Follow Us @soratemplates

16/07/2019

Resenha :: O Início da Esperança


A história continua — As Crônicas de Fedors #2


Oi, leitor(a) do Clube, a história de hoje, O Início da Esperança , faz parte da saga: As Crônicas de Fedors, que é quem narra a história em terceira pessoa. É importante saber que não tem como falar desse livro sem falar do anterior (que você pode conferir a resenha, clicando aqui), já que a história deste começa no exato momento onde o anterior termina.


O livro anterior tem sua história em torno da criação de Fedores e da importância do Reino do Norte, que se tornou o mais importante dos reinos. E termina com a queda do reino conquistado pelo filho maldito.

Uma das questões que ficaram em aberto era sobre o viajante misterioso, a qual Fedors narra sua história e a revelação sobre a origem de Salazar, o que não só traz uma enorme surpresa como promete várias reviravoltas na trama e também abre um novo leque de possibilidades. Porém isso será em um futuro. No momento é importante entender que tudo que foi narrado anteriormente foi de imensa importância para entender a história de uma forma coerente. Com o tempo ela só vai ascendendo e a riqueza dos detalhes te deixa entretido de uma forma muito boa.

— Filho, aprenda uma coisa: a beleza das coisas existe apenas no espirito de quem as contempla, faltou-lhe interesse.


Após o conflito na família Destrus, o jovem príncipe Andor foi levado por um semideus, que é desconhecido até agora por todos, mas uma figura essencial na história de Esteros, pois é um dos salvadores deste mundo. O rei Mustafary acabou morto e Andor, ainda que quase morto, foi levado por um homem de nome Morteros. Zinza, depois de enfeitiçada, desapareceu e Destructor, no prelúdio do seu reinado, ordenou a morte de todos os seus inimigos, enquanto Vamcast segue traçando estratégias de guerras tentando vir a se tornar o único imperador do mundo. Mas esses são acontecimentos passados agora. Fedors agora nos revela o que sucedeu a esses acontecimentos em uma deliciosa narrativa em terceira pessoa. E deste momento em diante os diversos pontos do reino ganham mais e mais valor já que o ponto onde antes era o centro do Poder Benigno, agora está nas mãos do mal que conspira e planeja com os reinos do Leste, Oeste e Sul.

Aquele rei também conhecia a profecia do mal que cairia sobre Esteros. Lótus era diferente de Mussafar, que tentava evitar a verdade. Ele já tinha aceitado, agora a única coisa a fazer era lutar contra este mal.

Além das repercussões da queda do Norte e o Leste se preparando para o que há de vir, porém, mesmo a maior parte da trama se passar no Leste, todos os reinos são tratados nessa história. As narrativas dos cenários nos colocam dentro da história de uma forma vasta e rica, além de ajudar a entender algumas das mitologias e destinos de seres mitológicos de forma mais completa e deslumbrante. Visto que os personagens que salvam o príncipe Andor Destrus, foram salvos por Morteros que, além de revelar sua própria identidade, acaba por nos explicar porque ele mesmo não pode destruir Vamcast e que a esperança reside no herdeiro do trono.


A história ganha uma narrativa em um ritmo mais forte e na medida para prender quem ler na história. Porque entendemos os motivos que levaram Morteros a levar Andor a Miguel, e como Zoram, uma de suas filhas, tem um papel importante na recuperação de Andor. Após seu restabelecimento físico e mental, é hora de entender e escolher aceitar ou não seu destino. E começar uma nova fase de seu treinamento com Morteros e Miguel, que revelam ao próprio Andor e ao leitor talentos e capacidades que, com certeza, serão necessários e requisitados na luta contra as forças do mal.

Preciso dizer que se antes víamos Vamcast como o mais poderoso dos irmãos, vemos Andor, ao aceitar seu destino e sua missão, ser revestido de seu direito real e começar a entender o que herdou com seu sangue além do título e da responsabilidade. Afinal o que antes era um treinamento para seus deveres de futuro rei, agora é para uma guerra real e em andamento.

Nada descreve melhor o caráter dos homens do que aquilo que acreditam.


Novos e antigos personagens vão ganhando destaque e importância à medida que a história vai sendo narrada por Fedors. A volta de Angel traz revelações importantes sobre a resistência no Norte e os fatos criados com a ausência do Príncipe. Um pequeno foco de esperança na força rebelde comandada por Angel, nos soldados treinados por Panderios e no Pacto que é formado. Conquistar os 4 reinos não será tão fácil quanto Vamcast pensou.

O fato de Fedors além de narrador se tornar parte da narrativa, deixa não apenas Salazar animado, mas também o leitor, que desde o livro anterior anseia por saber mais sobre ele. Alheio a tudo isso, o refinamento do treinamento de Andor, além de armas de fogo, no uso da magia que vem dos elementos, das forças que movem a natureza e com ela a bondade. Sem falar, na arma que ele irá buscar por se tratar de uma arma extremamente poderosa do submundo que tem a promessa de ser capaz de derrotar Vamcast. 


Quero terminar falando sobre um triângulo amoroso entre Andor, Zoram e Angel, que adiciona alguns sentimentos que movimentam a trama fora da tensão da guerra; e que temos mais algumas respostas deixadas pelo livro anterior, como o destino do anão que roubou a pedra espiritual no primeiro livro, e mais uma pedra espiritual que terá papel importante em como Andor consegue a espada que segura na capa. O que é maravilhoso porque abre espaço para os novos mistérios trazidos por esse livro. O final do livro nos deixa em tensão com os acontecimentos e conquistas de ambos os lados e a dúvida que paira sobre a escolha de Fedors nessa batalha familiar no mundo de Esteros. 

Espero ter conseguido escrever a respeito dessa leitura sem spoilers, por ser um livro rico em detalhes, com muitas cenas de ação, muitas guerras e lutas, disputa por magia e poder, e um romance que coloca a adrenalina às alturas de quem lê essa emocionante aventura.


Sobre a edição, preciso dizer que a encadernação é maravilhosa, a impressão e o papel são perfeitos e a fonte e diagramação excelentes para leitura. O livro está todo com uma capa muito bonita e que é perfeita por ter a ver com a história (precisa ler pra entender), com ilustrações lindíssimas entre os capítulos assim como no livro anterior, que peca em nos deixar ansiosos pelo próximo livro ainda não lançado. 


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

O Início da Esperança
As Crônicas de Fedors — Livro 2
Os Livros de Esteros #2
Ano: 2016
Páginas: 282
Editora: Selo Jovem
Sinopse:
Depois do desastre ocorrido na família Destrus, Andor foi salvo por Morteros, um semideus encarregado de auxiliá-lo na luta pela liberdade do seu mundo. A batalha pela liberdade dos homens vai começar.
“O joio jamais poderá misturar-se ao trigo”.
Formando um grupo de soldados, a esperança dos homens ressurge novamente. Andor estará preparado para lutar contra a tirania do próprio irmão?
"Será preciso muita audácia para enfrentar os nossos inimigos, porém muita coragem para defendermos os nossos amigos."


A editora Selo Jovem é uma empresa independente, que atua no mercado do livro desde 2013. É uma editora com base sólida e confiável, pois o objetivo da Selo Jovem é publicar obras com 100% de qualidade literária, sem pressa e trabalhando duro na revisão dos textos; sem jamais desistir, para ganhar experiência e amadurecer a cada dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!