Follow Us @soratemplates

23/10/2018

Primeiras Impressões :: Jane Eyre


Olá Faroleiros, tudo bom?

Este ano o blog Clube do Farol resolveu promover diversas leituras coletivas e revisitar os clássicos, uma vez que ainda há muita resistência em lê-los e se encantar. Nas redes sociais as leituras são avisadas com antecedência e o cronograma é divulgado, portanto, caso queira companhia para ler, não deixe de seguir!

Jane Eyre de Charlotte Brontë é um dos clássicos da literatura inglesa, foi publicado originalmente em 1847 e já inspirou adaptações cinematográficas e também televisivas. Após ter conhecido a escrita de Jane Austen neste ano, resolvi me aventurar e conhecer a escrita das irmãs Brontë, começando por Charlotte.

… eu me lembrava de que o mundo real era vasto, e que uma quantidade enorme de esperanças e medos, de sensações e emoções, estava à espera daqueles que ousassem sair por ele afora, buscando, em meio a seus perigos, o verdadeiro conhecimento do que é a vida.

Jane Eyre nada mais é do que a autobiografia da personagem fictícia de mesmo nome, órfã de pai e mãe, a menina vai viver na casa de sua tia — que para sua infelicidade — a detesta e faz com que ela se sinta a criatura mais desprezada da face da Terra, a pequena senhorita Eyre tem como uma de suas alegrias da vida uma simples boneca. Alguns anos se passaram nessa situação deplorável, até que Jane é enviada a instituição de caridade Lowood, onde receberá sua educação e moldará ainda mais seu caráter, conhecerá sua amiga Helena Burns, e passará os próximos anos.

Todas as tiranias violentas de John Reed, toda a indiferença orgulhosa de suas irmãs, toda a aversão da mãe, toda a parcialidade dos empregados, tudo isso revirava em minha mente como água suja revolvida no fundo de um poço. Por que eu estava sempre sofrendo, sempre apanhando, sempre sendo acusada e eternamente condenada?

Jane é dona de um espírito forte, uma teimosia e uma certa petulância, que não contribuíram em nada no meu primeiro contato com a obra, além da escrita um tanto quanto melancólica, que tornou tudo muito enfadonho no início. Confesso que por diversas vezes pensei em abandonar a leitura e partir para a próxima, mas não o fiz porque a Danii (@livrosemelodias) havia me garantido que a obra iria melhorar e muito! E de fato, as coisas começam a mudar os ares quando Jane parte em direção a Thornfield para tornar-se a preceptora de Adèle, que dá uma nova vida a obra com seu sotaque e exuberância francesa, e o Senhor Rochester passa a figurar na obra – adicionando certo mistério, pois é um personagem bem enigmático, além de ser um tanto quanto excêntrico.

— Não creio, senhor, que tenha o direito de mandar em mim, apenas por ser mais velho ou por ter visto melhor o mundo do que eu. O direito à superioridade vai depender do uso que o senhor fez de seu tempo e experiência.

Estou lendo a obra em formato digital, na edição disponibilizada pela editora BestBolso no Kindle Unlimited da Amazon. A diagramação para e-book está ótima, assim como a tradução feita pela Heloisa Seixas.

Caso queira conferir as primeiras impressões de nossa faroleira Elisabete Finco, que está lendo na edição impressa da editora Nova Fronteira, basta clicar aqui.

Você também pode conferir as resenhas de algumas de nossas leituras coletivas anteriores, clicando nos links:



Um abraço e até a próxima!


Informações Técnicas do livro

Jane Eyre
Ano: 2011
Páginas: 528
Editora: BestBolso
Sinopse:
Romance clássico ambientado na sociedade inglesa do século XIX

Jane Eyre, órfã de pai e mãe, vive com parentes que a desprezam até ser enviada para a instituição de caridade Lowood. Apesar das inúmeras privações que enfrenta na escola, a menina leva uma vida quase feliz e se torna forte e independente. Aos 18 anos, decide partir para Thornfield e trabalhar como preceptora de Adèle, pupila do irônico e arrogante Edward Rochester. Jane Eyre narra, além de uma comovente história de amor, a saga de uma jovem em busca de uma vida mais rica do que a sociedade inglesa do século XIX tradicionalmente permitia às mulheres. Publicado originalmente em 1847, o primeiro romance de Charlotte Brontë inspirou adaptações para o cinema e a televisão.
Esta tradução de Heloisa Seixas é exclusividade da BestBolso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!