Mostrando postagens com marcador Chirlei Wandekoken. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Chirlei Wandekoken. Mostrar todas as postagens

13 junho, 2020

Resenha :: Fronteira da Paz e Os Condes de Alnwick Castle

13 junho 0 Comentários

Olá, quero deixar aqui minhas impressões sobre o livro que marca o fim da série O quarteto do norte. Espero que assim como eu, você esteja já sentindo saudades desses personagens marcantes e encantadores.


 Primeira História: Fronteira da Paz (O Quarteto do Norte #4)

Em Fronteira da Paz vamos conhecer a história de Lady Leanah, que sempre fora uma boa moça. Dessas que fazem tudo o que se espera de uma dama inglesa, mantivera-se pura, à espera de seu príncipe, o cavalheiro que ela sempre amou, o lorde Robert Percy, irmão mais moço do conde de Northumberland. 

Porém quando acreditava que finalmente, já com 23 anos (quase solteirona), iria realizar seu sonho e se casar por amor, ele se casa às pressas com sua antiga prometida, uma prima por parte de mãe, e a abandona. Decidida a se vingar, lady Leanah se aproxima de Elizabeth Douglas, uma cortesã regenerada, e implora que a ensine a deixar todos os homens aos seus pés.


Enquanto vamos conhecendo as desilusões de Lady Leanah, também vamos entender o que aconteceu para que lorde Percy a abandone-se e acabasse por se casar com Charlotte Mortimer, que ao se ver obrigada a esse casamento, foge logo após o casamento.

Acompanhamos assim sua saga de fuga e todos os perigos que a acompanham até seu embarque em um navio com destino à América do Sul, com um nome falso. Mas seus infortúnios ainda não tinham acabado, ela sofre um naufrágio e é resgatada por um desconhecido. Após perder a memória, e sem se recordar de quem era, ela se apaixona pelo capitão do navio, um homem enigmático, com aparência celta, que a toma como mulher.

Já entendeu que temos duas histórias entrelaçadas acontecendo em paralelo? Isso deixa o livro com um ritmo intenso e delicioso de leitura. Afinal, Robert Percy ficou para trás sem esposa e sem o grande amor de sua vida. Lady Leanah, consumida pelo desejo de vingança, não dá tempo ou atenção às explicações e se prepara para ter todos aos seus pés. Enquanto isso, acompanhamos o velho (só na alcunha) Lontra do Mar, apaixonado por sua tripulante misteriosa e com um sério dilema moral. Afinal serão o amor e desejo maiores que a honra?


Eu particularmente amo esse livro e a forma com as histórias acontecem, a presença do quarteto deixa tudo ainda melhor e as surpresas com novos cenários trazem, ao mesmo tempo, um frescor para a série, como também aumentam o desejo de que ela não termine.


 Segunda história: Os Condes de Alnwick Castle

As histórias de amor de lorde Howard e Mhairi da Escócia e de Henry Percy e Izabele Douglas, mencionadas em A Estrangeira (clique aqui, para ler a resenha) são contadas com detalhes aqui para você. As histórias precedem o primeiro livro e nessa edição contam com contos extras e algumas surpresas.


Vamos conhecer como Lorde Howard se apaixonou por Mhairi da Escócia, desde o dia em que a vira amarrada em cima de um cavalo e sendo puxada pelo aristocrata Evans. Ao se deparar com tal situação, imediatamente ordenou que fosse solta e levada para Alnwick Castle, dando-lhe a chance de retornar à sua família. Contudo, ele não imaginava que Mhairi era filha de uma prostituta e também já se encontrava apaixonada pelo seu herói.

As histórias de amor, ódio e luta pelo poder, lindamente narradas nessa história, vão te levar a entender um pouco mais das lendas e maldições, que regem as famílias Northumberland e Douglas, e conhecer uma história de amor que nem mesmo a morte é capaz de apagar.

A segunda história tem um salto de 442 anos no tempo. 

A história se repete. Vamos ler a história de duas irmãs lutando com suas armas pelo amor de um mesmo homem, o oitavo conde de Northumberland, lorde Henry Percy, que se vê em um triângulo amoroso com as irmãs Douglas, Izabele e Elizabeth. 

Porém, seu tio o trai para que ele se casa conforme os interesses da família e arma o obrigando a se casar com Margaret Naville. Mas não é um casamento que destrói um amor, e seu coração continua sendo de Izabele Douglas, porém a maldição paira sobre eles, porque ela é uma Douglas e pertencente a ancestral família escocesa inimiga dos ingleses Northumberland.

Eu gosto muito desses contos, porque eles resolvem algumas questões do início de A Estrangeira, tornando o primeiro livro ainda melhor! Eles entraram nessa edição porque foram escritos após a publicação do primeiro livro a pedido dos fãs, que a autora atendeu.


Nota ::  4,5


Informações Técnicas do livro

Fronteira da Paz
Um Livro, dois Romances: Fronteira da Paz e Os Condes de Alnwick Castle (+ Extras)
O Quarteto do Norte #4
Ano: 2018
Páginas: 266
Editora: Pedrazul
Sinopse:
Lady Leanah sempre fora uma boa moça. Fazia tudo o que se esperava de uma dama, mantivera-se pura, à espera de seu príncipe, o cavalheiro que ela sempre amara: lorde Robert Percy, o irmão mais moço do conde de Northumberland. Quando, finalmente, já com 23 anos, iria realizar seu sonho e se casar por amor, ele se casa às pressas com sua antiga prometida, uma prima por parte de mãe, e a abandona. Decidida a se vingar, lady Leanah se aproxima de Elizabeth Douglas, uma cortesã regenerada, e implora que a ensine a deixar todos os homens aos seus pés.
Obrigada a se casar com um primo, Charlotte Mortimer foge logo após o casamento. Seu próprio pai, por causa de dinheiro, conspirara para que o casamento acontecesse. Embarcada em um navio com destino à América do Sul, com um nome falso, ela sofre um naufrágio fraudulento e é resgatada por um desconhecido. Sem se recordar quem era, ela se apaixona pelo capitão do navio, um homem enigmático, com aparência celta, que a toma como mulher.
Um histórico romance sobre a vida das cortesãs inglesas e o império britânico e seus laços pelo mundo.

UM LIVRO COM DOIS ROMANCES. ANEXO:
Os Condes de Alnwick Castle
Capítulos extras de A Estrangeira.


Para comprar:

Livro Físico
E-book


Pedrazul Editora atualmente é a editora que mais se dedica à tradução e à publicação de obras mundialmente consagradas, algumas ainda desconhecidas no mercado editorial brasileiro, como os autores que influenciaram o estilo da mais famosa escritora inglesa de todos os tempos, Jane Austen. Também atua no segmento romance histórico e de época escritos por autores contemporâneos.


Conheça mais sobre a Pedrazul Editora

em seu site e redes sociais:

Site │ Instagram │ Facebook │ Twitter


27 maio, 2019

Resenha :: Um Cocheiro em Paris e Comprada por um Lorde

27 maio 0 Comentários

 Primeira História: Um Cocheiro em Paris (O Quarteto do Norte #3)

Belvoir é um Duque, marcado pelo passado de seus pais e suas próprias “aventuras”, tachado de “lorde bastardo”deixou a Inglaterra indo morar em Paris para deixar os comentários nada discretos sobre os erros de sua mãe — uma cortesã francesa casada com  um poderoso duque inglês. Mas o que antes eram boatos velados, tornaram-se públicos e vexatórios com a morte de seus pais.

Mas Oliver Ashlie Stanhope, o duque de Belvoir, era filho daquela que fora considerada a mais bela do mundo em seu tempo, e o duque, seu pai, também fora um homem de excepcional beleza. Portanto, sua aparência era impactante.


Porém, ele conquista mais com suas “trapalhadas”, como ter que  sair às pressas da casa de Juliette Drouet, a amante de Victor Hugo, para não ser pego em flagrante pelo próprio escritor, e sua única alternativa é a de dirigir a própria carruagem pelas vielas de Paris. Ou sua beleza aliada a seu porte de homem com quase 2 metros de altura, mas por sua bondade demonstrada ao socorrer uma dama que acabara de chegar à cidade. E para seu ato de benfeitoria passar em anonimato, tratou de dizer que era um humilde cocheiro.

A despeito de dormir com as amantes de outros homens, ele era honrado.

Claro que nada sairia como ele esperava, afinal a dama socorrida era Harriet Neville, que se apaixonara de verdade por ele, mesmo achando que fosse um humilde cocheiro. Colocando Oliver Belvoir num dilema moral contra os desejos de seu corpo, afinal Lady Neville era noiva de seu amigo. Beirando a infantilidade, ele bola um plano para por em prática seu plano de ficar próximo a Lady que tomava seus pensamentos, mesmo lutando contra sua consciência em relação ao amigo.

E assim, ele foi se tornando meu personagem favorito, com seu jeito de menino e atitudes de homem. Ao ter aprendido muito cedo que a beleza física pode ser uma maldição e uma máscara para encobrir as piores coisas, se prometeu aprender a olhar além das aparências e principalmente da beleza que esconde o que há de pior dentro das pessoas.

— Ela merece ser feliz. Sempre foi tão desprezada aqui em Londres e ela tem uma beleza tão dela... — Beleza? — Arthur Pearl disse. — Sim, Pearl. Belvoir a enxergou.


Harriet Neville tinha plena consciência da ausência de beleza e atrativos físicos de sua pessoa, afinal seu primo e pretendente havia de forma não intencional deixando isso muito claro. E consciente disso, abriu seu coração a viver o amor independente do que rege a sociedade para uma mulher em sua posição. Ao ser resgatada por um cocheiro, após o acidente que envolveu a carruagem do hotel onde estava hospedada com a tia, teve certeza que mais valia ser amada por um homem humilde, que ser casada por um homem que a desprezava como mulher e já corria por toda a Londres que estava apaixonado por uma estrangeira. 

E assim, essa história vai contar que o que importa não é como a pessoa é fisicamente, o amor vai encontrar seu caminho para curar dois corações e mostrar que a beleza é aquela que a felicidade cria. E que mesmo o passado cobrando os pecados nos tempos presentes, o perdão e o amor são a cura e o pagamento a qualquer pecado.



 Segunda história: Comprada por um Lorde

Na edição impressa temos essa segunda história, que está ligada a história de Quando os céus conspiram no livro anterior. 

O que fazer quando uma decisão impulsiva te coloca em uma situação delicada e complicada? Afinal o conde de Ponthieu não necessariamente pensou no que faria, apenas se concentrou em evitar que Meg Hayes fosse vendida pelo próprio pai para uma casa de prostituição, evitando assim que ela tivesse o mesmo destino de sua irmã mais velha; então ao compra-la de seu pai, não pensou no que faria com ela. E nem o que essa atitude causaria em sua reputação de Lorde Inglês.

... vivia um dia após o outro tirando dele tudo que ele pudesse oferecer. Não esperava nada e recebia muito.

Não apenas as pessoas da vila de Arundel em Sussex começaram a especular o que seria da jovem. Ela própria se indagava o que seria de seu destino, agora que era propriedade do Lorde, que havia pagado por sua vida. Assim, aquela jovem se apaixona por seu herói e  começamos a ver a luta de princípios e valores de um nobre que não se permite se apaixonar por uma dama bem mais jovem e de classe social inferior, pela qual pagou para lhe dar a liberdade e não encerra-la em outra prisão.

O infortúnio o transformara num homem duro, se tivesse o tornado flexível em vez de endurecê-lo, teria sido melhor, pois uma substância dura partia-se facilmente, ao contrário da maleável que aparentemente frágil, dobrava-se ao vento, mas voltava ao centro.


Então, à medida que esse livro começa a responder as histórias anteriores, ganha um ritmo ainda mais frenético e delicioso, porque o desenrolar dos fatos mostra porque o quarteto do norte é um grupo tão destacado nos nobres britânicos e feitos de algo mais que a nobreza herdada de berço e que a fraqueza pelos prazeres da carne apenas existe até o encontro do amor.

— Meg, querida. Ouça-me: não há conquista sem dor, não há vitória sem luta, um dia você me dará razão.

Preciso avisar que o conde de Ponthieu chega a ser bastante irritante por sua cabeça dura; e a inocência e adolescência de Meg deixam a história com toques de leveza.  O que contribui e muito para a trama ser deliciosa e fácil de ler. Temos também um casal secundário que irá agitar as coisas e em especial a vida desse casal, garantindo que o Conde não dê margem para perder seu grande prêmio, o amor.


Nota ::  


Informações Técnicas do livro

Um Cocheiro em Paris
Um Livro, dois Romances: Um Cocheiro em Paris e Comprada por um Lorde
O Quarteto do Norte #3
Ano: 2018
Páginas: 256
Editora: Pedrazul
Sinopse:
UM LIVRO, DOIS ROMANCES, POIS "COMPRADA POR UM LORDE" ESTÁ COMO ANEXO!

O terceiro livro da série O Quarteto do Norte

Quando o duque de Belvoir teve que sair às pressas da casa de Juliette Drouet, a amante de Victor Hugo, para não ser pego em flagrante pelo próprio escritor, sua única alternativa foi dirigir a própria carruagem pelas vielas de Paris. O que ele não esperava era ter que socorrer uma dama que acabara de chegar à cidade. Fruto da relação de um poderoso duque inglês com uma cortesã francesa, Belvoir — assumido pelo pai — vivia uma vida desregrada em Paris. Por ter sofrido muita rejeição da aristocracia britânica, chamado de ‘lorde bastardo’, ele tinha convicção absoluta de que nunca se casaria com a filha de nenhum deles. Belvoir só não contava que Harriet Neville, a lady que socorrera, se apaixonaria de verdade por ele, mesmo achando que fosse um humilde cocheiro.


Editora Pedrazul atualmente é a editora que mais se dedica à tradução e à publicação de obras mundialmente consagradas, algumas ainda desconhecidas no mercado editorial brasileiro, como os autores que influenciaram o estilo da mais famosa escritora inglesa de todos os tempos, Jane Austen. Também atua no segmento romance histórico e de época escritos por autores contemporâneos.


 _____Sobre a Autora_____

Chirlei Wandekoken


Jornalista e pedagoga capixaba, filha de cafeicultores, mudou-se para Vitória aos 15 anos de idade, e desde então começou a construir sua vida. Casada, tem dois filhos (21 e de 18 anos de idade). Isto é o que se percebe em seu primeiro livro, "O Vento de Piedade", publicado pela Editora Saraiva, que conta a história de uma família de um vilarejo no interior de São Paulo. Uma história que começa em 1956 e se estende até 2000, citando vários fatos reais, especialmente os relacionados ao período da ditadura militar brasileira.
O talento profissional nas três áreas (jornalismo, pedagogia e literatura) e sua clara demonstração de que sabe aproveitá-lo muito bem comprovam que Chirley Wandekoken é uma mulher que, mais do que "a diferença", faz a soma.
Estudou na Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente mora em Vitória, Espirito Santo.

11 janeiro, 2019

Resenha :: A Ama Inglesa e Quando os Céus Conspiram

11 janeiro 4 Comentários

 Primeira História: A Ama Inglesa (O Quarteto do Norte #2)

Eu me apaixonei por essa capa e comecei a ler sem me dar conta que se tratava de uma série. Mas como já havia avisado na resenha de A Estrangeira (que você pode clicar aqui para ler), é muito melhor lendo na ordem.  Essa história a autora avisa que se trata de um conto de fadas do século 19 e que vai nos contar a história de Leonora e o duque Prodhoe.


Pior que um sonho impossível é o vislumbre da possibilidade recheado de ambiguidades.

Já no início me apaixonei por Leonora, uma das mais engraçadas e divertidas personagens da Chirlei Wandekoken, talvez por ela ser tão jovem. Mas não tem como não rir e se emocionar com ela dormindo em um celeiro, aninhada a uma vaca, na propriedade do duque e, ao ser flagrada, resolve fugir e tentar na fuga manter alguma dignidade. Porém isso não é possível e logo nos vemos surpresas por ela ser amparada pelo poderoso Duque de Pudhoe, conhecido como Lorde Perverso.

Somos apresentadas ao passado de Leonora e a seu breve e marcante encontro com o duque quando ainda menina. Ela filha de uma mulher francesa que sabia ler e escrever e seu pai um cocheiro do ducado onde vivem. É tocante ir conhecendo a história de Leonora e ver todo o carinho do duque por ela.


A fragrância que trouxera as lembranças de quando o conhecera sob o carvalho, o bálsamo do lenço que secara as suas lágrimas, a essência que o tempo levara do casaco que ela jamais devolvera para ele.

O duque... Prepare-se para conhecer um homem que não mede esforços em ajudar seus amigos e age de mesma forma contra seus inimigos. Criado para ser duque, se impõem com o direito que o título lhe dá, mas sabe, como poucos, manter em igualdade para com aqueles que sente carinho, respeito e gratidão. Diz que sabe-se tudo a respeito de alguém vendo como esse trata a quem os serve, e com esse pensamento fiquei encantada com esse duque.

Porém nada parece vir fácil ou de graça para Leonora e em sua inocência existe uma coragem que a fará ser forte quando várias verdades forem sendo reveladas e muitos dos porquês de várias coisas que ocorreram a ela serão esclarecidos.

A dor da perda era o seu combustível; a raiva de si própria, a sua coragem; fora uma tola ao acreditar em um conto de fadas.


Nesse ponto da narrativa eu já estava completamente apaixonada pela escrita e narrativa da autora, os detalhes da época em que os fatos ocorriam já tinham me levado para dentro da história. E creio que fiquei também deslumbrada pelas figuras imponentes dos quatro que eram conhecidos como o quarteto do Norte.

Outra coisa que me agradou bastante foi o fato de durante toda a história Leonora não perder a fé e nem a integridade. E que as cenas se desenvolveram com uma beleza que me deixou ansiosa por ler a próxima história e conhecer um pouco mais de outro membro do quarteto. E também se eu tivesse sorte um pouco mais sobre como ficou a vida de Leonora após o fim dessa história.


 Segunda história: Quando os céus conspiram

Na edição impressa temos essa segunda história, que está ligada a anterior pelo fato de o conde Filippo Raspail ser o pai da querida Leonora de A Ama Inglesa. Porém essa, diferente da anterior, é inspirada na história real de Charlotte Hayes (século XVII), uma linda cortesã de um bordel londrino.


Assim, temos a história dela reescrita, agora com o nome de Amy Hayes, e como sua vida mudou ao tentar se matar no rio Sena e é salva por um cavalheiro, frustrando sua tentativa. Esse seria apenas um desfecho desesperado para Amy de um passado não tão distante quando era camponesa e escapara de ser estuprada por lorde Patchetts, e como se esse fosse seu terrível destino, dois anos depois foi violentada pelo filho bêbado de um fazendeiro.

Desonrada, ela se muda para Londres em busca de trabalho. Com a infelicidade de ser bonita demais para ser empregada de uma dama, restara a ela, portanto, A Casa das Damas, um conhecido bordel londrino que mantinha carruagem e criados de libré para suas damas da noite que eram ensinadas a se portarem como educadas ladies.

Nos seus dias de profunda angústia, chegara à conclusão de que só conhece a dor da perda quem um dia a sentiu.

E me lembrei do ditado que desgraça nunca vem sem companhia, porque se não bastasse sua vida de venda do corpo, para garantir um teto e um prato de comida, o visconde de Beauchamp, um dos lordes mais terríveis de Londres, tornara-se seu protetor, trazendo a Amy sua queda em total desgraça. Obrigada a ir com ele para Paris, num esquema de traição à Coroa Britânica, e vítima de toda sorte de abuso e violência, vê naquela tentativa de suicídio a única escapatória para a vida, como ela era.


Mas a conspiração celeste colocou o nobre Filippo Raspail em seu caminho, e assim vamos saber como foi sua história com a mãe de Eleonora, seu passado tremendamente infeliz. E a penitência que o levou a querer cumprir seus dias na terra para finalmente encontrar sua amada Juillet no outro lado do desconhecido.  A história se passa após a morte de Juillet, há mais de 20 anos, e o conde havia se enterrado com ela, pois a amargura o consumia dia após dia. E quando salvou Amy de seu fim no rio, pode ter encontrado o caminho para voltar à própria vida.

Aqueles foram os inapagáveis instantes de sua existência, aqueles perenes, que o tempo não desbota. Seriam lembrados para sempre como os mais doces momentos de sua vida.

Ambas histórias são lindas, maravilhosamente contadas e nessa segunda história vemos vários personagens da série desenvolvendo presenças decisórias no seu decorrer, que fala sobre esperança, segunda oportunidade e perdão. Porque o perdão mais difícil de ser dado é o que damos a nós mesmos, por nossas falhas, onde um cura o outro de suas feridas.


Sobre a edição física: ficou impecável com uma fonte e diagramação maravilhosas para leitura, a capa da edição em e-book da Ama e dentro entre as histórias a capa da edição em e-book de Quando os céus conspiram, fazendo vez de divisória para a segunda história. Foi um toque lindo para quem, como eu, gostaria de guardar a imagem no coração e no papel. Este por sinal amarelo, com espessura que não permite transparência e sem erros de digitação ou ortografia. Impecável o trabalho da editora Pedrazul.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

A Ama Inglesa
Um Livro, dois Romances: A ama inglesa e Quando os Céus conspiram
O Quarteto do Norte #2
Ano: 2018
Páginas: 244
Editora: Pedrazul
UM LIVRO, DOIS ROMANCES, POIS "QUANDO OS CÉUS CONSPIRAM" ESTÁ COMO ANEXO!

O segundo livro da série O Quarteto do Norte

Um conto de fadas do século XIX. A história de Leonora e do duque de Prudhoe.

Numa noite gelada em Newcastle, sem ter para onde ir, Leonora acaba se abrigando no celeiro de Pudhoe Castle, aconchegada à vaca da duquesa-viúva, quando foi brutalmente acordada pelo capataz da propriedade. Mas logo atrás dele vinha aquele cuja imagem permeara seus pensamentos durante cinco longos anos, o poderoso duque de Prudhoe, conhecido em toda a Europa por lorde Perverso. Mas Leonora não o achou perverso, muito pelo contrário, achou-o caridoso. Afinal, se não fosse por ele, certamente não sobreviveria àquela noite.


Editora Pedrazul atualmente é a editora que mais se dedica à tradução e à publicação de obras mundialmente consagradas, algumas ainda desconhecidas no mercado editorial brasileiro, como os autores que influenciaram o estilo da mais famosa escritora inglesa de todos os tempos, Jane Austen. Também atua no segmento romance histórico e de época escritos por autores contemporâneos.


 _____Sobre a Autora_____

Chirlei Wandekoken


Jornalista e pedagoga capixaba, filha de cafeicultores, mudou-se para Vitória aos 15 anos de idade, e desde então começou a construir sua vida. Casada, tem dois filhos (21 e de 18 anos de idade). Isto é o que se percebe em seu primeiro livro, "O Vento de Piedade", publicado pela Editora Saraiva, que conta a história de uma família de um vilarejo no interior de São Paulo. Uma história que começa em 1956 e se estende até 2000, citando vários fatos reais, especialmente os relacionados ao período da ditadura militar brasileira.
O talento profissional nas três áreas (jornalismo, pedagogia e literatura) e sua clara demonstração de que sabe aproveitá-lo muito bem comprovam que Chirley Wandekoken é uma mulher que, mais do que "a diferença", faz a soma.

Estudou na Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente mora em Vitória, Espirito Santo.