Follow Us @soratemplates

26/12/2017

Resenha :: Morte na Mesopotâmia


Agatha Christie ganhou o título de Rainha do Crime e não foi a toa, ela mereceu! Com cerca de oitenta livros publicados e traduzidos para mais de cem idiomas em todo o mundo, ela é uma das romancistas mais bem sucedidas da história da literatura popular mundial, além disso, suas obras já foram adaptadas para cinema e televisão.

“Morte na Mesopotâmia” é narrado por Amy Letheran a pedido do Dr. Reilly, embora ela mesma acredite não ter talento para escrever e declarar que só está fazendo por ter sido um pedido do doutor, portanto apresenta características um pouco diferentes do estilo da autora, o que foi uma sacada sensacional!

Amy Letheran é contratada para tomar conta da esposa do líder de um grupo de escavação, o famoso arqueólogo Eric Leidner. Louise Leidner é uma senhora dona de uma beleza arrebatadora e que guarda um segredo do seu passado, segredo esse que passa a atormentá-la nos últimos tempos e começa a fazer com que ela tenha crises de pavor. Seu comportamento paranóico começa a afetar os membros da escavação, provocando um clima de tensão entre eles, portanto, a vinda de Amy Letheran serviria para apaziguar as coisas.

Entretanto, em um determinado momento da trama, o assassinato de Louise Leidner ocorre e dá-se início a uma investigação minuciosa para desvendar o autor do crime. Por sorte, o detetive belga Hercule Poirot estava de passagem pela região e foi convidado a elucidar esse mistério. Bem conveniente, não?

“Ao vê-lo, dava vontade de rir! Dir-se-ia que tivesse saído de um palco ou de um filme. Para começar, não tinha mais de um metro e meio de altura na minha opinião – um homenzinho gordo, esquisito, bastante velho, com um bigode enorme e cabeça oval. O protótipo do cabeleireiro das peças cômicas!”

Como é de se esperar em um livro de romance policial, todos os empregados e integrantes da equipe de escavação (incluindo a enfermeira Amy Letheran) são suspeitos de terem cometido o crime. A forma como os personagens foram apresentados é magnífica, tem uma riqueza de detalhes impressionante, os motivos pelos quais cada um deles poderia ter sido o autor do crime também são mostrados, assim como a mudança de comportamento de cada um, o que nos faz ficar pensando constantemente em quem de fato cometeu o assassinato, não irei me alongar demais neste ponto, a intenção é que cada leitor tire suas próprias conclusões e se divirta a cada página, não é mesmo?

“Na Inglaterra, antes das corridas, há um desfile de cavalos, não é? Eles passam em frente ao palanque oficial para que todos tenham a oportunidade de vê-los e avaliá-los. Foi esse o propósito da minha pequena assembléia. Para usar uma frase esportiva, passei os olhos pelos possíveis competidores.”

Em suma, a obra tem um cenário interessante, personagens bem construídos e um método de elucidação do crime para lá de engenhoso, além de tudo, uma personagem imparcial ter sido a narradora do caso foi uma sacada genial em minha opinião. Gostei muito da leitura deste livro e pretendo ler outros da autora em breve.

A edição que li é a da Nova Fronteira, publicada em 2014, possui capa dura, as páginas são amareladas e finas (mas não são transparentes), a fonte possuí um tamanho confortável para a leitura prolongada (o que tem grandes chances de acontecer).

“Eu brinco, Madeimoselle, e acho graça. Certas coisas, porém, não tem nada de engraçado. Já aprendi muitas coisas em minha profissão. E uma delas, a mais terrível, é esta: o crime é um hábito...”


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Morte na Mesopotâmia
Um Caso de Hercule Poirot
Ano: 2014
Páginas: 240
Editora: Nova Fronteira
Sinopse (Skoob):
A enfermeira Amy Leatheran é contratada para se juntar a uma expedição arqueológica no Iraque. Mas sua função ali tem bem pouco a ver com ruínas e artefatos: ela deve vigiar de perto a bela Louise Leidner, que está cada vez mais apavorada com a ideia de que talvez seu ex-marido não esteja tão morto quanto acreditava.
Louise pode estar imaginando coisas. Mas o fato é que, uma semana após a chegada da enfermeira, a mulher é encontrada morta no próprio quarto, e agora cabe a Hercule Poirot identificar o assassino. Quem terá sido? Tudo indica que o culpado está entre os membros da equipe de cientistas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!