Mostrando postagens com marcador Autor(a) Parceiro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Autor(a) Parceiro. Mostrar todas as postagens

04 agosto, 2021

Resenha :: O Vizinho

04 agosto 0 Comentários



Darla começa nos contando sua história em um momento de uma profunda incerteza e medo do futuro, do que a aguarda. Afinal a pouca segurança que ela tem está na porta que separa o internato do mundo exterior. Porém a grama mais verde sempre é a do vizinho e, no caso de Darla, um certo rapaz lindo como o pecado e que mora em um casarão ao lado.

21 outubro, 2020

04 setembro, 2020

Resenha :: Refém dos seus Encantos (Irmãos Borella #3)

04 setembro 1 Comentários

Olá, pessoa!! Chegamos ao terceiro livro dessa série que me conquistou desde o início. Primeiro em Doce Paixão, depois com Laços & Abraços e agora o personagem que menos falou nos livros anteriores, mostra que era porque tinha muito a dizer. E já adianto que valeu muito ouvir as palavras de Elano e que não é preciso ler os livros anteriores antes desse. Cada história é independente. Mas contém leves spoilers das anteriores.

Porém, a história começa 10 anos antes, explicando o que não ficamos sabendo nos livros anteriores. O primeiro amor por uma menina tímida, que é a primeira a narrar os acontecimentos daquela época. E, com a vez de Elano narrar a história, ficamos sabendo que por trás da imagem de garoto popular e galanteador, se encontrava um jovem poeta, que escondia das pessoas sua paixão pelas palavras. Mas nem sua decisão de seguir os passos do irmão mais velho, o deixou imune a doçuras e dores de ter e perder o primeiro amor.

A minha, a dela, as nossas metades. Que estão destinadas a se perderem e nos encontrar.

Afinal, assim como Elano, ficamos sem entender o que houve, porque ela partiu e ele ficou para trás com muitas perguntas sem respostas e um vazio que, por mais que tentasse, não conseguia preencher. E seguiu à risca o lema de que senão é a mulher certa, divirta-se com as erradas. Até que chega o momento em que ambos precisam acertar as contas com o passado e lidar com a família que já era grande e agora está ainda maior. Não quero falar muito, mas Anna é o coração dessa história de tantas formas, que só lendo para entender.

E desse momento em diante, a Danda transforma o que seria um delicioso clichê em uma história simplesmente incrível e que merece ser lida, relida e elogiada. Porque, para mim, fazer beleza de tragédia é até fácil, mas emocionar destilando amor e aceitação é talento puro e destilado. Porque temos dois personagens maduros, honestos um para com o outro, mesmo quando é difícil de lidar, fazia muito tempo que eu não tinha lido algo que me faz tão bem. Os diálogos são muito fieis aos personagens e com o linguajar perfeito para a história e que sem o atropelo dos Borellas entre o italiano e o português não seria a mesma coisa.

Pois a vida me trouxe o meu amor maior. Aquele que não sabia da existência, mas que hoje a ausência partiria de forma irreversível meu coração.

Outra delícia nessas histórias é saber um pouco mais dos casais anteriores e ter a presença dos pais desse trio, Giovanna e Luigi Borella. Amo que o crescimento de cada personagem vem de forma muito clara nessa história, mas nenhum deles deixou o que tanto me conquistou nas outras histórias. E, claro, a boa e velha implicância entre irmãos e agora cunhados.

Eu amei a forma como tudo foi acontecendo e as situações sendo resolvidas, o cuidado que a autora teve para que cada personagem tivesse um final redondinho nessa história, mesmo sendo má e deixando um gancho no final, que é para deixar qualquer leitor desesperado para saber o que acontece. Cheguei ao final chorando, mas aquelas lágrimas boas, de coração quentinho em especial em um momento como esse. Termino aqui dizendo: LEIA e apaixone-se por essa família maravilhosa e por esse livro lindo!

Boa leitura!!

Elis


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Refém dos seus Encantos
Trilogia Irmãos Borella #3
Ano: 2020
Páginas: 307
Editora: Independente
Sinopse:
"O poeta é fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente"

Se Fernando Pessoa conhecesse Elano e Karen poderíamos dizer que escreveu esses versos para eles.
A garota tímida, que fingia indiferença ao ser notada pelo garoto popular, mal poderia desconfiar que por trás da imagem de galanteador se encontrava um jovem poeta, que escondia das pessoas sua paixão pelas palavras.
Sendo o irmão do meio dos Borellas, Elano achava que deveria seguir os passos do irmão mais velho, mesmo que se sentisse deslocado no processo, entretanto se viu perdidamente apaixonado entre os olhares e flertes que os colocaram em um caminho sem volta.
Eles só não contavam com a interferência implacável do destino que colocaria um hiato de longos anos entre ambos.
Ela partiu e precisou crescer em meio a perdas e decisões difíceis. Ele ficou para trás com muitas perguntas sem respostas e um vazio que por mais que tentasse não conseguia preencher.
Será que depois de tanto tempo longe eles ainda conseguirão achar no outro o mesmo amor e encanto do passado? Ou os anos longe e tudo que aconteceu se transformaram em uma barreira intransponível?

12 abril, 2020

Resenha :: Lady Audácia (Damas de Aço #1)

12 abril 2 Comentários

Olá, quero falar da leitura de Lady Audácia. E desde agora digo, LEIA se você ama uma história bem escrita, um excelente romance, um cenário maravilhoso e um pano de fundo com a nuance das melhores histórias.

Mas vamos à história. Por se passar na Alemanha a história nos tira do eixo Inglaterra-França, trazendo um frescor ao romance de época que nós lemos. Outra coisa é começar com o período onde a indústria e seus industriais começam a ter força econômica frente ao poder dos títulos de nobreza.

Por nosso nobre, o Duque de Württemberg, ser um soldado em dispensa por acidente em campo de batalha, começamos e ver as sutis diferenças com a nobreza inglesa que não manda seus nobres a campos de batalha. Porém, além disso, somos surpreendidas por qual ferimento quase mortal deu a Dietrich a baixa honrosa. Nenhuma sociedade de época se furtaria ao prazer de fofocar sobre onde ele foi alvejado. Justo em seu orgulho e sua masculinidade.

— Mulheres em grupos disputam espaço com os castigos do inferno.

Mas alvejado ou não em suas partes, ele precisa cumprir com o primeiro dever do ducado que é gerar herdeiros, mas em situação delicada sobre sua masculinidade e totalmente avesso ao casamento, vê em Emma Thiessen, filha do meio do maior industrial do aço, uma jovem de aparência frágil, a chance de se livrar da mão de ferro da mãe.

O que certamente ele não esperava era que, por trás da saúde frágil, esconde-se uma moça inteligente e determinada a fazer algo relevante da vida. E, durante uma dança, a batalha travada com palavras os levaria a perder bem mais que a compostura, perder as barreiras que protegiam seus corações.

Sua delicadeza e personalidade de um cacto lhe eram simplesmente irresistíveis.

Assim o convite à leitura vem irresistível e já nos primeiros capítulos é impossível largar essa história que, além de bem contada, traz cenas idílicas de um lugar que pouco visitamos na leitura, personagens com a mente e as palavras afiadas e com tiradas inteligentes que te conquistam de forma irrevogável. O humor não é um traço germânico, mas quando surge é como o sol após um dia de nuvens negras, simplesmente é impossível não se maravilhar.

Outra coisa que observei foi o uso das expressões em alemão, que vem, de forma inteligente e bem colocada, acrescentando a trama sem cair, em momento nenhum, no tom novelesco de quem joga a palavra apenas para lembrar onde se passa a história. Ao contrário, é de uma riqueza que faz o cenário dos castelos, campos e casas serem vividos na memória e te fazem rir tentando ler aquelas palavras sem enrolar a língua. Acho que a magia se faz por serem como “mein Lieber”, mesmo sem saber a tradução você sente que é um elogio, mesmo antes de buscar no Google Tradutor e descobrir que significa: minha querida. É o não precisar de tradução que acrescenta tanto a fala, a palavra “canta” a emoção com que foi dita.

— Meu coração pertence agora a você, Häschen.

Um dos pontos altos para mim foi Dietrich não ter se redimido das libertinagens em um passe de mágica, que sua desconstrução enquanto um nobre indolente foi sendo feita aos poucos, a parte de que ele não se exime ou tenta amenizar seus erros com mentiras. Amei a honestidade cheia de remorso, mas cheia de honestidade da parte dele. Emma também se mostra fiel a si mesma, mesmo quando ela precisa aprender que seus sonhos não eram exatamente pelo motivo que ela afirmava. Ambos crescem durante a trama, mas sem perder as suas próprias características.

Outro ponto delicioso na trama são os personagens secundários que começam a gravar em sua mente e coração as próprias histórias que serão contadas nos dois próximos livros. Ah! Não tem como não saber que nenhum personagem está ali por acaso, o que te faz pensar: preciso do próximo livro no meu Kindle para ontem e os físicos na minha estante para logo! Porque o final canta ao coração e faz você se sentir em plenitude mesmo em ansiedade pela próxima história.

Do alto de nossa soberba, não vimos que estamos atrapalhando o caminho, mein Lieber. Ou aprendemos a rolar, ou o progresso passará sobre nós.

Como sou fã da autora, amei a primeira escrita dela nesse gênero, porque dá para ver em cada página que o DNA dela está impresso e, como nas histórias anteriores, mantém personagens com diálogos surpreendentes e cheios de inteligência, humor e um toque de sabedoria em nos mostrar que algumas lutas existem desde que o mundo é mundo e quem veio antes de nós deve ter seu legado honrado com a continuidade dessas lutas até que haja a comemoração pela vitória derradeira.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Lady Audácia
Damas de Aço #1
Ano: 2020
Páginas: 353
Editora: Independente
Sinopse:
Reino de Württemberg, 1871 — Tudo que o duque de Württemberg faz desde que foi constrangedoramente alvejado na guerra é embebedar-se e fugir das demandas da mãe, que quer vê-lo casado e produzindo herdeiros. Mas se tem algo que Dietrich teme mais do que tiros, são as mulheres. Cruéis, elas conseguem ser piores que suas lembranças das balas ricocheteando sobre a cabeça. Ele prefere as trincheiras aos bailes, onde seu acidente - e fracassos justamente naquela área - rendem mexericos infinitos.
Emma Thiessen, filha do meio do maior industrial do aço, foi criada em uma redoma, como uma flor vulnerável. Mas por trás da saúde frágil esconde-se uma moça inteligente e determinada a fazer algo relevante da vida. Assim que a rigorosa governanta dos Thiessen se ausenta, ela espalha seus mapas pela sala e estuda maneiras de unir-se à aclamada expedição do maior naturalista do reino rumo à África. Ela se recusa a ser uma inválida.
Quando o destino a coloca frente a frente com o mais irritante, indecente e mal falado dos homens, o Duque de Württemberg, ela o repele. Obrigada a dançar com ele, convence-se que só precisa tolerá-lo por uma dança e nada mais. Mas uma dança seria tempo suficiente para se apaixonarem? A resposta seria não, se não fosse por um detalhe: a inexplicável e incompreensível reação do duque à sua audácia...


Para comprar:

E-book

04 janeiro, 2020

Resenha :: O Farol e a Tempestade

04 janeiro 0 Comentários

O livro começa te levando para um farol, numa ilha habitada apenas por Sam Jones e seu gato, em meio a uma tempestade e a um enorme sentimento de desesperança e dor que permeia o coração do Sam. Logo depois você é levado para um avião de pequeno porte, onde o piloto tenta sair do meio da tempestade, porém a mesma é muito forte e o avião cai.

Anne Sutherland é uma famosa fotógrafa de Nova York e é a única sobrevivente deste acidente aéreo, graças a Sam que enfrenta a tempestade e resgata-a. A partir deste momento, a história dos dois nunca mais será a mesma, pois, como o autor disse, eles precisarão decidir o que fazer com a segunda chance que estão recebendo.


Após Sam resgatar a Anne, ele vê este fato como uma resposta de Deus a seu questionamento: será a sua segunda chance? Tudo indica que sim, depois de tanta dor. O problema é que ele descobre quem é a mulher resgatada através do celular dela e fica se perguntando se isto é obra do destino, pois, para complicar mais as coisas, a Anne teve perda da memória devido a pancada na cabeça, porém, mesmo tendo que recuperar sua memória aos poucos, ela percebe que recebeu uma segunda chance e sente uma paz em seu coração como há muito tempo ela não sentia.

Para dar o tom da história, os dois ficam isolados na ilha, pois o único meio de comunicação que o Sam tem com o mundo fora da ilha é um rádio transmissor, que sofre um curto circuito durante a tempestade. Os dois então dão início a um descobrimento da vida de um do outro e o amor brota no coração dos dois como um renovo. Mas será que haverá futuro?? Afinal, a Anne precisa retornar para Nova York e eles têm muitas barreiras emocionais a superar.

— Veja como o farol emite luz para o oceano — e aponta para a torre de pedra, que ganha maior luminosidade em seus fachos de luz com o advir da noite. — Serei sempre o seu farol, mesmo nas noites mais serenas ou nos dias mais tempestivos.


Tudo o que Sam deseja é viver o presente que está sendo tão maravilhoso, como ele nunca poderia esperar, já a Anne quer ir além, mas não sabe como, afinal ela não se lembra de seu passado e isso dá toda uma incerteza para o seu futuro.

Amei o ambiente que o autor escolheu como base do enredo da história, também a forma como ele já deu início ao livro, com aquela dose certa de drama e suspense que te prende na narrativa e faz com que você não queira largar o livro e te deixa torcendo pelos personagens. Também gostei muito do desenrolar da história. Há muitas emoções ainda por vir, que te deixarão com aquele desespero maravilhoso de querer chegar logo ao final. Tudo sem exageros, mas com muitas ligações, que te deixam com aquela sensação de “UAU, meu coração não vai aguentar”.

— Se o mundo lhe der trevas, seja farol — discursa Sam.


Tenho certeza que o autor teve um enorme desafio para escrever este livro e por isso ele ficou tão especial, afinal, para algo que você faça realmente valer a pena, é necessário esforço e que seja feito com o coração. Eu amei esta história, pela excelente forma em que ela foi narrada e também pela maneira que a dor e o amor foram trabalhados na vida dos personagens. Preciso dizer, o final foi maravilhoso, o autor conseguiu suprir as minhas expectativas adquiridas no início da leitura. 

Dou nota 5/5 com prazer. É mais um autor nacional que eu indico e me sinto feliz por conhecê-lo, também sinto um orgulho enorme por saber que minha querida irmã @efinco foi beta do autor.

#EUQUEROSERFAROL

Boa leitura
Carol Finco


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

O Farol e a Tempestade
E se a vida lhe desse uma segunda chance?
Ano: 2019
Páginas: 304
Editora: Novo Conceito
Sinopse:
Samuel Jones é um autor best-seller que vive recluso em uma remota ilha do Atlântico Norte desde que perdeu a família em um acidente de carro. A partir desse terrível advento, viver passou a ser um martírio, um sacrifício diário. O exílio de Sam, entretanto, ganhará um viés ainda mais dramático quando uma bola de fogo riscar os céus diante de seus olhos no meio de uma tempestade.
Em uma obra do acaso, a fotógrafa nova-iorquina Anne Crawford sobrevive ao desastre aéreo e é salva justamente pelo escritor, quebrando a partir daí a solidão da Ilha Farethon e de seu farol secular. Duas almas marcadas por tragédias. Dois corações despedaçados pela vida. Para Sam e Anne há muito mais em jogo do que fé e paixão, perdão e esperanças. Marcados pela ausência de um passado e a impossibilidade de um futuro, resta-lhes viver o presente em sua mais profunda intensidade. “O Farol e a Tempestade” é mais do que uma improvável história de amor. O romance dramático mostra o quanto somos minúsculos diante as forças do universo e de como a vida é uma surpreendente montanha-russa que nos leva do inferno ao céu em um ato único. O que você faria se a vida lhe desse uma segunda chance?

Para comprar:


O Grupo Editorial Novo Conceito oferece sempre os best-sellers mais aguardados e comentados do meio literário. Em anos de sucesso editorial, foram vários os autores e títulos reconhecidos na principais listas do PublishNews e Veja. O selo Novo Conceito foi desenvolvido para reunir essas grandes publicações, além das novidades e lançamentos internacionais que ainda virão.


 _____Sobre o Autor_____

Romulo Felippe



Romulo Felippe começou a lapidar os primeiros textos  crônicas e versos  aos 9 anos. Aos 12 anos já publicava os seus escritos em jornais locais, iniciando sua paixão pelo jornalismo impresso. Lá se vão três décadas de dedicação às redações, com coberturas realizadas em mais de 20 países e passagens por diversos veículos de comunicação. Além de O Farol e a tempestade, é autor de Monge Guerreiro, também publicado na Europa, e Reino dos morcegos. Romulo mora na ilha de Vitória com a mulher, a empresária Svetlana Bertollo Felippe, é pai de Felippe, Giuseppe e Gianluca, e agraciado com os enteados Ana Paula e Henrique. É colecionador de espadas medievais (e miniaturas de faróis marítimos...), amante da prática de stand up paddle e um apaixonado por livros impressos.