volta a ser o Doggo e o título passa a fazer sentido.

Cante como se ninguém estivesse ouvindo, ame como se nunca tivesse sido magoado, dance como se ninguém estivesse olhando, e viva como se o céu fosse na terra. (Mark Twain)

Com amor, André


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Esperando por Doggo
Um homem. Um cachorro. Um grande amor.
Mark B. Mills
Ano: 2015
Páginas: 224
Editora: Novo Conceito
Sinopse:
Dan achava que tinha uma vida feliz com Clara, mas, de uma hora para outra, ela desaparece inesperadamente de sua vida, deixando para trás apenas uma carta de despedida e um cachorro. A pequena criatura é incomum e sequer tem um nome definitivo, ele é simplesmente chamado de Doggo.
Agora, Dan tem a missão de devolver Doggo, e, ao mesmo tempo, encontrar um novo emprego. A primeira missão parece ser fácil, a segunda, nem tanto.
Com o passar dos dias, Dan começa a desfrutar da companhia de Doggo e não tem coragem de abandoná-lo.
De forma singela, mas significativa, a presença do pequeno cão ajuda àqueles que estão ao seu redor. Doggo acaba tornando-se muito mais que um amigo de quatro patas, transforma-se em uma verdadeira fonte de inspiração para o trabalho e para a vida de Dan.
Esperando Doggo não é só um livro sobre um cachorro. É um livro sobre o poder de uma verdadeira e sincera amizade.


O Grupo Editorial Novo Conceito oferece sempre os best-sellers mais aguardados e comentados do meio literário. Em anos de sucesso editorial, foram vários os autores e títulos reconhecidos na principais listas do PublishNews e Veja. O selo Novo Conceito foi desenvolvido para reunir essas grandes publicações, além das novidades e lançamentos internacionais que ainda virão.