Follow Us @soratemplates

03/04/2018

Resenha :: 3096 Dias - Natascha Kampusch


Natascha Kampusch era apenas uma criança de dez anos de idade, e assim como qualquer outra desejava um pouco de liberdade, um dia enquanto estava a caminho da escola sua vida mudou da água para o vinho, ela foi sequestrada.

Wolfgang Priklopil, um engenheiro de telecomunicações, manteve Natascha como prisioneira em um pequeno cativeiro construído no porão de sua casa. O quartinho, com cerca de 5m², foi o lar dela por cerca de oito anos até que – finalmente – alcançou sua tão sonhada liberdade.

“Ele me olhava como um dono observa orgulhosamente seu novo gato, ou pior: como uma criança olha para um brinquedo novo, antecipando e, ao mesmo tempo, incerta sobre tudo o que pode fazer com ele.”
                            
O caso foi amplamente divulgado pela mídia, além disso, também ficou marcado como um dos mais dramáticos da história criminal da Áustria. Natascha Kampusch tornou-se uma celebridade nacional e internacional, sua história rendeu documentários, um filme, diversas entrevistas e um posterior talk-show, além de sua autobiografia (3096 Dias) que foi publicada no Brasil em 2011 pela Editora Verus.

Em 3096 Dias, Natascha relata, desde sua tenra infância, seu relacionamento com os pais, familiares e colegas de escola, sua vida no bairro em que morava, seu relacionamento com a avó, seus desejos e inseguranças, neste início o tom da narrativa é um tanto quanto nostálgico e a autora exprime todo seu carinho por cada uma dessas lembranças e o quanto elas a marcaram.

Após o sequestro, o tom da narrativa torna-se mais profundo e melancólico, Natascha passa a relatar todos os horrores e privações que vivenciou durante seu período de cativeiro, analisando cada uma de suas atitudes e também de seu algoz, além de contar o que a ajudou a manter a sanidade mesmo quando estava a ponto de enlouquecer.

“Eu era tão dependente dele quanto os bebês são de seus pais – cada gesto de afeição, cada porção de alimento, a luz, o ar, minha sobrevivência física e mental, tudo dependida do homem que me trancara em um cativeiro no porão.”

Esta é uma leitura intensa e impactante, em diversos pontos chega a dar um nó na garganta, entretanto, a força de Natascha e o seu desejo pela liberdade (mesmo ela, por vezes, parecer um sonho inalcançável) nos motivam a ir até o fim. Confesso que ao finalizar a leitura fiquei alguns dias sem conseguir tocar em outro livro, mas creio que os bons livros tenham justamente esse efeito sobre nós!

“O rádio foi meu companheiro mais importante nesses anos. Ele me dava a certeza de que, além do martírio do porão, havia um mundo que continuava a girar – um mundo ao qual valia a pena voltar um dia.”

Natascha KampuschFoto retirada do site oficial da autora
(http://natascha-kampusch.at/presse/)


Espero que gostem da indicação e até a próxima!


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

3096 Dias
Natascha Kampusch
Ano: 2011
Páginas: 225
Editora: Verus
Sinopse (Skoob):
Natascha Kampusch sofreu o destino mais terrível que poderia ocorrer a uma criança: em 2 de março de 1998, aos 10 anos, foi sequestrada a caminho da escola. O sequestrador - o engenheiro de telecomunicações Wolfgang Priklopil, a manteve prisioneira em um cativeiro no porão durante 3.096 dias. Nesse período, ela foi submetida a todo tipo de abuso físico e psicológico e precisou encontrar forças dentro de si para não se entregar ao desespero.

14 comentários:

  1. Oiie. Caramba eu nunca tinha ouvido esta história, mas me lembrei do filme O Quarto de Jack.
    Esse tipo de livro me mostra como as pessoas podem ser cruéis com o outro. Eu gostaria de ler esse livro e espero um dia ter oportunidade.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jéssica, o livro está disponível no Kindle Unlimited da Amazon e o filme referente a ele está na Netflix caso tenha interesse. Aproveitei e anotei sua sugestão de filme e irei ver em breve, obrigada!

      Abraços!

      Excluir
  2. Olá Jéssica, tudo bem?
    Eu já havia escutado falar desse livro e cheguei até a ler algumas resenhas sobre ele, mas ainda não tive coragem de conhecer a história de perto. Pretendo compra-lo nos próximos meses e ir fazendo a leitura intercalada do mesmo.

    Beijos e abraços!
    http://vickyalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Viviane,
      É uma ótima opção intercalar a leitura dele com algo mais leve, principalmente se este não for um livro de sua zona de conforto. Caso você leia em e-book, ele está disponível no Kindle Unlimited da Amazon também!

      Abraços!

      Excluir
  3. Olá! Eu não conhecia esse livro, e não sei se teria cabeça para ler uma coisa tão pesada, embora pareça ter ali sempre uma pontinha de esperança. Não consigo sequer imaginar os horrores de ficar em cativeiro, precisando depender da única pessoa que você teme e detesta. Mesmo assim parece ser um livro muito bom

    Beijos

    Blog Conta-se um Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Raquel,

      Como o caso de Natascha Kampusch foi amplamente divulgado pela mídia já sabemos o final do livro antes mesmo de termos lido, mas é uma leitura válida, por nos mostrar o outro lado também. Tente dar uma chance, uma hora que você estiver desejando sair de sua zona de conforto em leituras, espero que goste da experiência.

      Abraços!

      Excluir
  4. Olá, eu assisti um filme bem parecido com o enredo desse livro, até pensei que era esse mas não é, esse com certeza irei procurar o filme, adoro histórias assim, se bem que os livros na maioria das vezes são mais interessantes que os filmes, bjus, obrigada pela indicação, vou procurar hoje mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pedagoga Literária,

      Eu gostei de ambos, filme e livro, embora tenha visto o filme primeiro. Ele está disponível na Netflix, espero que goste! Se conseguir lembrar do nome do filme que achou parecido, poderia me dizer? Vou querer assistir depois!

      Abraços!

      Excluir
  5. Olá, Jessica. Nossa, que história forte. Imagino o quanto foi difícil realizar essa leitura, e mal posso imaginar o tamanho do sofrimento de Natascha. Lembrei um pouco do livro Quarto, mas este é ficção. Quando você lê algo desse tipo ciente de que tudo foi real, a leitura fica muito mais densa e difícil. Não é o tipo de livro que leio com frequência, mas fiquei bem curiosa para conhecer a história. Ótima resenha e indicação.

    Beijos,
    http://abducaoliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gisele, tudo bom?

      Acabei anotando sua indicação de leitura, eu gosto desse tipo de história, apesar de sempre ficar de "ressaca" após concluir a leitura!
      Espero que goste da história de Natascha!

      Abraços!

      Excluir
  6. Nossa só de ler a resenha já embrulha o estômago, sério.
    Precisa estar no momento certo pra encarar essas leituras.
    Admiro a coragem da autora por conseguir colocar tudo isso em um livro e admiro muito mais por conseguir dar a volta por cima!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bom?

      A história de Natascha realmente é muito forte, mas ela nos faz ver as coisas de uma forma diferente, e acaba nos inspirando por sua força. Passei a admirá-la por tudo!

      Abraços!

      Excluir
  7. Realmente ela teve que ter muita força para manter a sanidade porque não consigo nem me imaginar numa situação assim, me dá fobia só de pensar. Mas parecer ser um livro incrível, gostarei muito de ler. Adorei a resenha e saber sua opinião <3

    Bjokas da Elo!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eloise, tudo bom?

      Fiquei muito feliz com seu comentário, espero que goste da leitura e que a história de Natascha te inspire pela força dela!

      Abraços!

      Excluir

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!