Mostrando postagens com marcador Leitura Conjunta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Leitura Conjunta. Mostrar todas as postagens

29 abril, 2024

Lendo :: Crime e Castigo

abril 29, 2024 0 Comentários
64º Leitura do Farol

Dostoiévski traz a psicologia criminal para este romance, abordando moralidade e a margem da dignidade nas ruas das cidades.

 Livro físico: https://a.co/d/08C38QWd
e-book: https://a.co/d/0fiL0oRY

A pobreza assola Raskólnikov, que precisa pagar os estudos e o aluguel de onde mora. Orgulhoso, acredita que é inteligente o suficiente para planejar um crime perfeito, julgando que seu bom motivo e futuro promissor justificariam o ato. Os limites da moralidade comum também o atingem e ele é sentenciado. A culpa o acompanha na jornada em busca de redenção e boas perspectivas.

14 abril, 2024

Lendo :: O Quinze

abril 14, 2024 0 Comentários

63º Leitura do Farol

Lançado originalmente em 1930, em edição financiada pela própria autora, O Quinze é o romance de estreia da aclamada escritora cearense Rachel de Queiroz. Gerou grande impacto na época não apenas por sua força narrativa, mas também pelo fato de ter sido escrito por uma mulher de apenas 20 anos de idade.

Físico: https://amzn.to/3H7Tpib
e-book: https://amzn.to/3RQXVWZ

Para o escritor Antônio Torres, ""Numa prosa simples, viva, comovente, Rachel de Queiroz tece o seu relato em duas linhas de força: a história de um amor irrealizado da mocinha que lê romances franceses e sonha com o moço rude entregue à faina solitária de salvar o seu gado; e a dramática marcha a pé de um retirante e sua família, sonhando chegar ao Amazonas.""

Este livro é um clássico da literatura brasileira. Foi ele que projetou Rachel de Queiroz na vida literária do país, firmando-a como escritora regionalista, preocupada com as questões sociais. Imperdível."

26 dezembro, 2023

Lendo :: O conde de Monte Cristo

dezembro 26, 2023 0 Comentários

62º Leitura do Farol

A fantástica edição comentada de O conde de Monte Cristo agora em volume único! O conde de Monte Cristo é um clássico da literatura mundial, uma história emocionante e cheia de ação e vingança, que vem fascinando leitores há quase dois séculos.

Físico: https://amzn.to/4aKs2YZ
e-book: https://amzn.to/3vozcSC

Alexandre Dumas prende o leitor numa trama de tirar o fôlego – traições, denúncias anônimas, tesouros fabulosos, envenenamentos – e apresenta uma galeria de personagens que retrata o espectro social de um mundo em transformação.

"Sempre tive mais medo de uma pena, de um tinteiro e de uma folha de papel que de uma espada ou uma pistola."

 

20 novembro, 2023

Lendo :: O sol é para todos

novembro 20, 2023 0 Comentários

61º Leitura do Farol

Uma história sobre raça e classe, inocência e justiça, hipocrisia e heroísmo, tradição e transformação, O sol é para todos permanece tão importante hoje quanto foi em sua primeira edição, em 1960, durante os anos turbulentos da luta pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos.

Livro físico: https://amzn.to/3NGigvX
e-book: https://amzn.to/3UgNn3t

 
Considerado um dos romances norte-americanos mais importantes do século XX, O sol é para todos surpreende pela atualidade de seu enredo e estilo. A lamentável permanência do tema, o racismo, percorre a narrativa de Scout, criança sensível, filha do advogado Atticus Finch, responsável pela defesa de um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca em Maycomb, pequeno município de Alabama, no sul dos Estados Unidos, no início dos anos 1930.

Os sentimentos que cercam a família e a cidade de Scout - desde que Atticus se dispôs a cuidar do famigerado caso - são nossos velhos conhecidos: preconceito racial e social, conformismo diante das injustiças e a mais pura malícia destilada em relações banais e familiares. Apesar da crua humanidade desses personagens, Scout enxerga a realidade com o frescor dos olhos infantis, e conta sua história, deixando um improvável rastro de esperança.

11 setembro, 2023

Lendo :: O amor nos tempos do cólera

setembro 11, 2023 0 Comentários

60º Leitura do Farol

Essa é a história real dos pais de Gabriel García Márquez e foi ponto de partida de O amor nos tempos do cólera , que acompanha a paixão do telegrafista, violinista e poeta Florentino Ariza por Fermina Daza. O livro começou a ser escrito em 1984, em Cartagena de las Índias, ao final do ano sabático que García Márquez se concedeu após receber o Prêmio Nobel. 

"Bastou ao médico um interrogatório insidioso, primeiro a ele e depois à mãe para comprovar uma vez mais que os sintomas do amor são os mesmos do cólera."

Ali, o autor recolheu alguns dos episódios contados no livro, como a epidemia de cólera que assolou a cidade no final do século XIX ou o naufrágio do galeão espanhol San Jose, carregado de joias.

Livro físico: https://amzn.to/3NLpS01
e-book: https://amzn.to/3zOutZC

Gabriel García Márquez traça a história de uma paixão profunda que foi proibida durante meio século. Embora nunca pareça estar devidamente contido, o amor flui através do romance de mil maneiras: alegre, melancólico, enriquecedor e sempre surpreendente. Emocionante,  O amor nos tempos do cólera é definitivamente um dos livros mais importantes do século.

10 julho, 2023

Lendo :: O nome da Rosa

julho 10, 2023 0 Comentários
59º Leitura do Farol

É impossível pensar em O nome da rosa sem considerar seu extraordinário sucesso global, tanto para a crítica quanto para o público. Trata-se de um desses raros fenômenos editoriais, um best-seller literário que transcende as fronteiras linguísticas.

Esse é o primeiro romance de Umberto Eco, um dos mais importantes teóricos da comunicação de massa do século XX. O autor utiliza um roteiro policial, no estilo de Conan Doyle, que se desenvolve na última semana de novembro de 1327, em um mosteiro franciscano da Itália medieval.

Livro físico: https://amzn.to/3NGgaMB
e-book: https://amzn.to/3EaT6lQ

 
Um sucesso espetacular, O nome da rosa não apenas é uma narrativa de investigação de crimes mas também uma fascinante crônica sobre a Idade Média. Essa edição, revisada pela consagrada tradutora Ivone Benedetti, contém uma atualização da biografia de Umberto Eco, uma nota de revisão e um glossário com a tradução dos termos em latim utilizados pelo autor.

Não apenas uma história de investigação criminal, O nome da rosa, sucesso mundial desde sua publicação original, em 1980, é também uma extraordinária crônica sobre a Idade Média.

19 junho, 2023

Lendo :: Matilda

junho 19, 2023 0 Comentários

58º Leitura do Farol

Matilda, o clássico da literatura infantil, está de volta numa edição especial e limitada com capa ilustrada por Isadora Zeferino, dona de trabalhos supercoloridos com clientes como Faber Castell, Globosat e Melissa, e a mente criativa por trás do sucesso do box O castelo animado.
 
 

 Matilda é um romance fantástico e divertido.” – The Guardian

“A popularidade fenomenal de Dahl entre as crianças se dá por seu jeito encantador de contar histórias; seus fãs não ficarão desapontados com Matilda .” – Publishers Weekly

05 junho, 2023

Lendo :: A fantástica fábrica de chocolate

junho 05, 2023 0 Comentários

 

57º Leitura do Farol

As portas da Fantástica Fábrica de Chocolate vão se abrir! Pegue o seu bilhete dourado e embarque nesta incrível (e muito doce) aventura com Charlie, Willy Wonka e os Umpa-Lumpas. A Fantástica Fábrica de Chocolate , clássico da literatura mundial em uma edição com capa inédita de Isadora Zeferino.
 

26 março, 2023

Lendo :: Ana Karenina

março 26, 2023 0 Comentários
56º Leitura do Farol

Ana Karenina, um dos maiores clássicos de Liev Tolstói, em tradução do romancista Lúcio Cardoso e preparação, posfácio e cronologia do crítico Ésio Macedo Ribeiro.

 Livro físico: https://amzn.to/3DMDzr6
 e-book: https://amzn.to/3FRXbMW

Publicada pela Editora José Olympio originalmente em 1943, esta tradução de Ana Karenina , realizada por Lúcio Cardoso, foi a primeira edição integral desta obra-prima no Brasil. Quase oitenta anos depois do lançamento, a Casa retoma esta festejada tradução para oferecer a leitoras e leitores brasileiros este texto singular, no qual vemos a rara aptidão de Lúcio Cardoso com a linguagem, sem deixar de lado o lirismo e o rigor técnico.

13 fevereiro, 2023

Lendo :: Mary Barton

fevereiro 13, 2023 0 Comentários

55º Leitura do Farol

Clássico impactante e à frente de seu tempo, de uma das grandes escritoras inglesas do século XIX, Elizabeth Gaskell.

Livro físico: https://amzn.to/3DS4txU
e-book: https://amzn.to/3t7oIT3

Ao começar a escrever romances, Gaskell esperava que eles proporcionassem algum consolo para a dor da perda de seu filho Willie. A ideia, de acordo com seu primeiro biógrafo Ellis Chadwick , foi sugerida pela primeira vez por seu marido William Gaskell para "acalmar sua tristeza".

Em uma carta de 1849 para sua amiga Sra. Greg, Gaskell disse que ela "se refugiou na invenção para excluir a memória de cenas dolorosas que se imporiam à minha lembrança". O desejo de Gaskell de representar com precisão a pobreza da Manchester industrial fica evidente no registro de uma visita que ela fez à casa de um trabalhador local.

Ao confortar a família, registra Hompes, o "chefe da família segurou seu braço e, segurando-o com força, disse, com lágrimas nos olhos: 'Sim, senhora, mas você já viu uma criança morrer de fome? '" Esta pergunta é quase precisamente repetida na boca de John Barton: "Eles já viram uma criança deles morrer por falta de comida?" no capítulo 4.

09 janeiro, 2023

Lendo:: O morro dos ventos uivantes

janeiro 09, 2023 0 Comentários
54º Leitura do Farol

 

O morro dos ventos uivantes , um dos maiores clássicos ocidentais, precursor do romance gótico, traduzido e recontando pela grande escritora brasileira Rachel de Queiroz.

 Livro físico: https://amzn.to/3FU7b8z
e-book: https://amzn.to/3E7jz3O

"O morro dos ventos uivantes , traduzido e recontado nesta edição pela grande escritora brasileira Rachel de Queiroz, é, sem dúvida, uma obra--prima intensa. E, mais que apenas uma trágica história de perdição, é uma análise meticulosa e assustadora da crueldade do amor, da perversidade humana e dos traumas ― esses que volta e meia retornam a bater e chamar à janela, mesmo que a deixemos muito bem trancada.” - Carina Rissi

23 outubro, 2018

Primeiras Impressões :: Jane Eyre

outubro 23, 2018 0 Comentários

Olá Faroleiros, tudo bom?

Este ano o blog Clube do Farol resolveu promover diversas leituras coletivas e revisitar os clássicos, uma vez que ainda há muita resistência em lê-los e se encantar. Nas redes sociais as leituras são avisadas com antecedência e o cronograma é divulgado, portanto, caso queira companhia para ler, não deixe de seguir!

Jane Eyre de Charlotte Brontë é um dos clássicos da literatura inglesa, foi publicado originalmente em 1847 e já inspirou adaptações cinematográficas e também televisivas. Após ter conhecido a escrita de Jane Austen neste ano, resolvi me aventurar e conhecer a escrita das irmãs Brontë, começando por Charlotte.

… eu me lembrava de que o mundo real era vasto, e que uma quantidade enorme de esperanças e medos, de sensações e emoções, estava à espera daqueles que ousassem sair por ele afora, buscando, em meio a seus perigos, o verdadeiro conhecimento do que é a vida.

Jane Eyre nada mais é do que a autobiografia da personagem fictícia de mesmo nome, órfã de pai e mãe, a menina vai viver na casa de sua tia — que para sua infelicidade — a detesta e faz com que ela se sinta a criatura mais desprezada da face da Terra, a pequena senhorita Eyre tem como uma de suas alegrias da vida uma simples boneca. Alguns anos se passaram nessa situação deplorável, até que Jane é enviada a instituição de caridade Lowood, onde receberá sua educação e moldará ainda mais seu caráter, conhecerá sua amiga Helena Burns, e passará os próximos anos.

Todas as tiranias violentas de John Reed, toda a indiferença orgulhosa de suas irmãs, toda a aversão da mãe, toda a parcialidade dos empregados, tudo isso revirava em minha mente como água suja revolvida no fundo de um poço. Por que eu estava sempre sofrendo, sempre apanhando, sempre sendo acusada e eternamente condenada?

Jane é dona de um espírito forte, uma teimosia e uma certa petulância, que não contribuíram em nada no meu primeiro contato com a obra, além da escrita um tanto quanto melancólica, que tornou tudo muito enfadonho no início. Confesso que por diversas vezes pensei em abandonar a leitura e partir para a próxima, mas não o fiz porque a Danii (@livrosemelodias) havia me garantido que a obra iria melhorar e muito! E de fato, as coisas começam a mudar os ares quando Jane parte em direção a Thornfield para tornar-se a preceptora de Adèle, que dá uma nova vida a obra com seu sotaque e exuberância francesa, e o Senhor Rochester passa a figurar na obra – adicionando certo mistério, pois é um personagem bem enigmático, além de ser um tanto quanto excêntrico.

— Não creio, senhor, que tenha o direito de mandar em mim, apenas por ser mais velho ou por ter visto melhor o mundo do que eu. O direito à superioridade vai depender do uso que o senhor fez de seu tempo e experiência.

Estou lendo a obra em formato digital, na edição disponibilizada pela editora BestBolso no Kindle Unlimited da Amazon. A diagramação para e-book está ótima, assim como a tradução feita pela Heloisa Seixas.

Caso queira conferir as primeiras impressões de nossa faroleira Elisabete Finco, que está lendo na edição impressa da editora Nova Fronteira, basta clicar aqui.

Você também pode conferir as resenhas de algumas de nossas leituras coletivas anteriores, clicando nos links:



Um abraço e até a próxima!


Informações Técnicas do livro

Jane Eyre
Ano: 2011
Páginas: 528
Editora: BestBolso
Sinopse:
Romance clássico ambientado na sociedade inglesa do século XIX

Jane Eyre, órfã de pai e mãe, vive com parentes que a desprezam até ser enviada para a instituição de caridade Lowood. Apesar das inúmeras privações que enfrenta na escola, a menina leva uma vida quase feliz e se torna forte e independente. Aos 18 anos, decide partir para Thornfield e trabalhar como preceptora de Adèle, pupila do irônico e arrogante Edward Rochester. Jane Eyre narra, além de uma comovente história de amor, a saga de uma jovem em busca de uma vida mais rica do que a sociedade inglesa do século XIX tradicionalmente permitia às mulheres. Publicado originalmente em 1847, o primeiro romance de Charlotte Brontë inspirou adaptações para o cinema e a televisão.
Esta tradução de Heloisa Seixas é exclusividade da BestBolso.

29 maio, 2018

Resenha :: Orgulho e Preconceito (Pride and Prejudice)

maio 29, 2018 0 Comentários

Olá, tudo bom?

No começo deste ano estipulei algumas metas literárias, em sua maioria eram bem simples de serem cumpridas e entre elas: estava ler mais clássicos. Quando surgiu a oportunidade de realizar a leitura coletiva de Orgulho e Preconceito com o Clube do Farol, não pensei muito e embarquei. Essa também seria mais uma oportunidade de sair da zona de conforto, afinal, não costumo ler romances.

Jane Austen conquistou sua posição entre os clássicos justamente por ter uma mente à frente de seu tempo, por retratar tão bem a sociedade da época em que viveu e construir personagens marcantes – seja por sua coragem, perspicácia, audácia ou doçura.

Em Orgulho e Preconceito, um de seus livros mais aclamados, temos o pacato condado de Hertfordshire, onde vive a família Bennet – composta dos pais e de suas cinco filhas. A narrativa é feita em terceira pessoa, e uma de nossas protagonistas é Elizabeth Bennet – a segunda filha do casal –, conhecida como Lizzy por seus familiares e amigos mais próximos, ela é dona de uma personalidade bem forte, tendo opiniões um tanto quanto diferentes em relação aos padrões impostos pela sociedade da época – o sonho da grande maioria das mulheres era conseguir um bom casamento.

Logo no início do livro, os moradores de Hertfordshire estão em polvorosa porque o jovem cavalheiro Charles Bingley estará passando uma temporada na mansão de Netherfield, na companhia de suas irmãs e de seu amigo Fitzwilliam Darcy. O acontecimento causa todo esse alvoroço na região por conta das condições financeiras de ambos os cavalheiros, que eram considerados ricos para os padrões da época, e pela existência de várias moças solteiras em busca de um casamento.

"É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro, possuidor de uma boa fortuna, deve estar necessitado de esposa."

Charles Bingley é um homem jovem e sonhador, agradável e muito educado, já Darcy é um homem orgulhoso, reservado e observador – ou seja, o oposto de Bingley. O primeiro contato entre este e Elizabeth não foi dos melhores, o que acabou gerando uma péssima primeira impressão deste para ela.

Neste livro, podemos perceber o quanto as primeiras impressões que temos de alguém podem não corresponder em nada ao que as pessoas realmente são. Ao longo da narrativa, vamos conhecendo as diversas nuances que compõem os personagens, e podemos ter várias sensações acerca de cada uma delas – encantamento, amor, afeição, ódio, raiva, pena, compaixão, entre outros. Os diálogos são inteligentes, com questões pertinentes, além de sempre nos fazerem refletir – e claro, há trechos em que é impossível não rir da situação.

"A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinônimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. O orgulho se relaciona mais com a opinião que temos de nós mesmos, a vaidade com o que desejaríamos que os outros pensassem de nós."

Jane Austen criou uma gama de personagens bem construída, cada qual com sua personalidade e objetivos, e as conexões entre eles foram sendo mostradas pouco a pouco ao longo do livro, os acontecimentos se dão de forma gradual e não abrupta, mantendo um bom ritmo por todo o livro.

Essa foi minha primeira experiência lendo uma obra de Austen e, particularmente, gostei muito! Foi um desafio ler em um gênero que não estou nem um pouco habituada, e me surpreendi muito com a história, a narrativa e os personagens – principalmente com o senhor Darcy, que conquistou um lugarzinho no meu coração.

"Em vão tenho lutado comigo mesmo; nada consegui. Meus sentimentos não podem ser reprimidos e preciso que me permita dizer-lhe que eu a admiro e amo ardentemente."

E vocês, já leram algum livro da Jane Austen? Como foi a sua experiência? Contem nos comentários!

Abraços e até a próxima!


Nota ::  4,5 



Informações Técnicas do livro

Orgulho e Preconceito
Ano: 2017
Páginas: 368
Editora: Nova Fronteira
Sinopse (Skoob):
Poucos romancistas conseguiram transmitir as sutilezas e nuances de seu próprio meio social com a inteligência e a perspicácia de Jane Austen. Em Orgulho e Preconceito, ela nos presenteia com personagens memoráveis, como a jovem Elizabeth Bennet, que se julga desprezada pelo rico e orgulhoso, Mr. Darcy, e começa a se interessar pelo militar Wickham. Nesta comédia de costumes, a escritora inglesa mostra os perigos do julgamento à primeira vista e evoca as amizades, fofocas e vaidades da classe média provinciana. Com mais de 20 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, Orgulho e Preconceito tornou-se um dos romances mais populares da literatura.


EXTRA:
11 lições que personagens das obras de Jane Austen nos ensinaram – PODE CONTER SPOILERS: https://www.altoastral.com.br/11-licoes-personagens-jane-austen-ensinaram/

17 abril, 2018

Especial Senhor dos Anéis :: A Experiência de Releitura

abril 17, 2018 0 Comentários

Olá, tudo bom?

Este ano estabeleci algumas metas literárias, entre elas reler a obra Senhor dos Anéis de J. R. R. Tolkien e, graças ao projeto Regresso à Terra-Média feito pelo Clube do Farol em parceria com o Instagram Corvos de Odin, eu consegui.

Durante esta releitura, anotei diversas passagens que me marcaram de alguma forma, bem como informações que achei pertinentes em relação aos personagens e locais descritos, e também meus sentimentos ao longo dessa jornada.

Foi extremamente interessante revisitar a Terra-Média - com a companhia desta maravilhosa comitiva - mesmo depois de tantos anos em que fiz uma jornada solitária por ela. A compreensão que tive acerca da obra melhorou e agora tenho novas doces lembranças ao olhar os livros em minha estante.


É bem interessante notar como nossa percepção sobre as coisas muda ao longo da vida, e que as experiências acumuladas ao longo dela podem contribuir e muito ao reembarcar em uma aventura, dito isto saiba que eu não apenas sou fã de releituras como as estimulo sempre!

Gostaria de saber de você leitor, quais obras você já releu e/ou pretende? E, caso você nunca tenha relido algum livro querido, porque nunca teve essa experiência?

Abraços!

01 dezembro, 2017

Leitura Conjunta :: Regresso à Terra-Média

dezembro 01, 2017 0 Comentários

J.R.R. Tolkien é um escritor extremamente influente, seus livros cativaram diversos leitores ao redor do Mundo e irão continuar encantando por muitos e muitos anos. Como sempre, nós leitores sentimos saudades dos livros que tanto nos marcaram e tem seu lugar de honra em nossos corações, então o Clube do Farol, em parceria com o Instagram Corvos de Odin, traz a vocês o projeto Regresso à Terra-Média!

Durante os próximos meses, ingressaremos na leitura coletiva de “O Hobbit”, “A Sociedade do Anel”, “As Duas Torres” e “O Retorno do Rei”. Porém, como não queríamos fazer apenas mais uma leitura coletiva, resolvemos convidar alguns amigos queridos e fazer a abordagem de diversas vertentes que foram inspiradas pela Terra-Média, sejam as adaptações cinematográficas, os jogos ou as canções.



O projeto “Regresso à Terra-Média” está sendo planejado com muito amor e carinho, para todos os tipos de leitores e/ou apreciadores da obra de Tolkien, sejam os iniciantes ou os veteranos. 

Caso tenha interesse em participar de nossa comitiva e entrar nessa aventura memorável pela nossa amada Terra-Média, basta entrar em nosso grupo de Whatsapp clicando aqui


Será ótimo contar com a companhia de todos nos próximos meses!