Follow Us @soratemplates

21/01/2019

Resenha :: O Dia em que Conheci Meu Pai pela Segunda Vez


Esta não é uma história da polícia. É a história de um policial.

Esse livro é uma linda homenagem ao pai, policial e herói na vida da autora. Afinal existe algo mais heroico que colocar a vida em risco pela segurança de outra vida? Contudo, para mim, dizer que são contos limita e simplifica muito textos que são realmente lindos e contam histórias da vida real, que só quem realmente vive as situações é capaz de visualizar com toda a grandeza do que é, mas que nesse livro ficam muito próximos a realidade daquele momento. O Dia em que Conheci Meu Pai pela Segunda Vez é uma antologia de contos e o primeiro livro escrito pela autora Tamires de Carvalho.

Pergunte aos funcionários mais antigos pelo Paulo. Sou eu. Carvalho é meu sobrenome, ou nome de guerra, como dizem.

Preciso dizer que é impossível não se simpatizar e até mesmo criar uma empatia muito grande pelo personagem central desse livro, o Paulo Carvalho. Mas é interessante que ao longo da leitura, você deixa de lembrar que um dia o Carvalho não foi policial, meio que como um filho olha para os pais e tem dificuldade de imaginar que um dia foram solteiros, não se conheciam... E isso me chamou a atenção durante a leitura.

O lado de quem já sentia a farda no corpo. Era só fechar os olhos, e eu podia senti-la aqui, me vestindo. Eu já era policial, eu tinha de ser policial.

Amei a ordem em que os contos foram colocados, porque cada história deixa um gosto ainda mais especial ao anterior, mesmo que não sejam ligados ou continuados. Só posso dizer que ler é o único modo de entender, exatamente, porque esse livro é tão lindo. Além de bem escrito, o fato de ler como se o próprio Carvalho estivesse me contando a história criou um momento fascinante de leitura porque é raro algo assim, uma ligação tão forte com "quem conta" e com o que é contado.


Por ser um livro pequeno estou me segurando para não contar um pouco de cada história, porque acho que isso pode tirar o prazer da primeira leitura, mas sinceramente, vou deixar aqui minhas impressões sobre algumas histórias de forma muito leve, só para te mostrar porque o livro foi tão especial pra mim.

A primeira vez de um policial, aqui temos o drama da primeira morte, com o uso da farda. Não tem como ficar indiferente a esse momento. Afinal a certeza que ele vai acontecer durante a carreira é o motivo de muitos não cogitarem a profissão e de outros ansiarem por ela. E durante a leitura me ficou uma lição preciosa, que diria a qualquer pessoa em ambos os casos:

Mas depois que você entra no fogo cruzado, não lembra nem o nome da sua mãe, que dirá contra quem está guerreando.

Corpo fechado, esse entrou para o momento mais leve da leitura e me fez rir demais, porque temos o crédulo e o descrente durante a narrativa e os fatos que se seguiram foram impossíveis de não cair na gargalhada, apesar de trágico foi cômico.

Os primeiros (e únicos) tiros que tomei, tão inerente a ser policial quanto atirar e saber que as chances e possibilidades de ser alvejado por um tiro são grandes. Como diz a música do grupo Rappa, "também morre quem atira" e para mim a maior missão de um policial é voltar vivo para casa. Nesse conto, é impossível não ficar ao lado do Carvalho naquele momento, sentindo as mais diversas sensações e por fim a dor do tiro.

Mas a vida não é tão simples, temos contas a pagar, e se tem uma coisa que não dá para se tornar é ex-policial.

Deixo aqui essa verdade, que apesar de tão óbvia pode passar despercebida para quem não vive o dia a dia da farda. Uma vez, para sempre.

Para quem como eu já "perdeu" sua melhor amiga de toda a vida sabe a dor dilacerante e inenarrável que é.  Posso dizer para você que é tão grande, tão intensa que parece que você também vai morrer naquele momento, porque simplesmente parece impossível a vida continuar depois daquele momento. 

O funeral de um amigo, que compartilha com você todo o drama e as alegrias de vestir uma farda, é como velar a si próprio.

Perder um amigo, ler sobre como é perder um amigo, que literalmente guarda suas costas e que será os olhos que vai te proteger enquanto você o protege me fez pensar que existem dores ainda maiores e que, para mim, apresenta de certo modo requintes de crueldade, afinal todos os dias ele vai reviver o momento e notar que aquele seu amigo não está ali e que o que está pode ser o próximo a não estar. Que você pode ser esse amigo, que deixou essa dor, esse vazio e o luto. Todos podemos morrer, mas para eles esse pensamento não é algo que acontece durante o drama e sim é a constante do dia. E mesmo assim, eles continuam.

Infelizmente, as palmas e os agradecimentos chegam, em sua maioria, apenas quando já fechamos nossos olhos.

Quando me mudei para a roça, sair do grande e violento Rio de Janeiro para um lugar pacato, além de levar nosso personagem a uma nova realidade, nos leva junto a uma nova história. Sério, a mudança é tão drástica que é impossível não ver como um recomeço e sinceramente maravilhoso, inclusive para quem lê. A partir dessa mudança os contos ganham um novo tom, tão envolventes em sua narrativa quanto o anterior, porém te deixam com o coração mais leve para conseguir absorver todas as histórias, lições de vida e, principalmente, te preparar para o fim do livro.

Saí do batalhão pela última vez, em câmera lenta, olhando tudo e guardando tudo na memória. Educai as crianças e não será necessário punir os homens.


Quero agradecer a autora, por essa história maravilhosa e por ter me enviado o livro físico, que foi impresso a partir do e-book disponível na Amazon. Uma edição linda que trouxe em seu final uma imagem que deu vida e eternidade ao Carvalho em minha memória. Terminei a leitura como se houvesse o conhecido e tido a honra de conhecer sua história. Foi realmente lindo e emocionante cada momento dessa leitura.


Nota ::  4,5


Informações Técnicas do livro

O Dia em que Conheci Meu Pai pela Segunda Vez
Ano: 2017
Páginas: 76
Editora: Independente
Sinopse:
“O dia em que conheci meu pai pela segunda vez” é uma antologia de contos e o primeiro livro escrito pela autora Tamires de Carvalho. São narrativas inspiradas nos 'causos' de polícia que seu pai adorava contar e que mostram como a profissão de policial militar pode moldar o caráter e a personalidade de um homem. Do início ao fim, o dia a dia de abordagens, perseguições e conflitos de exercer esta profissão.


_____Sobre a Autora_____

Tamires de Carvalho



Mora em Patrocínio do Muriaé, interior de Minas Gerais, é estudante de Letras pela Universidade Federal Fluminense (UFF/Cederj) e apaixonada por livros e literatura. Tem um blog onde compartilha suas leituras e desde 2017 tem publicado contos de forma independente na Amazon, além de participar de coletâneas literárias.

4 comentários:

  1. Ahahahahahha <3
    Meu coração chega até disparar de felicidade com essa resenha linda!
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço, de coração. Obrigada por ter escrito essa história.

      Excluir

Obrigado por seu comentário!! Bem-vindo(a) ao Clube do Farol!