Mostrando postagens com marcador Editora LeYa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Editora LeYa. Mostrar todas as postagens

25 maio, 2022

Resenha :: O Poço da Ascensão (Mistborn — Nascidos da Bruma #2)

maio 25, 2022 0 Comentários



Essa resenha pode conter Spoiler do livro anterior, indico ler antes o relato do primeiro livro, Mistborn — O Império Final, feita por Milly, clicando aqui.

  

O Poço da Ascensão, segundo livro da série Mistborn — Nascidos da Bruma, será minha primeira resenha no Clube do Farol e não sei se estou animada por ter entrado no grupo de colunistas ou por contar a vocês da continuação de uma das séries de fantasias mais comentadas no mundo literário.

09 junho, 2021

Resenha :: Jogador Nº 1

junho 09, 2021 0 Comentários


 

Eu era esquisito demais até mesmo para os esquisitões.

 

Preciso falar uma coisa importante, se você é um nerd/geek você vai gostar muito desse livro, se não for não fique triste, pois você vai gostar muito desse livro também. Aqui temos um universo completamente futurista onde as pessoas podem se conectar com o Oasis, um “mundo” (palavra pequena) virtual completamente novo, e diferente de muitos outros que pegam esse mesmo tema.  

23 abril, 2021

Resenha :: Clube da Luta

abril 23, 2021 0 Comentários

Quebrando a primeira e segunda regra.  

A primeira regra do clube da luta é não falar do clube da luta.


Se você está lendo isso saiba que é porque eu quebrei as regras, e se você veio aqui é porque alguém contou a você sobre o clube da luta e também quebrou as regras, mas já que está aqui é melhor saber logo que “a segunda regra do clube da luta é não falar do clube da luta.” 

22 abril, 2020

Resenha :: Desaparecida

abril 22, 2020 1 Comentários

Desaparecida conta a história de Emma Tupper, uma mulher de 34 anos, advogada de sucesso que está quase conseguindo realizar o sonho de se tornar sócia de um dos escritórios mais bem conceituados. Namora com o também advogado Craig. E tem uma vida, aparentemente, feliz.

Sua mãe está muito doente e depois de algum tempo vem a falecer, porém não conseguiu realizar seu maior sonho, que era conhecer a África. Sendo assim, Emma descobre que sua mãe deixou para ela uma passagem de ida e a volta em aberto. E para realizar o desejo da mãe, ela parte rumo ao desconhecido.

Tudo fica escuro ao meu redor. Sinto que acabei de despertar e de sair de minha viagem por Matrix, coberta de gosma primordial e lutando para respirar. Mas se esta é uma realidade paralela, onde está o sábio mentor que vai explicar o que está acontecendo?

Só que quando chega lá várias coisas acontecem. Ela adoece e quase morre, e quando enfim se recupera, tem um grande terremoto que deixa o vilarejo onde ela está totalmente incomunicável por meses. Quando ela consegue voltar, depois de seis longos meses, ela tem a certeza de que tudo estará como ela deixou, e aos poucos ela foi percebendo que algo estava errado, como o cartão do banco que não funciona, seu e-mail estava desativado, etc. A primeira grande surpresa de Emma é quando ela tenta entrar no seu apartamento e a chave não funciona. Ela recorre à vizinha que infelizmente não se encontra, e ela acaba esbarrando com um estranho que lhe oferece ajuda.

Dominic oferece para ela usar o telefone de seu apartamento, e ela aceita, o que ela não esperava era que o apartamento dele fosse o seu. Ela tenta convence-lo de que este é o seu apartamento, e ele acha que ela é uma maluca. Mas depois de desfeita a confusão e, muito a contragosto, ele lhe oferece para ficar até ela achar um local para morar. Porém quando ela investiga para saber o que está acontecendo, descobre que, como não conseguiam entrar em contato com ela após o terremoto, ela foi dada como morta. Suas contas estão bloqueadas, o apartamento relocado, suas coisas pessoais despejadas, seu carro rebocado (quase leiloado), seu emprego e seus clientes repassados para sua pior inimiga, e seu namorado seguiu em frente com a sua vida. E Emma está totalmente sem chão.

Deixo o telefone cair no balcão e empurro Dominic ao passar por ele, na direção da porta da frente.
— Emma. Ei Emma, espera…
Os chamados de Dominic me acompanham até o final do corredor, mas não consigo parar. Preciso sair, ir para longe deste lugar onde tudo parece como seis meses antes, onde tudo não passa de uma visão showroom de minha vida.

A única pessoa que não acreditava que ela estaria morta era a sua melhor amiga, a fofa da Stephanie. Que parte em uma busca desesperada cheia de encontros e desencontros.

Dominic é um fotógrafo lindo e envolvente, que guarda um segredo e uma história pessoal muito complicada. Mas quando vamos conhecendo melhor a sua vida, é impossível não se apaixonar por ele. Porém, Craig chega a se arrepender de ter desistido de Emma tão fácil e decide lutar por ela novamente. Mas isso pode ser mais difícil do que ele imagina.

O livro é simplesmente maravilhoso de uma leitura simples e fácil. E confesso que se fosse pela capa (que achei simples, meio infantilizada e com um toque de melancolia) eu não o leria, mas a história já me conquistou logo nas primeiras páginas.

Todos acham que depois de uma experiência "pós-morte", ela deve mudar totalmente a sua vida. E Emma acha que a vida dela era ótima do jeito que estava, é claro que muita coisa muda automaticamente, mas ela tem consciência de que as decisões e mudanças têm que serem tomadas por ela e não pelos outros. E eu achei este o ponto alto da história, que realmente me surpreendeu. E quando acabei de ler o livro, fiquei com a sensação de que a história estava concretizada, que o fim me satisfez. Com drama, emoção e comédia na dose certa.

Enfim, eu simplesmente amei.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

Desaparecida
Se você tivesse a chance de recomeçar, o que você faria?
Ano: 2014
Páginas: 320
Editora: LeYaBrasil
Sinopse:
Quem nunca sonhou em recomeçar a própria vida do zero? A jovem advogada Emma Tupper se vê diante dessa oportunidade quando volta para casa, após passar seis meses desaparecida na África. Surpresa, constata que todos acreditam que ela estava… morta. Emma descobre que sua antiga vida foi apagada. O apartamento onde vivia acaba de ser alugado para um novo inquilino, o misterioso fotógrafo Dominic. No escritório de advocacia no qual construía uma carreira brilhante com vistas ao cargo de sócia, sua rival Sophie se apossou não só de seus clientes e de sua sala – mas também de seu namorado, Craig. Enquanto tenta resolver o caos em que se transformou seu mundo, Emma se questiona: ela era feliz antes de sua viagem à África? Tinha valido a pena se sacrificar tanto em nome do trabalho? Amava Craig de verdade? Queria mesmo ter aquela vida de volta? Romântico e espirituoso, Desaparecida revela a envolvente trama de uma mulher à procura de si mesma.

09 abril, 2018

Resenha :: O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares

abril 09, 2018 1 Comentários



Queria começar dizendo que “quando eu li esse livro, não era essa modinha que é hoje e blá blá blá” (risos). A verdade é...

Eu li porque estava todo mundo lendo, sim! Fiquei curiosa, sim! E não sei o motivo da crise. Você não se torna melhor e nem é um leitor melhor se leu o livro antes ou depois de ficar famoso ou se quer ler ele ou não (tem pessoas que se acham boa demais para certos livros), então espero que a luzinha da humildade do farol ilumine você e não se sinta obrigado a ler, mas não fale mal de quem está lendo . Ok, parei.

Mas vamos ao que interessa... Apesar de já te ouvido falar bastante, eu li sem olhar nem a sinopse ou ter uma ideia geral do que se tratava (obviamente só esperava ter a Srta. Peregrine e as crianças peculiares em um orfanato, se não tivesse isso, ficaria chateada ), mesmo assim eu pensei uma coisa do livro e ele me mostrou outra, tipo, a capa me fez imaginar que era um livro meio de terror e tal, o que não é o caso.

A história do livro gira em torno do protagonista Jacob, um garoto de 16 anos que depois de uma tragédia que ocorre de forma misteriosa em sua família, ele decide que quer viajar para a ilha onde era o orfanato que seu avô viveu quando jovem, de onde sempre ele lhe contava várias histórias do local e das crianças que viviam junto com ele, mostrando-lhes fotografias antigas e bizarras dessas crianças. Durante a narrativa podemos acompanhar muito mistério na ilha, sobre o que aconteceu com o orfanato, e aos poucos vamos descobrindo com Jacob sobre o seu avô, sobre se as histórias que ele contava serem verdadeiras ou não, sobre criaturas que não imaginava existirem de verdade, e sobre o que seria ser peculiar... É uma grande mistura de fantasia, só que muito mais sombria e com mais bizarrice do que costumamos encontrar.

Sim, realmente achei um grande diferencial nesse livro, por esse efeito mais sombrio, as fotografias inseridas nele aumentavam e muito esse fator, confesso que fiquei com medo de ler a noite (), justamente por causa dessas imagens que dão uma sensação de um relato real ao invés de ficção, e isso é uma das melhores sacadas da trilogia, achei bem genial. Além das crianças peculiares que fiquei curiosa por cada uma, os personagens tinham jeitos diferentes do normal, ao mesmo tempo em que eram como qualquer outro, mas com suas “peculiaridades”.

Mas eu não sei se foi por minhas altas expectativas por ter ouvido tão bem dele, ou por já te lido livros de fantasia demais e acabar sendo mais exigente, mas eu não consegui sentir aquele “UAU”, ou aquele “NOSSA QUE LIVRO MARAVILHOSO”. Na minha humilde opinião foi um livro bom, um livro que indico, mas realmente não achei tudo isso que falam. Cada um tem seu gosto, apesar de vários pontos positivos, que já listei, e que fizeram valer a pena a leitura, eu faço meu papel de chata aqui e digo que eu esperava mais.

Então leiam e tirem suas próprias conclusões e quem sabe você discorde comigo e podemos fazer uma troca de ideias legal. Ainda pretendo ler os dois outros livros, quem sabe eles me conquistem. Até mais.


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares 
O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares #1
Ano: 2015
Páginas: 336 
Editora: LeYa
Sinopse (Skoob):
"O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares", um romance que tenta misturar ficção e fotografia.
A história começa com uma tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares.
Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo - por mais impossível que possa parecer - ainda podem estar vivas.

“Mesmo sem as fotos, esta seria uma história emocionante, mas as imagens dão um irresistível toque de mistério. A narração em primeira pessoa é autêntica, engraçada e comovente. Estou ansioso para o próximo volume da série!”
RICK RIORDAN, autor da série Percy Jackson e Os Olimpianos.

“Um romance tenso, comovente e maravilhosamente estranho. As fotos e o texto funcionam brilhantemente juntos para criar uma história inesquecível.”
JOHN GREEN, autor de A culpa é das estrelas.

“Vocês têm certeza de que não fui eu quem escreveu esse livro? Parece algo que eu teria feito...”
TIM BURTON

31 julho, 2017

Resenha :: O Assassino do Rei (Saga do Assassino #2)

julho 31, 2017 0 Comentários

É oficial, Majestoso ganhou o primeiro de vilão mais irritante e com vontade de estrangular do ano (raiva), o que não é fácil de acontecer, já que ultimamente não se fazem vilões para serem muito odiados, mesmo sendo maus (vai entender), para vocês verem a extensão da minha raiva, esse é um livro de quase 800 paginas e a primeira coisa que me veio a cabeça a falar é meu ódio por essa pessoa, o bom que ele não é um vilão obvio, e não sei o quanto vai a maldade dele ainda se tem mais por trás ou não, mas tenho certas desconfianças, que não posso falar. 

Firtz é um daqueles personagens principais que eu amo de forma materna, tipo eu vi ele crescer!! (Tá que alguns personagens eu vejo crescer e quero casar) Mas ele faz que a gente se apegue a ele de forma diferente, ele é carente . Mas falando sério, gostei bastante do Firtz desse livro, mas não gostei tanto da parte romântica, o grau de romance até que não chega a ser exagerado, mas para esse momento da história, o menos seria melhor. (na verdade eu descartaria toda essa parte, mas não se pode ter tudo).

As coisas acontecem e acontecem nesse segundo livro, mas apesar do volume de paginas, ele não respondeu a maioria das perguntas que o livro "O Aprendiz de Assassino" deixou. Mas não deixa de ser bom é bem surpreendente, com muito mais ação, ele foi nesse aspecto muito melhor que o primeiro. Firtz Cavalaria não é aquele clichê badass que costumamos vê, ele erra e bastante, e até que queremos que ele se dê bem em tudo, mas ele está longe de ser isso, e acho que a forma que ele se desenvolve dentro da história bom, mas poderia ser melhor.

Nesse ponto da história alguns Navios de Guerra de Veracidade já estão prontos para a defesa, mas os Navios Vermelhos ainda são bem mais fortes, mas apesar de aqui se bem mais voltado para essa invasão do que o primeiro, os acontecimentos dentro da Torre do Cervo ainda continua no centro do enredo, com toda uma maquinação politica, armações e intrigas bem mais particular ou não, já que no fim fiquei  um pouco sem palavras para o rumo que a história está seguindo, mas achei que foi deixado uma carga de acontecimentos muito grande para o próximo livro: "A Fúria do Assassino", e eu já não espero adivinhar o que poderia acontecer e se vai conseguir abranger tudo que ficou com uma necessária explicação.  Espero que sim! Leiam!!!


Nota :: 


Informações Técnicas do livro

      O Assassino do Rei
Saga do Assassino # 2
Ano: 2014
Páginas: 736
Editora: LeYa Brasil
Sinopse (Skoob):
Uma nova e perigosa missão coloca a coragem de Fitz à prova. Será ele capaz de carregar o destino Reino em suas mãos?
O jovem Fitz, filho ilegítimo do nobre Príncipe Cavalaria, é ignorado por toda a realeza, exceto pelo tortuoso Rei Sagaz, que o treinou na obscura arte do assassinato. Fitz mal acaba de sobreviver à sua primeira missão, que quase esfacelou sua alma, e retorna à corte onde foi jogado de cabeça no tumulto da vida real.
Com o Rei à beira da morte, e com seu único aliado envolvido em uma missão com poucas chances de sucesso, o trono em si está ameaçado. Enquanto isso, o traiçoeiro Navio Vermelho renova seus ataques aos Seis Ducados, abatendo os moradores de todas as cidades da costa. Neste momento de grande perigo, fica claro que o destino do reino pode estar nas mãos de Fitz – e seu papel em sua salvação pode requerer de Fitz seu último sacrifício.

22 agosto, 2016

Especial Livros Sem Fim: As 5 Melhores e Maiores Sagas/Séries de Fantasia

agosto 22, 2016
                                                                                                                                                                           Se você sofre do mal e do bem que é amar sagas, já deve ter sofrido o triste destino de olhar um primeiro livro, lido a sinopse, percebe que é uma saga... o que até aí tudo bem, você ama sagas não é mesmo? (Eu sim,sei que é pedi para sofrer, mas eu não resisto a elas).
Mas você é uma pessoa precavida, quer pesquisar quantos livros são se já foram lançados todos, se não, quando irão ser lançados. (Confesso que não sou precavida assim, poucos eu procuro saber mais antes é acabo sofrendo, vejam em “Maldição das Sagas Incompletas: Top 5 do Desespero”), mas é ai... O problema não é ser saga... Então qual seria o problema? Simples, é o tamanho delas, sério... 13... 12... 7 livros... Autores para que  tantos? E a gente fica naquele antigo dilema, a curiosidade ou a preguiça?
 Se você optou pela curiosidade, alguns livros listados aqui você já podem ter lido, e dificilmente se arrependeu, bom tem algumas sagas bem grandes e bem ruins, mas prefiro não citar aqui, hoje vamos dar dicas aos preguiçosos, sim, vocês que no fundo, no fundo já pensaram em começar algum desses livros, mas que a quantidade te assusta, e nem sabe se são tão bons, hoje vou dar minha opinião sobre As 5 Maiores e Melhores Sagas/Séries de Fantasia que li ou estou lendo.  

15 agosto, 2016

Resenha :: O Senhor da Torre (A Sombra do Corvo # 2)

agosto 15, 2016


(A Sombra do Corvo #2)

Na resenha que fiz sobre A canção do Sangue comecei dizendo que era uma fantasia medieval bem construída e que apesar de ter mais de 600 paginas (655 no caso) tem uma narrativa tão boa que te prende do inicio ao fim, bom, mas se você leu essa minha resenha, então já sabe (e não entende o porquê de eu esta voltando para isso, e eu sou repetitiva, eu sei, agora deixa eu continuar, to tentando fazer um paralelo aqui, calma...), e o que dizer então de O Senhor da Torre, segundo livro da Trilogia A Sombra do Corvo que tem nada mais, nada menos que 704 paginas (não foi o maior livro que li, mas é grande, vamos combinar), você pode está pensando... “dessa vez não se prendeu?”; “Agora com certeza essas paginas todas te cansou”... 

Engano o seu meu caro amigo leitor invisível de resenhas alheias, O Senhor da Torre é simplesmente espetacular, esqueça que eu disse sobre o primeiro ser bom, chamar esse segundo de bom seria uma ofensa! Anthony Ryan tem um estilo de narrativa completamente impressionante para esse tipo de história bem mais complexa, depois que terminei a leitura, tive que dar um tempo antes de vim escrever algo, eu estava sem palavras, sério.

Agora o que mais faz a história ser tudo isso? O que faz ser melhor que o primeiro livro? (que eu já amava tanto), A narrativa dividida é o grande diferencial desta continuação, se no primeiro acompanhamos a narração feita por Varlin Al Sorna, agora os capítulos são divididos entre ele, a princesa Lyrna, o antes desaparecido Frentis e uma nova personagem Reva, você pode pensar “eu gostava da narração de Varlin, agora tenho que ficar preso nesses outros e torce para voltar a dele logo”... Não meus caros colegas, não, não, absolutamente não!

Quando você começa a ler a narração de um, você simplesmente esquece-se do outro, não estou falando de esquecer que os outros existem, mas você se envolve com a narrativa deles assim que começa, o que eu achei incrível, lembra “As crônicas de gelo e fogo” por causa dessa separação da narrativa por personagem, ao mesmo tempo em que tudo caminha para se interligar, a diferença que gostei da narração de todos (em “As crônicas de gelo e fogo” eu estava toda empolgada na narração de John Snow, Tyrion e de repente a próxima... Sansa :/ É a vida, sorte que é muito bom também, só que com narrativa mais densa do que esse).

Posso dizer também que agora a questão da magia está muito mais no centro das coisas, se antes foi abordada de forma mais pelas beiradas, nessa é bem mais abrangente, tanto isso, como as questões das crenças, cultura e religiosidade entre alguns locais do reino, que é a base de muitas brigas e discordância, além de guerra, é difícil explicar, porque são coisas inventadas, e apesar disso esse universo criado  Anthony Ryan, consegue passar uma mensagem de tolerância, de respeito, de como o fanatismo religioso pode distorce as coisas, de uma forma que achei genial, no primeiro livro tinha um grupo fanático de uma determinada crença, que eram completamente cruéis com quem seguia crenças diferentes da dele, passei o primeiro livro achando que eram vilões, e nesse segundo eu quebrei a cara quando mostram novos personagens que tem a mesma fé e não são os vilões, não são maus, e é incrível quando você reflete que você generaliza um julgamento por causa de determinados grupos radicais, tenho que repetir, isso é incrível.

Tem outras questões que gostaria de falar, que esse livro vem mostrando, principalmente sobre a homossexualidade e a mulher, sobre o certo e errado, mas é muita coisa, e é meio complicado de escrever ainda mais sem spoiler. 

E falando nisso, é meio difícil falar de como se passa esse livro, sem dar spoiler, mas posso dizer que a guerra que teve no primeiro não chega a ser tão ruim quando você ler o que vai acontecer nesse livro, Varlin aqui aceita muito mais seu dom, ele pode não está sozinho no centro da história agora, mas ele continua ótimo, Frentis depois do fim do ultimo livro passou por coisas horríveis e ficamos sabendo o que aconteceu com ele, e ele tem um papel fundamental agora, está bastante mudado, céus, fiquei morrendo de pena dele, mas ninguém mudou tanto a personalidade como a princesa Lyrna, ela continua super mega inteligente, com certeza a cérebro de todo o livro, mas acho que agora ela deixou de usar sua inteligência para o “mau”, ela está melhor agora, tecnicamente menos manipuladora, ou manipulando as pessoas certas, talvez...

Reva apareceu apenas nesse segundo livro, é completamente maluca no começo, realmente uma ótima personagem, no final do livro ela é outra. São muitos personagens que surgiram, e ganharam destaque agora, e com certeza os dois primeiros livros de a Trilogia da Sombra estão entre os melhores livros que li esse ano, não querendo me estender mais só vou dizer que amo as capas dos livros e se por algum milagre você conseguiu chegar ao fim dessa resenha, você já está quase pronto, foi um pequeno treinamento para as 704 paginas que te esperam, obrigada.

Nota: 

  Leia a resenha A Canção do Sangue - A sombra do corvo 01

 

Ficha Técnica do Livro

    O Senhor da Torre
A Sombra do Corvo # 2
Anthony Ryan
Ano: 2016 
Páginas: 704
Editora LeYa

Sinopse (Skoob) 
Anthony Ryan, autor best-seller do New York Times, está de volta com a eletrizante sequência de A Canção do Sangue. O Senhor da Torre é o segundo livro da série “A Sombra do Corvo”, uma fantasia épica que explora episódios de conflito, lealdade e fé. Vaelin Al Sorna, agora guerreiro da Sexta Ordem, é o maior guerreiro de sua época. Desiludido com seu Rei e pelo sangue de guerreiros derramado por causa de uma mentira, ele volta para casa, se isolando de tudo, e jura nunca mais matar. Porém, o Reino, que já está dividido entre os que apoiam o Rei Janus e os que preferem sua irmã como líder, será atacado por forças poderosas, e Vaelin, o Lâmina Negra, deverá lutar novamente.

“Com uma trama complexa e repleta de reviravoltas, tomada por intrigas e alianças que mudam constantemente, Ryan dá prosseguimento à história iniciada em A Canção do Sangue de forma magistral, amarrando um número suficiente de pontas soltas ao mesmo tempo que deixa outras de sobra para aumentar o suspense para o próximo volume.” – Publishers Weekly

“Este livro é, sem dúvida, a melhor fantasia épica heroica dos últimos anos [...] e agora todos os outros livros terão de se esmerar para superá-lo. O senhor da torre é a prova cabal de que Anthony Ryan é o melhor autor britânico de fantasia épica da atualidade.” – Fantasy Book